Via Láctea : enorme explosão há 3,5 milhões de anos

milky way galaxy

– Notícias de 15 de outubro de 2019 –

Até recentemente, pensava-se que o buraco negro central da Via Láctea, chamado Sagitário A*, era um pequeno buraco negro supermassivo. Com 4 milhões de massas solares, não é um dos grandes buracos negros supermassivos. Sua atividade parece fraca, nada a ver com os quasares avassaladores que podem ser observados em galáxias distantes. Alguns meses atrás, até percebemos que ele tem algumas explosões de energia. Em 13 de maio, foi observado que a luminosidade do infravermelho Sagitário A* foi brevemente multiplicada por 75, o que provavelmente é um sinal de que uma quantidade significativa de material acabou de cair em direção ao seu horizonte de eventos. Mas essa explosão luminosa é insignificante em comparação com o cataclismo que uma equipe de pesquisadores australianos descobriu.

Há 3,5 milhões de anos, ou seja, muito recentemente na escala cósmica, o centro da Via Láctea teria sofrido uma explosão gigantesca que daria origem a duas protuberâncias visíveis de raios X e raios gama, que estendem até 25.000 luz anos do centro da Via Láctea. Essas protuberâncias são chamadas de bolhas FERMI porque foram descobertas pelo telescópio espacial FERMI há cerca de dez anos. Provavelmente são prova de que a Via Láctea deu à luz a esses raios muito recentemente.

Pesquisadores australianos acreditam que descobriram evidências adicionais desse evento no Magellanic Stream, uma trilha de matéria deixada para trás na sequência das Nuvens de Magalhães, duas galáxias anãs que orbitam a Via Láctea. Algumas partes desse fluxo parecem ter sido ionizadas por uma fonte muito poderosa. Apenas uma atividade nuclear relacionada ao buraco negro central da Via Láctea é uma fonte plausível. Nos seus modelos, um cone ionizante duplo originário de Sagitário A* parece corresponder melhor às observações. Em outras palavras, um jato de raios teria ocorrido 3,5 milhões de anos atrás e teria durado cerca de 300.000 anos.

Este evento foi certamente muito brilhante e os ancestrais do homo sapiens podem ter vivido com um duplo cone de luz no céu. Para produzir uma explosão tão incrível, certamente foi necessário um acúmulo de gás muito importante ao redor do buraco negro. Algumas estrelas suspeitas de terem feito curvas fechadas em torno de Sagitário A* neste momento podem concluir esse cenário. No entanto, ainda há muito trabalho a ser feito para entender como os buracos negros supermassivos influenciam sua galáxia hospedeira.

Se o cenário dos jatos de raios for confirmado, a Via Láctea terá uma face completamente diferente do que pensávamos. Era uma galáxia ativa apenas alguns milhões de anos atrás. Foi capaz de produzir outros jatos de raios cuja luz ainda não nos chegou. Em qualquer caso, pode-se considerar feliz viver algumas dezenas de milhares de anos-luz do centro da galáxia. As estrelas e planetas que foram capturados no cone de radiação e na onda de choque das bolhas FERMI tiveram azar.





Uma estrela atípica provaria que a Via Láctea engoliu seus vizinhos cósmicos

– Notícias de 14 de maio de 2019 –

A Via Láctea é cercada por dezenas de galáxias anãs como a Pequena e a Grande Nuvem de Magalhães. Há indícios de que nossa galáxia tenha engolido alguns de seus vizinhos menores em sua história. Por exemplo, dados da missão de astronomia de Gaia mostraram um grupo de dezenas de milhares de estrelas com comportamento estranho. Eles orbitam o centro da galáxia na direção oposta das outras estrelas, provavelmente porque vieram do encontro fatal com outra galáxia, dez bilhões de anos atrás.

