Tudo sobre satélites espiões e notícias

spy satellites

O Ministro dos Exércitos Franceses evoca uma verdadeira guerra orbital

– Notícias de 11 de setembro de 2018 –

Alguns meses atrás, vários generais do exército francês haviam expressado sua preocupação com satélites inspetores, naves espaciais capazes de realizar manobras de encontro orbitais para inspecionar, escutar e talvez até atrapalhar o funcionamento dos satélites militares. Essas preocupações são novamente relevantes. Em 7 de setembro, o ministro das Forças Armadas francesas deu alguns detalhes sobre um incidente desse tipo ocorrido no ano passado. Uma espaçonave se aproximou tão perto de um satélite francês que podemos pensar que ele estava tentando capturar suas comunicações. O satélite franco-italiano Athena-Fidus foi abordado pelo satélite russo Luch-Olymp. A Athena-Fidus administra as telecomunicações para os exércitos francês e italiano. Luch-Olymp, por sua vez, foi lançado em órbita geoestacionária entre dois satélites da constelação Intelsat. Em seguida, abordou esses dois satélites sucessivamente, o que na época já gerava fortes críticas da Intelsat.

Alguns anos depois, o mesmo tipo de incidente ocorreu com um satélite militar europeu. Este não é um incidente isolado, porque durante vários anos alguns satélites russos foram regularmente denunciados pelas autoridades ocidentais por comportamento incomum. Destes, o Cosmos 2491, 2499, 2504 e 2519 são provavelmente os mais perturbadores. Cosmos 2491 e 2499 foram lançados sem serem declarados em 2013 e 2014. Oficialmente, são satélites de teste para propulsão iônica, mas mostraram manobrabilidade muito avançada. No ano passado, o Cosmos 2504 chegou a um quilômetro dos restos de um satélite chinês que havia sido destruído durante um teste de mísseis antissatélite. O Cosmos 2519 é provavelmente o mais intrigante dos quatro. Logo após o lançamento, ele se separou em três satélites. As três naves espaciais então tinham trajetórias de voo complexas, cruzando-se uma com a outra.

A Rússia lançou uma frota de satélites capazes de se aproximar de outras naves espaciais. Manobras de encontro orbital podem ser usadas para reparar um satélite com falha, mas também para interromper um satélite funcional ou destruí-lo. Mas não é só a Rússia que desenvolve esse tipo de satélite. Um satélite chinês lançado em 2013 também mostrou que pode se aproximar de outro satélite. Os americanos têm seus próprios satélites de inspetores e algumas pessoas se perguntam o que os shuttles X-37B realmente fazem em órbita.

Para a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, a guerra orbital já começou. A França e a Europa devem, portanto, preparar-se para isso. O ministro comunicou algumas pistas que poderiam fazer parte da estratégia espacial militar da França para os próximos anos. Os futuros satélites de telecomunicações de Siracusa poderiam, por exemplo, ser equipados com câmeras que não seriam apontadas para o solo, mas para o espaço circundante. Eles permitiriam, assim, inspecionar os satélites do inspetor. Idealmente, a França deveria ter seus próprios satélites de inspeção, o que deveria levar a esforços de pesquisa em miniaturização, robótica ou técnicas de encontros orbitais. O espaço tem sido usado para aplicações militares desde o início da era espacial, mas essas aplicações militares foram limitadas à observação da Terra. A Orbit, no entanto, está se tornando um campo de operação por si só, com conseqüências ainda difíceis de definir.

Imagem da USAF (Los Angeles AFB) [Domínio Público], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado