Tudo sobre a missão DART da Nasa e novidades

dart mission

Missão da HERA para inspecionar os resultados da missão do DART em 2026

– Notícias de 12 de fevereiro de 2019 –

A missão Hayabusa e a missão OSIRIS-REx continuam a explorar Ryugu e Bennu, por vezes apresentados como perigosos para a Terra. O risco de que um desses dois objetos colida com nosso planeta seja realmente muito pequeno, mas um dia ou outro um asteróide em massa estará no caminho da Terra, talvez em 20 anos ou 20 milhões de anos.

É por isso que a NASA e outras agências espaciais têm uma política de defesa global. Isso consiste em identificar os objetos que provavelmente cruzarão a órbita da Terra e a avaliação do seu nível de ameaça. Tentamos detectar ameaças concretas a tempo de tentar agir. Podemos imaginar vários métodos para desviar um asteróide.

A grande maioria desses métodos é ficção científica. A NASA e a ESA querem experimentar um método de deflexão de asteróides em pequena escala. No início de 2020, a agência espacial dos EUA lançará a missão DART. É uma sonda espacial especial porque não embarca em quase nenhum instrumento científico. Seu papel é se bater a mais de 20000 km / h no pequeno asteróide, um sistema binário.

Esperamos que o alvo, chamado Didymoon, seja desviado sensivelmente por esse impacto. Isso seria um sinal de que o método é válido para aplicações de defesa planetária. Claro, a missão será destrutiva para a sonda espacial DART. A princípio, podemos observar o resultado graças aos observatórios terrestres.

Para saber mais, a ESA planeja uma segunda missão para Didymoon e seu companheiro Didymos. A missão é chamada HERA. A ESA declarou que o HERA será uma missão de acompanhamento a ser lançada em 2023. O objetivo é chegar a Didymoon em 2026. O objetivo principal é, obviamente, avaliar o impacto da sonda dos EUA de perto: a composição do asteróide Ajudar a absorver um pouco do choque? Quais são os novos parâmetros orbitais exatos de Didymoon?

Além de se interessar pela zona de impacto, a HERA fará uma exploração detalhada do sistema binário. Será a primeira vez que um asteróide duplo será explorado por uma sonda espacial. Didymoon se tornará o menor asteróide a ser explorado. O alvo do DART mede apenas 160 metros de diâmetro.

A HERA também embarcará em dois Cubesats. O primeiro terá que fazer uma análise espectral dos dois asteróides do sistema. Esta pode ser uma oportunidade para descobrir a diferença entre Didymos e Didymoon. Ele pousará em um dos dois asteróides para fazer medições mais detalhadas. O outro Cubesat orbitará ao redor de Didymoon para sondar sua composição no radar. O HERA deve ser lançado com um Ariane 6. Esta é a oportunidade perfeita para garantir ao Arianegroup uma missão institucional.



crew dragon first flight



ESA para ser (possivelmente) parceiro da missão espacial DART

– Notícias de 3 de julho de 2018 –

A Terra é relativamente poupada por meteoritos graças à sua atmosfera. Mas a Terra, mais cedo ou mais tarde, será atingida novamente por um grande meteoro. A NASA vem realizando vigilância de asteróides próximos à Terra desde o início dos anos 90. A NASA espera detectá-los a tempo de poder agir e evitar um desastre. Mas o que vai fazer quando a NASA detectar um asteróide realmente perigoso?

A missão do DART (Teste de Redirecionamento de Asteróides Duplos) da agência espacial norte-americana é atingir um asteroide com um impactor e medir se ele permitir mudar de órbita. O método poderia então ser usado em uma escala maior em caso de perigo real. Para fazer sua demonstração, o DART irá na direção de um asteróide chamado Didymos. Outro asteróide, Didymoon, orbita em torno de Didymos. É a Didymoon quem receberá o impacto do DART. Com apenas 170 metros de envergadura, Didymoon é realmente pequeno o suficiente para que possamos medir os resultados. A Didymos, por sua vez, será capaz de fornecer um ponto de referência para medir com precisão as alterações orbitais.

Originalmente, a ESA participaria do projeto fornecendo uma missão de observação pós-impacto, chamada AIM (Asteroid Impact Mission). AIM teria medido os efeitos do impacto com grande precisão. Infelizmente, esta missão não conseguiu encontrar financiamento adequado. Parece, no entanto, que a ESA decidiu retomar esta missão: a Agência Espacial Europeia acaba de apresentar uma nova sonda espacial chamada AIDA, que assumirá o papel da missão da AIM. AIDA chegaria perto de Didymos em 2026, quatro anos após o impacto do DART. Isso permitiria que a sonda espacial observasse a órbita, a rotação e a cratera deixadas pela sonda espacial DART. Ao comparar as observações das duas sondas espaciais antes e depois do impacto, os efeitos do impactador podem ser determinados com grande precisão.

Para o projeto da AIDA ser financiado, a ESA terá que ser mais convincente do que na época da AIM. Face aos decisores europeus, a Agência Espacial Europeia apresentará a AIDA como uma missão de proteção global, não uma missão científica. Se a ESA não conseguir validar a missão, será suficiente observar de telescópios terrestres inevitavelmente menos precisos. No entanto, podemos ver o impacto em si: a NASA está trabalhando em uma parceria com a Agência Espacial Italiana para adicionar um CubeSat à missão DART. O CubeSat se separaria no último momento da sonda espacial norte-americana e estaria muito bem colocado para observar a colisão e tirar fotos impressionantes.

É de se esperar que o próximo asteróide, perigoso para a humanidade, chegue em muito tempo, porque a humanidade ainda não está pronta. Para lidar com o asteróide, podemos imaginar que em algumas décadas teremos as tecnologias e lançadores necessários para reagir a um asteroide que atinge a Terra. A coisa mais importante no momento é listar e monitorar todos os objetos que possam um dia ser arriscados. Espera-se que o comissionamento do Grande Telescópio de Levantamento Sinóptico (LSST) no Chile, previsto para 2022, identifique mais de 90% da população de asteróides próximos à Terra.

NASA aprova a missão DART

– Notícias de 4 de julho de 2017 –

A NASA concordou em lançar o desenvolvimento da missão DART (Double Asteroids Redirection Test). Esta missão é enviar uma sonda espacial para acertar um asteróide para desviar sua trajetória. Este é um teste para determinar nossa capacidade atual de responder à ameaça de um asteróide próximo da Terra.

O sistema gémeo de asteróides de Didymos foi escolhido como alvo, uma vez que passará perto da Terra em 2022 e 2024. O Didymos é na verdade composto por dois asteróides: o Didymos A tem um diâmetro de 780 metros e orbita em torno do primeiro, Didymos B, que será afetado pela missão. A sonda espacial terá um design bastante simples: pesará 500 quilos e impactará enormes baias a uma velocidade de 6 km por segundo.

Para combater a ameaça de asteróides próximos da Terra, a NASA estabeleceu em 2016 um escritório de coordenação de defesas planetárias. É responsável por listar e analisar as trajetórias de todos os objetos que poderiam ser uma ameaça ao nosso planeta.

Imagem da NASA (https://www.nasa.gov/planetarydefense/aida) [domínio público], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?