Artemis : SLS e trajes espaciais são notícia

moon

– Notícias de 22 de outubro de 2019 –

A NASA continua avançando nas soluções técnicas de seu programa Artemis. A Agência Espacial dos EUA acaba de autorizar a Boeing a expandir suas operações para a fabricação do SLS. Isso deve permitir que a NASA faça um pedido de dez lançadores na Boeing, provavelmente já em 2020. Isso apoiará a maior parte do programa Artemis durante a década de 2020.

A NASA também começou a trabalhar em trajes espaciais que serão usados pelos astronautas na Lua. Foi revelado o protótipo de um novo traje espacial chamado xEMU. Traz maior liberdade de movimento aos astronautas e carrega mais eletrônicos do que os trajes espaciais usados atualmente na estação espacial internacional.





Um CubeSat em órbita lunar para preparar o programa Artemis

– Notícias de 24 de setembro de 2019 –

À medida que 2020 se aproxima, os primeiros prazos de Artemis, o programa que trará os astronautas americanos de volta à Lua, começam a se aproximar. Sabemos que a agência espacial dos EUA quer montar uma estação espacial em órbita lunar, o LOP-G. Ele deve ser construído em uma órbita que nunca foi usada antes e que é chamada de NRHO. Essa órbita tem a particularidade de oferecer transferências da superfície da Terra para a Lua a um delta relativamente baixo V. Mas antes de enviar os primeiros módulos de sua estação espacial, a NASA deseja realizar um teste em pequena escala. É por isso que anunciou o financiamento da missão Capstone, um CubeSat de 12 unidades que será colocado na órbita programada para o LOP-G e executará uma série de testes.

O primeiro teste obviamente envolverá viajar e manter-se na estação em uma órbita da NRHO. O pequeno CubeSat tentará se encaixar da maneira mais econômica possível em termos de aceleração fornecida. Durante suas manobras, ele tentará determinar sua posição autonomamente. Para conseguir isso, o CubeSat medirá sua distância ao LRO, um satélite de observação lunar dos EUA lançado em 2009. Se esse método de navegação entre satélites funcionar, ele poderá ser usado durante as missões subseqüentes. Capstone também é um teste da capacidade das empresas americanas de trabalhar em um período muito curto.

A missão financiada há alguns dias deve decolar em dezembro de 2020. Todo o programa Artemis é projetado com prazos muito curtos. Se for impossível trazer um CubeSat à Lua em um ano, será muito difícil trazer homens para lá em 2024. A empresa Advanced Space localizada no Colorado ganhou o contrato de US $ 13 milhões. Também será um teste adicional das capacidades de um CubeSat para realizar missões além da órbita baixa. O Capstone pode decolar como carga secundária em um lançador de alta capacidade ou mobilizar um micro-lançador.

Para uma missão lunar, um CubeSat é bom, mas está longe de ser suficiente para trazer os seres humanos de volta à Lua. Com o passar dos meses, a data de 2024 estabelecida pelo presidente Trump aparece como uma meta cada vez mais difícil de cumprir. Kenneth Bowersox, diretor associado da NASA, disse que não estava disposto a apostar que a agência espacial dos EUA conseguiria isso. Na ausência de financiamento significativo e fortes compromissos de parceiros internacionais, pode ser necessário revisar essa ambição rapidamente. O primeiro voo do lançador do SLS e da nave espacial Orion poderia, portanto, ser deslocado em 2021, o que causaria logicamente um atraso de todo o programa Artemis.

NASA detalha a arquitetura da missão do programa Artemis

– Notícias de 23 de julho de 2019 –

Não passa uma semana sem novos detalhes e mudanças no programa Artemis. Em 19 de julho de 2019, a NASA divulgou um documento para seus parceiros do setor que oferece novas informações sobre como a NASA prevê um módulo lunar para suas missões tripuladas. Este é um dos elementos mais críticos para o programa Artemis. A agência espacial dos EUA já tem uma nave espacial capaz de levar os homens à órbita lunar, chamada Orion. Mas, para ir da órbita lunar à superfície da Lua, será necessário projetar um novo veículo espacial antes de 2024. Para conseguir isso, a NASA parece dividir o programa em dois estágios.

