Tudo sobre o programa Commercial Crew Development da NASA (CCDev) e notícias

A NASA finalmente recuperará o acesso independente ao espaço

– Notícias de 9 de agosto de 2018 –

O programa Commercial Crew Development da NASA é de primordial importância para a Agência Espacial dos EUA. Deve permitir que os Estados Unidos recuperem suas capacidades independentes para vôos espaciais tripulados. Desde 2011, o ano do fim do programa de ônibus espaciais, os Estados Unidos da América têm usado as capacidades russas para enviar americanos ao espaço. É uma situação politicamente complicada. Como um país que gasta muito mais do que outros em suas atividades espaciais acaba tendo esse problema? Esta não é a primeira dificuldade da NASA para vôos tripulados. O último vôo da cápsula Apollo em 1975 foi seguido por quase 6 anos sem nenhum vôo tripulado, até o lançamento do ônibus espacial em 1981. Isso mostra a grande complexidade de desenvolver um novo veículo para enviar homens ao espaço. No entanto, atualmente, três veículos espaciais estão sendo desenvolvidos nos Estados Unidos da América: Orion deve permitir que o país embarque novamente em missões além da órbita baixa. Os outros dois veículos, Crew Dragon, da SpaceX, e CST-100 Starliner, da Boeing, são dedicados a servir a estação espacial internacional.

Em 2003, a tragédia do ônibus espacial Columbia, que matou seus sete tripulantes, precipitou o fim do programa. O ônibus espacial é necessário para montar a ISS, então continua a voar até 2011. No entanto, a NASA teve que preparar o futuro. A administração Bush apostou no programa Constellation, que visa fornecer aos Estados Unidos da América uma espaçonave e vários foguetes para realizar missões tripuladas até a órbita baixa e além dela. O programa Constellation foi cancelado em 2010, um ano antes do final do programa do ônibus espacial. A NASA pode ser incapaz de conduzir missões tripuladas por um longo tempo. Para evitar a parada total dos vôos de astronautas americanos, um acordo é alcançado com os russos. A agência espacial norte-americana compra espaço nas cápsulas espaciais da Soyuz por US $ 70 milhões por astronauta.

A NASA então se volta para a indústria privada, como para as missões de serviço de carga para a ISS. Um programa específico é lançado em 2009, o Programa Commercial Crew Development (CCDev). A agência espacial norte-americana pede a seus parceiros industriais que proponham novos conceitos de espaçonave. 36 empresas atendem a chamada, incluindo a Boeing, mas também muitas empresas iniciantes como SpaceX, Blue Origin, Bigelow ou Sierra Nevada Corporation. O programa CCDev começa muito lentamente com um envelope de US $ 50 milhões. Na época, o Constellation ainda monopolizava grande parte do esforço orçamentário dos EUA. A NASA seleciona cinco empresas que compartilharão o orçamento: Blue Origin, Paragon Space e ULA são responsáveis ​​pelo desenvolvimento de sistemas associados a voos espaciais tripulados. A maior parte do financiamento vai para a Boeing e a Sierra Nevada. Ambas as empresas estão encarregadas de desenvolver naves espaciais capazes de levar os homens à órbita baixa. A proposta de Sierra Nevada retoma o conceito de ônibus espacial, enquanto o conceito da Boeing retorna a uma arquitetura de missão usando uma cápsula espacial, como a Apollo fez. Os nomes “Dream Chaser” e “CST-100” surgem no momento.

Em abril de 2011, a NASA anunciou um orçamento muito maior, de US $ 270 milhões. Quatro empresas compartilham. A Boeing e a Sierra Nevada podem considerar mais seriamente o desenvolvimento de sua espaçonave. Eles recebem US $ 92 milhões e US $ 80 milhões, respectivamente. Um terceiro envelope orçamentário significativo é alocado para a SpaceX, que entra no programa com US $ 75 milhões. A empresa de Elon Musk é responsável pelo desenvolvimento de um sistema de evasão que pode ser adaptado à sua nave espacial Dragon, um passo essencial na adaptação ao transporte da tripulação. A Blue Origin recebe US $ 22 milhões para desenvolver diversas tecnologias, incluindo seu motor de foguete BE-3.