Da mesma forma, uma equipe de pesquisadores acha que a estrela J1124 + 4535 não se formou na Via Láctea, embora resida a partir de agora. Desta vez, sua composição química traiu isso. J1124 + 4535 foi descoberto em 2015 na constelação da Ursa Maior. Está localizado a cerca de 60.000 anos-luz de nós. Observações do Telescópio Subaru mostraram que ele tem níveis muito baixos de magnésio e altos níveis de európio. Esta assinatura química não pode ser encontrada em suas estrelas próximas, nem no resto das estrelas da Via Láctea.

A composição química de J1124 + 4535 é única. Isso sugere que ela foi formada em um ambiente diferente do resto das estrelas da Via Láctea. Esta assinatura química é no entanto bastante típica das estrelas que se formam nas galáxias anãs perto da Via Láctea. Podemos, portanto, assumir que J1124 + 4535 fazia parte de uma das doze galáxias anãs que foram engolidas pela Via Láctea. Este é o indício químico mais óbvio de que tal evento ocorreu. Agora estamos começando a acumular mais e mais evidências dessa festa cósmica. Talvez os diferentes catálogos de Gaia nos ajudem a reconstruir toda a história da Via Láctea nos próximos anos.

No entanto, não devemos pensar que essas assimilações intergalácticas não mais ocorrerão. A Via Láctea continua a engolir seus vizinhos. A grande Nuvem de Magalhães, que possui dezenas de bilhões de estrelas, também pode ser consumida pela Via Láctea em 2,5 bilhões de anos. A Via Láctea continuará a crescer para se encontrar mais forte do que ela. Ele irá encontrar a galáxia de Andrômeda em 4 a 5 bilhões de anos. Há muito se pensava que Andrômeda era mais massiva que a Via Láctea, mas ambas as galáxias parecem ter massa semelhante no final. Seu encontro acabará por criar uma super-galáxia. Se hoje temos dificuldades em traçar a história da Via Láctea, tente imaginar o trabalho que aguarda uma civilização que apareceria nesta nova galáxia monstruosa.

A Via Láctea tem uma forma ondulada

– Notícias de 10 de fevereiro de 2019 –

Quando imaginamos a Via Láctea, pensamos em um disco bastante plano. Esta é a forma que observamos para as galáxias vizinhas. No entanto, é difícil determinar com precisão a forma de um objeto celeste porque somos parte desse objeto. Uma equipe chinesa-australiana criou um mapa da nossa galáxia que contradiz essa imagem de um disco plano. A medição de distância é uma grande parte do problema.

Para tentar modelar a Via Láctea, podemos tentar medir com precisão a distância ao sol a partir de uma amostra de estrelas. Felizmente, já sabemos como fazer isso para um tipo específico de estrela. As cefeidas são estrelas muito jovens com brilho variável. Ao estabelecer uma relação entre sua periodicidade e luminosidade, sua distância pode ser estimada. Mas este método só funciona para distâncias relativamente pequenas em uma escala cósmica. Mas na escala galáctica, é bastante confiável.

Ao criar um catálogo de 1339 cefeidas, a equipe de pesquisa percebeu que as regiões mais externas da Via Láctea parecem ter uma forma ondulada. Quanto mais longe do centro galáctico, mais deformações são visíveis. Esta observação torna a Via Láctea muito interessante. A maioria das galáxias espirais seria de fato plana, mas algumas delas teriam deformações similares.

Uma galáxia fantasma descoberta perto da Via Láctea

– Notícias de 4 de dezembro de 2018 –

Em 25 de abril, foi publicado o segundo catálogo do Observatório Espacial Gaia da ESA. Gaia é instalado em torno do ponto Lagrange L2 do sistema Terra-Sol. Gaia listou a posição, paralaxe e movimento de mais de 1,3 bilhão de estrelas. Seus resultados continuam levando a muitas descobertas.

Uma equipe internacional de pesquisadores acredita ter detectado uma galáxia anã localizada na periferia da Via Láctea, com características surpreendentes. O objeto é chamado Antlia 2. A Via Láctea tem várias dezenas de galáxias satélites, galáxias anãs de alguns bilhões de massas solares. A mais importante delas é a Grande Nuvem de Magalhães, conhecida da humanidade há séculos. O Antlia 2 é quase tão alto quanto é e quase um terço do tamanho da Via Láctea.

No entanto, esta galáxia anã não foi descoberta antes de 2018. Antlia 2 está localizada logo atrás do disco galáctico, por isso está escondida pelas centenas de bilhões de estrelas na Via Láctea. Também é incrivelmente escuro, é até apelidado de galáxia fantasma. Embora seja quase do mesmo tamanho que a Grande Nuvem de Magalhães, ela é de fato 10.000 vezes menos luminosa do que é.

O tamanho grande e a luminosidade muito baixa da galáxia anã são características bastante difíceis de reconciliar. Nós ainda estamos procurando por um cenário para explicar o estado atual de Antlia 2. A galáxia anã pode ter perdido algumas de suas estrelas em favor da Via Láctea. O problema é que as galáxias que perdem estrelas tendem a encolher de tamanho, também podemos imaginar que, em sua juventude, Antlia 2 foi o lar de muitas supernovas, que teriam soprado gás e poeira fora da galáxia. Mas mesmo essa hipótese falha em explicar as características de Antlia 2. Sabemos que a matéria escura desempenha um papel gravitacional proporcionalmente maior nas galáxias anãs, talvez seja deste lado que devemos investigar.

Por enquanto, o Antlia 2 é uma exceção entre as galáxias satélites conhecidas da Via Láctea. Por outro lado, pode ser o primeiro de uma série de objetos semelhantes a serem descobertos. Neste caso, pode ser necessário rever os modelos de formação de galáxias anãs. Gaia é a ferramenta ideal para fazer esse tipo de observação. Espera-se que o catálogo final do observatório europeu seja publicado em 2022. Ele estimulará pesquisas sobre estrelas e galáxias por muitos anos.

A missão de Gaia revela que a Via Láctea já atingiu a galáxia de Sagitário

– Notícias de 2 de outubro de 2018 –

Gaia é uma missão de astrometria que registra a posição e outros parâmetros de mais de um bilhão de estrelas. A partir do catálogo de dados produzido pela missão, uma equipe de pesquisadores europeus acredita ter reconstruído um pequeno pedaço de nossa história galáctica. Sabemos que a Via Láctea teve um passado atormentado. Ele engoliu, fundiu e confrontou sua força gravitacional com as outras galáxias ao seu redor. A maioria desses encontros ocorreu há muito tempo, como evidenciado pela forma relativamente plana e regular do disco galáctico. Mas se você olhar o comportamento das estrelas em detalhes, não é tão calmo quanto parece.

O comportamento de um grupo de alguns milhões de estrelas intrigou a equipe de astrônomos europeus. Essas estrelas orbitam o centro galáctico como todas as outras, mas também seguem padrões mais atormentados, girando em torno um do outro. Ao observar esses padrões, a equipe concluiu que essas eram as conseqüências de um grande distúrbio gravitacional que teria ocorrido entre 900 e 300 milhões de anos atrás. Apenas outra galáxia poderia ter tido um impacto tão grande em tantas estrelas. Acredita-se que isso poderia ser por causa da galáxia anã Sagitário, que é uma das muitas galáxias próximas à Via Láctea.

Segue-se uma órbita polar ao redor da nossa galáxia, a cerca de 50 mil anos-luz de distância. Ele contém algumas dezenas de bilhões de estrelas. Pesquisas anteriores já haviam feito a hipótese de que esta galáxia já se encontrava perto da Via Láctea há algumas centenas de milhões de anos. Milhões de estrelas de ambos os lados teriam ficado presas em um gigantesco jogo gravitacional. Os padrões estranhos encontrados nos dados de Gaia seriam, portanto, o testemunho desse passado distante.

O duelo entre a Via Láctea e a galáxia anã de Sagitário não acabou, e a Via Láctea está ganhando. Uma simulação publicada neste verão estima que a pequena galáxia satélite tem apenas 100 milhões de anos de vida antes de ser destruída pela Via Láctea. Ele se juntará a uma dúzia de galáxias já engolidas pela Via Láctea.

Imagem por Pixabay

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?