O lander para o primeiro passo seria uma versão básica, uma espécie de pré-desenvolvimento. Receberia apenas dois astronautas na superfície lunar. Ele permaneceria lá por seis dias e meio antes de voltar para o LOP-G, a estação espacial a ser montada em órbita lunar. Servirá como o centro de todo o encontro orbital da missão Artemis. A espaçonave Orion faria a viagem entre a superfície da Lua e o LOPG, lançada por um foguete SLS, enquanto a sonda faria a mesma jornada em um lançador comercial. Estas duas naves espaciais se ligariam ao LOP-G na órbita lunar para deixar a tripulação transitar de um veículo espacial para outro.

Uma vez que este primeiro estágio tenha sido completado, um segundo lander muito maior será lançado a partir de 2026. Ele poderá trazer quatro astronautas e um pouco mais de carga para a superfície da Lua. Ele seria projetado para missões de longa duração e, portanto, capaz de sobreviver às noites lunares muito frias.

Entre os muitos concorrentes para o desenvolvimento de um desses módulos, a NASA pensa em selecionar dois. Eles começariam a receber fundos significativos da Agência Espacial dos EUA com bastante rapidez. Não foram fornecidos números sobre o custo de desenvolvimento deste lander. O lançamento do programa Artemis para 2024 ainda parece irreal, mas é encorajador notar que, se a NASA conseguir mobilizar as dezenas de bilhões de dólares necessários para a aventura, já sabe como vai gastá-los.

Dois altos funcionários da NASA tiveram que deixar sua posição para acelerar Artemis

– Notícias de 16 de julho de 2019 –

Em 10 de julho, o administrador da NASA Jim Bridenstine anunciou a substituição de dois dos principais funcionários da Agência Espacial Americana: Bill Gerstenmaier encarregado do Human Spaceflight e Bill Hill, responsável pelo Desenvolvimento de Sistemas de Exploração, foram convidados a deixar o posto. Jim Bridenstine explicou mais tarde que essas mudanças organizacionais permitirão que a NASA se posicione melhor para cumprir os prazos do Artemis, o programa espacial americano que visa o retorno do homem à Lua em 2024.

Esta decisão está longe de alcançar a unanimidade. Artemis parecia já complicado em condições normais, agora também terá que encontrar e treinar funcionários de alto nível em tempo recorde. Aos 5 anos de uma primeira missão lunar, a arquitetura da missão Artemis ainda não está fixa. Um Administrador Associado da NASA disse em 11 de julho que as mudanças ainda podem ser esperadas conforme as negociações com os parceiros internacionais e industriais progridam.

A Maxar irá fabricar o módulo de propulsão do LOP-G

– Notícias de 28 de maio de 2019 –

Artemis é o novo nome do programa lunar da NASA. Espero que isso não lhes traga má sorte, porque na mitologia grega, Artemis acidentalmente mata Órion. Órion é o nome da espaçonave que deve servir como veículo para os astronautas entre a Terra e a Lua. Antes de chegar à superfície da Lua, a Agência Espacial dos EUA quer montar uma estação espacial em órbita da Lua, a LOP-G.

A partir de 2024, o LOP-G será um palco para a tripulação em sua viagem ao solo lunar. Sabemos que a NASA reduzirá o orçamento alocado para esta estação espacial. De fato, não é mais o destino da viagem, mas um simples passo. Enquanto um ano atrás nós falamos sobre quatro módulos, a versão atualmente estudada para o LOP-G tem apenas dois: um módulo de propulsão e potência, e um módulo de habitat. O primeiro desses módulos será lançado em três anos e a NASA acaba de anunciar quem ganhou a licitação para sua fabricação. A NASA escolheu a empresa Maxar, conhecida pelo design de satélites ou braços robóticos da Canadarm instalados em ônibus espaciais e na estação espacial internacional.

A Maxar propôs uma solução tecnológica sensata e especialmente mais barata que a dos seus concorrentes. Boeing, Sierra Nevada, Lockheed Martin e Northrop Grumman estimaram que foram necessários mais de meio bilhão de dólares para construir o módulo de propulsão e potência do LOP-G, chamado PPE. A Maxar acredita que pode fazer isso por apenas US $ 375 milhões. inclui fabricação, lançamento e teste do módulo espacial Se a NASA estiver satisfeita com o resultado, ele assumirá o controle deste módulo.

