Starlink, a constelação de satélites da SpaceX | Notícia

starlink

SpaceX começa a implantar sua constelação de satélites Starlink

– Notícias de 28 de maio de 2019 –

Depois que a OneWeb lançou o primeiro cluster de satélite em fevereiro, é a vez da SpaceX começar a implantar sua constelação de satélites chamada Starlink. A solução escolhida pela SpaceX usa lançamentos muito maciços com 60 satélites em um Falcon 9. Com um peso individual de 227 kg, a carga útil pesa mais de 18 toneladas. Apesar deste início promissor, ainda estamos longe do número de satélites necessários para oferecer um serviço mínimo. O acesso da Starlink à internet só pode ser comercializado com várias centenas de satélites em órbita.

Elon Musk também disse que ainda falta alguns recursos. Para se comunicarem, precisarão de muitas estações terrestres, o que aumentará muito a latência do serviço. Eventualmente, a constelação Starlink usará comunicações a laser inter-satélite. Além disso, seu design ainda deve evoluir para garantir que eles se desintegrem completamente durante sua reentrada atmosférica. A FCC, organização que administra satélites de telecomunicações nos Estados Unidos, ainda tem algumas dúvidas sobre isso.

Em paralelo a essas modificações, os primeiros satélites da constelação Starlink já mostram interessantes opções tecnológicas. Eles são alimentados por motores de krypton iônicos, menos eficientes, mas também mais baratos que o xenônio. A SpaceX continua a focar na eficiência econômica. Os satélites da constelação Starlink também estão equipados com um sistema automático de prevenção de detritos espaciais. Nós imaginamos que a experiência ganha na Tesla pode beneficiar a SpaceX.

O trabalho que ainda precisa ser feito é enorme para a SpaceX, que quer colocar até 12.000 satélites em sua constelação de telecomunicações. Em comparação, toda a humanidade lançou apenas 9.000 satélites desde o início da era espacial. O Falcon 9 não perderá o trabalho.

Baixar 6 papéis de parede gratuitos de Apollo 11

apollo 11 wallpapers
EU QUERO ELES




SpaceX começa a colocar em órbita a constelação de satélites Starlink

– Notícias de 14 de fevereiro de 2018 –

A SpaceX continua a lançar seus planos. No próximo sábado, um foguete Falcon 9 deve colocar em órbita os dois primeiros satélites de teste da constelação Starlink. Esta constelação de satélites desenvolvida pela SpaceX visa fornecer um acesso global à Internet, um sinal da enorme ambição da empresa americana. A SpaceX solicitou autorização para lançar 12.000 satélites até meados dos anos 2020.

Os satélites têm uma massa unitária de 400 kg e serão colocados em órbita circular a 1125 km de altitude. Sua missão de teste está programada para durar seis meses e será prolongada se as capacidades dos satélites permitirem. Ele testará os equipamentos de comunicação via satélite e todos os seus sistemas auxiliares. No final desta missão, os dois satélites de teste serão dessorvidos. Pode-se supor que colocar milhares de pequenos satélites em órbita é um trabalho ideal para o foguete Falcon Heavy. Deve ser capaz de lançar cem satélites por lançamento, se for capaz de mantê-los sob o seu cocar.

Como sempre acontece com a SpaceX, o mais difícil é determinar onde a realidade termina e onde começam as fantasias de Elon Musk. Para colocar essa constelação de satélites em órbita em meados da década de 2020, será necessário acelerar os lançamentos. Espera-se que o próximo vôo do Falcon Heavy ocorra em poucos meses, mas que coloque 12.000 satélites em órbita em 2025, o Falcon Heavy teria que fazer 17 lançamentos de 100 satélites por ano a partir de 2019. Se o Falcon 9 fizer isso trabalho, o ritmo deve ser insano, especialmente se lembrarmos que o Falcon 9 tem muitas outras missões para completar. Um serviço global de acesso à Internet seria uma grande fonte de renda para permitir o desenvolvimento do BFR e, claro, para financiar as ambições marcianas da empresa.

Com a Starlink, a SpaceX poderia atingir bilhões de clientes e acumular somas colossais, o que daria muito mais credibilidade a um projeto de assentamento marciano. Mas não acredite que a concorrência não faça nada. A OneWeb é outra empresa que quer oferecer acesso à internet via satélite. Ele fez o pedido para colocar em órbita de 2000 satélites adicionais. Isso é uma adição à constelação de 720 que a empresa já havia planejado. Os primeiros 10 satélites da OneWeb devem ser lançados por um foguete Soyuz este ano. A empresa tem diferentes opções de lançamento: Soyuz, Ariane 6, New Glenn e até mesmo foguetes Virgin Galactic. O Falcon Heavy poderia ser um foguete muito mais importante e perene que se pode acreditar, mas para isso terá que observar seu ritmo de lançamento porque já é necessário que consiga realizar os dois vôos adicionais planejados a partir deste ano.

SpaceX registra marca Starlink para sua constelação de satélites

– Notícias de 26 de setembro de 2017 –

Além de seus projetos marcianos e lançamentos comerciais, a SpaceX também quer se tornar um provedor de serviços de internet via satélite. Para conseguir isso, a empresa americana quer colocar em órbita mais de 4.000 satélites com seus lançadores Falcon 9 e Falcon Heavy. Há cerca de um mês, a SpaceX registrou a marca Starlink, que deveria ser o nome desse serviço. Os lançamentos estão programados para começar em 2019. Inicialmente, a empresa implantaria 600 satélites em órbita baixa. Isso resultaria em uma velocidade de conexão semelhante à fibra óptica para os usuários. Mas mesmo com foguetes reutilizáveis, pode levar muito tempo e custar muito dinheiro.

Eles não são satélites de cinco ou seis toneladas na constelação Starlink. Os satélites da constelação Starlink pesariam 385 kg e seriam lançados em grupos de 50. Um primeiro grupo de 800 satélites poderia estar operacional em apenas 16 lançamentos. O custo total do projeto se aproximaria de US $ 10 bilhões. Se a SpaceX conseguir realizar esse projeto e atrair muitos usuários em todo o mundo, a empresa terá um ganho financeiro real que poderia financiar seus projetos marcianos. Mas a SpaceX está longe de ser a única empresa a se interessar em oferecer um novo acesso à Internet por via aérea. O Google, por exemplo, também gostaria de oferecer acesso global à Internet, através de balões atmosféricos. A OneWeb também quer oferecer uma internet global graças a uma constelação de 650 satélites. A OneWeb já reservou 21 lançamentos da Soyuz via Arianespace.

Para colocar sua constelação de satélites em órbita, a SpaceX também terá que encontrar investidores porque é improvável que a empresa possa arcar sozinha com o custo de fabricar milhares de satélites e dezenas de lançamentos para alcançar. Se se tornar uma realidade, a internet via satélite global introduzirá uma nova tecnologia espacial em todas as casas do planeta, de uma maneira ainda mais óbvia que o GPS. A próxima década será uma dupla revolução do espaço e da internet.

Image by Mark Handley/UCL

Fontes

Você também deve estar interessado