Tudo sobre planetas errantes e notícias

Um objeto espacial enorme foi nomeado um planeta errante

– Notícias de 14 de agosto de 2018 –

Vários planetas errantes já foram descobertos desde o início dos anos 2000. Estes seriam objetos muito comuns no universo. Alguns pesquisadores até acham que há mais planetas errantes do que estrelas em nossa galáxia. Uma equipe universitária americana fez uma grande descoberta. Eles estavam interessados ​​em um objeto descoberto em 2016, chamado “SIMP J01365663 + 0933473”. Pensou-se até então que era uma anã marrom. Novas medições tornaram possível chamá-lo de planeta, um enorme planeta 12,7 vezes a massa de Júpiter.

Este objeto evolui a 20 anos-luz do sol. Embora não seja grande o suficiente para fundir o deutério como uma anã marrom, este planeta ainda é muito quente. Sua temperatura superficial é estimada em 8125 graus Celsius. Este é o calor residual de sua criação. “SIMP J01365663 + 0933473” é de fato um planeta jovem. Sua idade é estimada em 200 milhões de anos. Seu campo magnético é quatro vezes mais intenso que o da Terra. Até mesmo o campo magnético de Júpiter parece fraco comparado a este campo magnético. Isso gera auroras incrivelmente intensas. As partículas na origem dessas auroras vêm de uma fonte diferente dos ventos solares. Eles podem ser o sinal “SIMP J01365663 + 0933473” abriga uma ou mais luas.

Esta é a primeira vez que o campo magnético de um planeta extra-solar pode ser medido. Embora conheçamos esse planeta desde 2016, a equipe que realizou essas medições conseguiu detectá-lo independentemente das ondas de rádio geradas por essas auroras. Poderia ser uma nova maneira de detectar e caracterizar exoplanetas, sejam eles planetas errantes ou não. Por enquanto, apenas objetos com um campo magnético particularmente forte têm a chance de serem descobertos com este processo. Mas talvez com o progresso dos métodos de detecção possamos detectar o campo magnético dos planetas telúricos. O campo magnético da Terra é fundamental para preservar a vida. Uma indicação da presença de campos magnéticos nos ajudaria a redefinir o potencial de habitabilidade dos exoplanetas observados.

Saiba mais sobre planetas errantes

Planeta que não orbita em torno de nenhuma estrela e caminha sozinho na escuridão do espaço. A existência desses objetos sugere que a formação de estrelas dá origem a muitos protoplanetas, talvez várias dezenas. Durante a festa de bilhar, parte desses planetas são ejetados para se tornarem planetas errantes. A outra parte se junta em colisão para dar à luz planetas mais maciços e suas luas.

Podemos então nos perguntar o que está acontecendo com nosso sistema solar. Logicamente, ele também deve ter sido muito mais povoado no passado. Podemos esperar encontrar vestígios dos nossos antigos vizinhos? Quanto aos planetas que saíram na estrada, parece complicado. Esses objetos não emitem luz, possuem poucas radiações e possuem um campo gravitacional bastante fraco. Já foi vagando detectar alguns planetas mas levaria uma tigela grande sucesso para que ele caia em um planeta nativo do sistema solar. A isto deve ser acrescentada uma dificuldade de tamanho: poderíamos observar uma sem saber que ela vem do nosso sistema solar. Os planetas que desapareceram devido a colisões nos oferecem melhor esperança. Uma equipe da Escola Politécnica Federal

Lausanne até pensa ter conseguido um deles finalmente o que restou dele. São os meteoritos que podem nos contar essa história. A equipe suíça trabalhou em um deles que caiu no deserto da Núbia, no Sudão. Este meteorito é cravejado com pequenos diamantes que variam em tamanho de algumas dezenas a algumas centenas de microns. Ela faz parte de uma família chamada ureilites, com propriedades semelhantes.

Até agora pensava-se que os diamantes veio colisões ureilite entre asteróides, mas em examinar o meteorito do deserto núbio parece emergir uma história diferente. A

Com a ajuda de feixes de elétrons, pesquisadores suíços descobriram pequenas partículas de ferro e enxofre presas em diamantes. Nós descobrimos que estas partículas em diamantes que foram formados por uma pressão contínua no tempo maior do que 20 giga Pascale que não adere de todo com o pressuposto da colisão. O cenário pode melhor explicar a presença dessas nanopartículas de ferro e enxofre e os diamantes foram formados nas profundezas de um planeta, único lugar condições de pressão contínuas seria suficiente. Como as profundezas deste planeta terminaram em um meteorito, duvidamos que sua história deva ter sido

ser violento. A equipe de pesquisadores suíços acreditam que ela era um tamanho entre o de Mercúrio e a de Marte, talvez um tijolo que foi utilizado para a formação da Terra.
Vamos agora analisar outros meteoritos dos Ureilites família para ver se a história talvez seja confirmada até podemos origens de vários corpos diferentes identificados. Com a missão psique vai visitar um asteróide suspeito de ser o núcleo de uma protoplanet féreux ainda seremos capazes de aprender mais sobre estas estrelas desaparecidas que uma vez povoadas do sistema solar.

Receber notícias sobre exploração espacial e turismo espacial por email

Subscreva a newsletter para se manter ligado às novidades do turismo espacial! Preencha seu endereço de e-mail, escolha seu idioma e clique em "OK". Você receberá um email de confirmação, clique em para confirmar sua assinatura. Você está livre para cancelar a inscrição a qualquer momento.