A NASA foi seduzida pelo fato de que a Maxar está pronta para começar a trabalhar imediatamente, enquanto as outras empresas pareciam querer negociar cada termo do contrato primeiro. Por uma vez, custos e prazos parecem ser uma prioridade para a NASA. A agência espacial dos EUA favorece a eficiência e o realismo, mas pode não ser suficiente retornar à Lua em 2024. No entanto, é uma atitude mais produtiva do que a que levou ao projeto do SLS. Vamos esperar que a escolha do módulo de pouso lunar e outros elementos da missão sejam selecionados com a mesma filosofia.

Nem todos os detalhes da arquitetura do módulo proposto pela Maxar são conhecidos, mas a empresa certamente contará com sua experiência na fabricação de satélites. As poucas ilustrações que foram relatadas mostram um PPE retangular. O módulo deve ser capaz de produzir pelo menos 60 kilowatts de energia elétrica graças aos seus painéis solares. A Maxar está acostumada a trabalhar em satélites de telecomunicações que exigem alta energia elétrica.

O módulo também impulsionará todo o LOP-G através de motores iônicos. Terá que ter um tanque de xenônio grande o suficiente para manter o LOP-G em órbita da Lua por pelo menos 15 anos. A empresa se uniu à Blue Origin para ajudar na certificação de voos tripulados. Esta reconciliação pode indicar que o PPE será lançado no foguete New Glenn. O foguete tem a capacidade de realizar essa missão.

O programa tripulado da NASA na Lua chama-se Artemis

– Notícias de 21 de maio de 2019 –

Na mitologia grega, Artemis é a irmã gêmea de Apolo. É agora o nome que a NASA deu ao seu programa lunar tripulado. Sabemos que a administração Trump está querendo 2024 para cumprir esse objetivo, mas também sabemos que será muito complicado. A NASA quer envolver seus parceiros privados o máximo possível. Onze empresas privadas acabam de ser selecionadas para realizar estudos sobre os conceitos de lander lunar, isto é, sobre os veículos que farão a ligação entre a órbita e a superfície da Lua.

Vários tipos de empresas oferecerão landers lunares na NASA

Das 11 empresas selecionadas, há obviamente Boeing, Lockheed-Martin e Aerojet Rocketdyne. A Northrop-Grumman também é selecionada e tem uma vantagem porque, na época, Grumman fabricava os módulos lunares do programa Apollo. Entre as empresas mais novas, existe, por exemplo, a Dynetics, criada quando o programa Apollo já foi lançado.

As outras empresas selecionadas são as empresas New Space como a Blue Origin, a Masten Space Systems, a Sierra Nevada, a SpaceX e a Orbit Beyond, criada em 2018. A NASA solicita a essas empresas que forneçam estudos e até mesmo protótipos dentro de seis meses. O desenvolvimento deve ser feito em fundos próprios até 20%. A agência espacial dos EUA pagará o restante da conta. A NASA também enviará alguns de seus engenheiros para ajudar essas empresas.

Para alcançar suas ambições lunares, a NASA precisa de mais dinheiro

O módulo lunar, no entanto, é apenas parte do que precisa ser feito. A NASA vai precisar de muito dinheiro. A administração Trump irá, portanto, propor uma emenda ao orçamento para 2020 contendo US $ 1,6 bilhão adicionais para a NASA. A agência espacial dos EUA parece pronta para reduzir o orçamento alocado ao LOP-G. As ambições desta estação espacial na órbita lunar são, portanto, muito reduzidas.

A exploração robótica da lua está no coração do programa lunar da NASA

A NASA aumenta suas ambições sobre a superfície lunar. Ele criou um roteiro até 2028 que dá pistas sobre os planos de longo prazo que estão sendo discutidos dentro da NASA. A primeira fase vai de 2019 a 2023. Ela favorece a exploração robótica. Além das duas primeiras missões da espaçonave Orion, robôs serão enviados para a superfície da Lua por lançadores comerciais.

A primeira missão tripulada aconteceria em 2024. Isso exigiria quatro lançamentos compartilhados entre o SLS e os lançadores privados. Esse tipo de missão seria renovado todos os anos até 2028, quando a agência espacial norte-americana começaria a montar uma base lunar. Em paralelo, os programas CLPS continuariam a intensa exploração robótica da Lua.

Os próximos meses serão decisivos para a viabilidade dos projetos lunares da NASA

A NASA é muito ambiciosa, mas terá que superar muitos obstáculos políticos, técnicos e organizacionais para tornar realidade um plano. Se o orçamento extra solicitado para 2020 não for aceito pelo Congresso dos EUA, será muito complicado para a NASA. Nas próximas semanas, vamos descobrir as propostas de lander de várias empresas selecionadas pela NASA. Espero que eles sejam tão interessantes quanto Blue Moon da Blue Origin. Também estamos esperando para ver quais consequências a aceleração americana terá nos aviões chineses. No momento, a China parece não querer acompanhar o ritmo dos Estados Unidos.

A NASA deve fazer escolhas cruciais para seu programa lunar

– Notícia de 30 de abril de 2019 –

A NASA quer voltar rapidamente para a lua. Algumas semanas atrás, a agência espacial americana disse que os astronautas norte-americanos voltarão à Lua em 2024, o que é uma meta muito ambiciosa. Parte do que é necessário para essa viagem já está em desenvolvimento. Por quase dez anos, o lançador SLS e a espaçonave Orion têm a capacidade de alcançar a órbita lunar e seu desenvolvimento está quase completo. No entanto, a NASA carece de um elemento crucial para realizar sua ambição lunar: um veículo capaz de fazer a conexão entre a órbita lunar e a superfície lunar, o equivalente ao LEM das missões Apollo.

Como em muitos de seus recentes desenvolvimentos, a NASA trabalhará em parceria com a indústria privada. Quer lançar um convite à apresentação de propostas e investir nas propostas mais relevantes. Parece que esta proposta será modificada. Logo após o discurso de Mike Pence anunciando um retorno à Lua em cinco anos, a NASA anunciou que apenas o módulo de descida na Lua seria desenvolvido por uma empresa privada. Queria cuidar do módulo de elevação para a própria órbita lunar. A agência espacial dos EUA, no entanto, mudou de idéia e agora está procurando uma empresa privada capaz de desenvolver uma solução completa.

Para uma chance de enviar astronautas para a Lua em 2024, deve ir muito rapidamente. A NASA lançará o edital antes do final de maio. Além disso, sabemos que a NASA quer fazer tudo para acelerar o desenvolvimento do SLS para fazer seu primeiro vôo em meados do ano de 2020. Mas o lançador gigante ainda não está pronto. Precisa realizar uma série de testes que garantam a segurança de seus passageiros. Um desses testes diz respeito ao estágio central do foguete. Seus quatro motores RS-25 devem estar ligados por oito minutos para simular uma missão real. Mas sabemos que para não se atrasar, a NASA pensou em remover esse teste, o que economizaria alguns meses no progresso do projeto.

Esta solução não é unânime, no entanto. Os especialistas recomendaram apenas para não cancelar este teste. A NASA tem uma escolha difícil de fazer. Ou ele concorda em assumir um risco considerável ao voar com seu lançador após testes mínimos, ou concorda em mudar o lançamento do SLS. Uma terceira opção foi brevemente mencionada, para fazer o primeiro vôo de Orion em um lançador comercial. Mas por razões políticas e industriais, esta opção não foi escolhida.

Os Estados Unidos querem enviar homens de volta à Lua em 2024

– Notícias de 2 de abril de 2019 –

No final de março de 2019, Mike Pence, o vice-presidente dos Estados Unidos, fez uma declaração incrível em uma conferência. Ele anunciou que a administração dos EUA quer trazer os homens de volta à Lua em 2024, sugerindo uma aceleração fenomenal do programa lunar dos EUA. Até agora, a NASA estava apontando para 2028 e já era muito ambicioso. O anúncio de Mike Pence é difícil de acreditar. Com os 50 anos de primeiros passos do homem na Lua e a próxima campanha presidencial de 2020, é mais como comunicação.