Um pouco mais de um ano depois, a NASA reduz o número de participantes no programa, mas aumenta consideravelmente as somas alocadas. O programa Constellation foi abandonado e o programa Commercial Crew Development está se tornando uma prioridade. A partir daí, três empresas continuarão recebendo financiamento da Agência Espacial dos EUA: Boeing, SpaceX e Sierra Nevada. A SpaceX vem na hora de mostrar suas habilidades ao encaixar com sucesso uma espaçonave privada na Estação Espacial Internacional. Em 25 de maio de 2012, a NASA fez sua escolha: a SpaceX e a Boeing fornecerão, cada uma, uma espaçonave capaz de levar até 4 pessoas para a ISS. Para conseguir isso, a SpaceX recebe US $ 3 bilhões em financiamento adicional entre 2012 e 2014, enquanto a Boeing recebe quase US $ 4,7 bilhões no mesmo período. A proposta da Sierra Nevada é revista para se tornar uma simples nave espacial de carga e a empresa recebe muito menos financiamento do que seus dois rivais. No final de 2014, a NASA decidiu que seus astronautas voariam em duas espaçonaves com características e recursos semelhantes, o SpaceX Dragon V2, que será renomeado para Crew Dragon e o Boeing CST-100 Starliner.

A SpaceX e a Boeing conduzirão 6 missões cada uma para a ISS com sua nova espaçonave tripulada, mas depois disso nada é seguro. O futuro dessas espaçonaves provavelmente dependerá fortemente do futuro da estação espacial internacional. Desde o primeiro voo tripulado da Shenzhou em 2003, não vimos um novo veículo orbital chegar. No próximo ano, haverá dois.

NASA anuncia cronograma de testes da SpaceX e da Boeing

– Notícias de 1 de agosto de 2017 –

Commercial Crew Development (CCDev) foi desenvolvido após o retiro do ônibus espacial em 2011. O objetivo é fornecer um meio 100% americano de acesso à estação espacial internacional, para tripulações. Onde a CCDev é diferente dos projetos usuais da NASA, as empresas privadas são responsáveis ​​pelo desenvolvimento dessas espaçonaves. A NASA selecionou três empresas: Sierra Nevada, que desenvolveu o programa Dream Chaser, SpaceX com sua cápsula espacial Dragon V2 e Boeing com sua cápsula espacial CST-100 Starliner. A cápsula espacial da Boeing é bastante clássica porque leva o design da cápsula Apollo, mas com dimensões maiores. Isso é facilmente compreensível porque a Boeing absorveu em 1996 algumas das empresas que haviam trabalhado no programa Apollo. O CST-100 Starliner poderá trazer até sete astronautas para a Estação Espacial Internacional.

Mas as ambições da Boeing não param por aí porque a cápsula espacial é de fato desenvolvida com a ajuda da Bigelow Aerospace, que trabalha há muitos anos em um projeto de estação espacial privada. O primeiro módulo desta estação espacial está sendo testado atualmente no ISS. Para servir a sua futura estação espacial, a Bigelow Aerospace abordou a Boeing para o desenvolvimento do CST-100 Starliner. A Nasa anunciou na semana passada os cronogramas de testes para o Dragon V2 e o CST-100 Starliner. A cápsula espacial da Boeing está programada para realizar dois voos de teste em 2018, o primeiro voo não tripulado em junho, seguido de um vôo de teste com astronautas em agosto de 2018. A NASA terá duas cápsulas operacionais em agosto de 2018, porque a cápsula da SpaceX será certificada ao mesmo tempo. Com a chegada do Dream Chaser e da cápsula espacial Orion na década de 2020, a NASA terá um verdadeiro exército de espaçonaves para voos espaciais.

Imagem da NASA (Public Program CCP Program Collector Card), via Wikimedia Commons

Fontes

Receber notícias sobre exploração espacial e turismo espacial por email

Subscreva a newsletter para se manter ligado às novidades do turismo espacial! Preencha seu endereço de e-mail, escolha seu idioma e clique em "OK". Você receberá um email de confirmação, clique em para confirmar sua assinatura. Você está livre para cancelar a inscrição a qualquer momento.