O Telescópio Satélite de Pesquisa de Exoplaneta em Transição (TESS)

O telescópio espacial TESS inicia suas observações

– Notícias de 31 de julho de 2018 –

TESS, o pequeno observatório da NASA, acaba de iniciar suas observações. Em abril passado, a TESS foi lançada por um foguete SpaceX Falcon 9. Após uma manobra de assistência gravitacional em torno da Lua, o observatório espacial colocou-se em órbita elíptica em torno da Terra, nunca antes utilizada. É uma órbita que ressoa em 1 com o nosso satélite. É muito estável e a NASA acredita que a TESS poderá continuar sua missão por 20 anos.

A TESS irá substituir o Kepler pouco a pouco. Sua missão será a mesma: descobrir os exoplanetas nas proximidades da Terra através do método dos trânsitos. Para cumprir sua missão, o telescópio embarcou em quatro câmeras com um grande campo de visão, encarregado de detectar a pequena queda na luminosidade sinalizando o trânsito de um planeta em frente à sua estrela. A NASA comunicou que a TESS iniciará suas observações dois meses após seu lançamento. O pequeno telescópio está atrasado em mais de um mês, mas está em excelente estado, é o principal. Ao contrário do Kepler, o TESS não focará em uma região específica. Durante os dois anos de sua missão principal, deve cobrir 85% do céu, o que provavelmente levará à descoberta de milhares de exoplanetas.

Por enquanto, a TESS se concentra em uma região visível do hemisfério sul. O satélite nos dará seus primeiros dados em 8 de agosto. A TESS se concentrará principalmente em pequenas estrelas, anãs amarelas e anãs vermelhas. Suas câmeras vão investigar meio milhão deles. Entre estes, as anãs vermelhas mais próximas do nosso sistema solar serão examinadas com grande cuidado. As quatro câmeras TESS tiram fotos a cada dois segundos. Isso é muito dados para poder transmitir tudo para a Terra. A nave espacial comunica apenas a cada 14 dias com o nosso planeta. Quando passa ao ponto mais baixo de sua órbita, as imagens coletadas serão recombinadas em períodos de dois minutos cada, antes de serem enviadas para as estações terrestres.

Embora o TESS observe quase toda a esfera celeste, duas regiões próximas aos pólos eclíticos receberão atenção especial. Eles serão cobertos 351 dias por ano, quase continuamente. Essa configuração foi escolhida porque essas duas regiões também serão as mais facilmente observadas pelo Telescópio Espacial James Webb. Se a TESS fizer descobertas interessantes, a coleta de informações adicionais será possível graças ao Telescópio Espacial James Webb.

O telescópio TESS está no espaço

– Notícias de 18 de abril de 2018 –

Lançamento do Observatório Espacial Tess por um foguete Falcon 9. Após um atraso inicial de 48 horas, as várias fases do vôo transcorreram perfeitamente. Agora, levará algumas semanas para iniciar sua missão operacional. Como lembrete, o pequeno telescópio de 350kg tem que descobrir exoplanetas perto da terra graças ao método dos trânsitos.
Apesar do tamanho modesto e do orçamento de Tess, espera-se uma colheita de vários milhares de novos mundos e pode ser, entre eles, os primeiros verdadeiros exoterres.
Por esta razão, os planetas mais promissores descobertos por Tess estarão sujeitos a observações adicionais por ferramentas mais capazes, como o Telescópio Espacial James Webb.

O lançamento do telescópio TESS é adiado

– Notícias de 17 de abril de 2018 –

O lançamento do telescópio NASA TESS foi realizado ontem, mas levará outras 48 horas por causa dos controles adicionais do foguete Falcon 9 que lançará o telescópio. Para ser capaz de detectar exoplanetas, o telescópio TESS será colocado em uma órbita bastante incomum, com um apogeu de 400.000 quilômetros. A SpaceX nunca colocou uma carga útil nessa órbita. A empresa americana parece precisar desse atraso para garantir o bom andamento da missão. A SpaceX fará um novo teste na quarta-feira.

TESS em breve procurará exoplanetas

– Notícias de 20 de fevereiro de 2018 –

A chegada do telescópio espacial James Webb não deve obscurecer outras missões menos impressionantes, mas igualmente promissoras. Este é, por exemplo, o caso do TESS, um observatório espacial a ser lançado pela NASA em março. A TESS pesa 350 kg e seu custo de desenvolvimento é de US $ 75 milhões. Uma missão importante é confiada a ela. Como muitos instrumentos astronômicos que entram em serviço nos últimos anos, a TESS se concentrará nos exoplanetas, especialmente nos exoplanetas próximos à Terra. Para fazer suas observações, o telescópio utilizará o método dos trânsitos. Ele detectará as gotas no brilho das estrelas devido à passagem de um planeta. Em particular, a TESS irá procurar por planetas terrestres orbitando estrelas semelhantes ao nosso sol. Ele irá observar 500 anãs amarelas e laranjas, e também as anãs vermelhas mais próximas da Terra, dentro de um raio de 100 anos-luz.

A TESS só será capaz de detectar planetas com um curto período orbital. Cada estrela será observada pelo telescópio durante um período de 72 dias, com um instantâneo a cada 96 minutos. Como devemos ser capazes de observar pelo menos duas passagens para validar a existência de um exoplaneta, somente os planetas cuja revolução dura alguns dias podem ser confirmados. O objetivo principal é selecionar alvos de observação para James Webb, que terá um tempo de observação limitado de cerca de dez anos. As observações preliminares da TESS garantirão, portanto, que o enorme espelho de James Webb seja usado de forma otimizada. O telescópio espacial TESS será lançado por um Falcon 9. Esta é a primeira missão científica para o foguete SpaceX. A NASA acaba de certificar o Falcon 9 para missões científicas, mas ainda não sabemos se essa primeira missão será seguida por outras colaborações.

Mas a órbita baixa é apenas o começo da aventura para o TESS porque o pequeno telescópio será colocado em uma órbita muito específica chamada P2. Para isso, a TESS realizará uma manobra de assistência gravitacional sobrevoando a lua. Sua órbita final, muito estável, a aproximará da Terra a cada duas semanas para poder transmitir seus dados. O TESS não é o único pequeno observatório para o exoplaneta que será colocado em órbita este ano. A ESA vai lançar o seu telescópio espacial, que pesará 280 kg e tentará caracterizar alguns exoplanetas já conhecidos. Ele tentará determinar o tamanho, a massa e, se possível, a composição atmosférica de alguns exoplanetas já selecionados.

Imagem da NASA (http://tess.gsfc.nasa.gov/documents/TESS-Litho.pdf) [domínio público], via Wikimedia Commons

Fontes

Fique ligado ao espaço

space shop

Você também deve estar interessado