O vice-presidente dos EUA, no entanto, forneceu algumas indicações sobre como tal agenda poderia ser realizada. O papel do SLS na estratégia lunar americana deve ser mantido. No entanto, a NASA deve acelerar o cronograma de desenvolvimento deste lançador super pesado. A data de seu primeiro voo foi anunciada em 2021, o que levou Jim Bridenstine a considerar o primeiro vôo da cápsula de Orion em um lançador privado. Mike Pence reafirma o apoio da administração Trump ao novo lançador gigante da NASA.

A agência espacial norte-americana e a Boeing devem, portanto, fazer o máximo para manter um primeiro lançamento em 2020. Para conseguir isso, alguns testes podem ser cancelados, o que economizaria alguns meses de desenvolvimento. Para esperar manter o compromisso assumido por Mike Pence, a NASA terá que correr riscos e gastar muito dinheiro. Mas Mike Pence não disse se o orçamento da NASA seria adaptado à escala do projeto. O orçamento da NASA é alto, mas a agência espacial dos EUA tem muitas outras missões a serem seguidas. Provavelmente dependerá muito da concorrência que a China representa.

Mike Pence disse que os Estados Unidos consideram o Polo Sul da Lua como um local estratégico. Sabemos que a China também está muito interessada no Pólo Sul da Lua. A rivalidade entre os dois países é visível no orçamento que os Estados Unidos atribuem às suas atividades espaciais para o ano de 2020. Os militares dos EUA aumentaram assim o orçamento dedicado ao espaço em 20%. Mais de US $ 14 bilhões são dedicados a satélites militares, lançadores estratégicos e outros projetos, como o drone X-37B.

Se a Lua se tornar alvo de rivalidade estratégica, podemos pensar que o congresso americano aumenta o orçamento da NASA na mesma medida, tornando as declarações de Mike Pence um pouco mais realistas. Para retornar à Lua em 5 anos, também será necessário usar designs já avançados. Parece complicado desenvolver novos lançadores e veículos espaciais o mais rápido possível. Esta é provavelmente a oportunidade para a indústria privada americana ser financiada pela NASA para seus projetos mais ambiciosos. Pensamos nos veículos Blue Moon da Blue Origin, ou mesmo na Starship da SpaceX.

Até o final do ano, saberemos mais sobre a viabilidade dessa ambição lunar. Para ter uma chance de sucesso, a NASA deve começar a trabalhar rapidamente. O design de um novo módulo lunar, o lançamento da construção dos módulos LOP-G e a aceleração dos testes SLS tornam-se uma prioridade.

NASA quer voltar para a lua em 2019, o que parece impossível

– Notícias de 26 de fevereiro de 2019 –

A nova estratégia da NASA é permitir que companhias privadas cuidem da jornada para a lua. A agência espacial dos EUA, portanto, mandatou nove empresas privadas para projetar as plataformas lunares. A NASA vai comprá-los e fornecer-lhes cargas úteis científicas. A Agência Espacial dos EUA acaba de comunicar os primeiros instrumentos científicos que quer enviar para a Lua dentro do programa CLPS, já em 2019, se possível.

Entre esses instrumentos científicos, há experimentos sobre o estudo do ambiente lunar e demonstradores tecnológicos. Instrumentos científicos incluem, por exemplo, câmeras, espectrômetros e experimentos de rádio. Instrumentos tecnológicos incluem, por exemplo, um farol de rastreamento, um painel solar projetado especificamente para condições lunares, um LIDAR de navegação e instrumentos para monitorar a descida e aterrissagem de espaçonaves.

Um primeiro lançamento em 2019 parece muito ambicioso. Até as empresas encarregadas de fabricar os terminais lunares parecem querer acalmar a NASA. A Astrobotic, um dos participantes do CLPS, confirmou que seu módulo lunar Peregrine não estará pronto antes de 2021. A Moon Express acredita que pode estar pronta para ser lançada em 2020. É uma das empresas mais avançadas do programa CLPS.

Parece que a NASA não lançará sua primeira missão à Lua pelo 50º aniversário dos primeiros passos do Homem na Lua. Israelenses, indianos e chineses continuarão a monopolizar a mídia até o lançamento do programa CLPS.

NASA quer acelerar o retorno do homem à lua

– Notícias de 18 de fevereiro de 2019 –

Em 14 de fevereiro de 2019, Jim Bridenstine afirmou seu desejo de enviar homens rapidamente para a lua. O administrador da NASA quer que os homens fiquem na Lua e que isso aconteça rapidamente. A agência espacial dos EUA sempre teve o objetivo de lançar uma missão para a Lua este ano. A viagem será comprada de uma das empresas privadas participantes do programa CLPS. A Nasa disse que não hesitará em pagar caro pela empresa que pode acompanhá-la no apertado cronograma da Nasa. Isso deve fornecer motivação adicional para a Moon Express, a Firefly Aerospace e outras empresas participantes do programa.

Em paralelo, a NASA está desenvolvendo duas cargas científicas que voarão a bordo das primeiras missões lunares. Aparentemente, são do programa Resource Prospector, uma missão da Agência Espacial dos EUA que foi cancelada em 2018. O esforço será focado na localização de recursos lunares, porque a NASA quer enviar homens rapidamente de volta à Lua.

O LOP-G é uma estação espacial que deve ser montada em órbita lunar. A NASA está agora começando a trabalhar com seus parceiros nas operações humanas que ocorrerão na superfície da Lua. Uma arquitetura lunar básica foi apresentada. Ele gira em torno de três elementos. A partir do LOP-G, um módulo de transferência deve viajar entre a órbita da estação espacial e a órbita lunar baixa. Este módulo de transferência que pesará 25 toneladas deve ser reutilizável várias vezes.

Um módulo de descida de 12 toneladas deve então pousar na superfície lunar. Deve permitir que quatro pessoas sejam transportadas para a superfície da Lua. O módulo de elevação une os módulos de transferência em baixa órbita. Então, o módulo de transferência retorna ao LOP-G e a nave espacial Orion faz a viagem para a Terra.

Como a maioria desses elementos será reutilizável, a NASA está estudando um módulo de reabastecimento capaz de levar 10 toneladas de propelente ao LOP-G. Como o programa CLPS, a agência espacial dos EUA quer permitir que seus parceiros privados cuidem do desenvolvimento de todos esses veículos espaciais. Este desenvolvimento deve ser feito com 20% de equidade, a NASA vai cuidar do resto da conta.

A boa notícia é que o orçamento da NASA está em 2019. É ainda maior do que o esperado: US $ 21,5 bilhões. Isso permite que envelopes generosos sejam alocados ao SLS, à espaçonave Orion e ao LOP-G. As empresas que desejam fabricar um dos elementos da nova arquitetura da missão lunar podem enviar suas ofertas à NASA até o dia 25 de março de 2019.

Em maio, a NASA selecionará seis a oito candidatos preliminares para a fabricação de módulos de transferência, descida e elevação. Eles terão um orçamento inicial de até US $ 9 milhões para realizar um estudo conceitual. Então, apenas um ou dois candidatos serão selecionados. Eles então terão cheques no valor de centenas de milhões de dólares para colocar seu projeto em movimento.

NASA lunar exploration program

O Lunar Reconnaissance Orbiter ocupa um lugar importante no programa americano de exploração lunar

– Notícias de 11 de dezembro de 2018 –

A NASA está focada em seus novos planos lunares. Mobiliza recursos que podem estar prontos muito rapidamente. O programa Commercial Lunar Payload Services (CLPS) terá que ser capaz de enviar as primeiras cargas dos EUA no próximo ano. Neste novo esforço lunar, a NASA se beneficia do trabalho feito no programa lunar norte-americano anterior, chamado Constellation, que não teve sucesso. Este programa lançou as bases para o lançador SLS e a nave Orion, pouco antes de ser cancelado pela administração Obama. A constelação também enviou um orbitador lunar chamado LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter), que ainda está ativo e deve ter propelente suficiente até meados da próxima década.

A LRO foi colocada em órbita lunar em 2009. A missão da sonda era identificar os recursos e locais de pouso para o restante do programa Constellation. Uma década e duas mudanças no programa mais tarde, essa missão se torna relevante novamente. A NASA investiu meio bilhão de dólares na missão. A agência espacial dos EUA agora poderá tirar proveito dos mapas 3D e de alta resolução que o orbitador criou. A NASA quer usar o LRO para monitorar os desembarques lunares de suas novas cargas úteis.

Sob o programa CLPS, nove empresas estão competindo para depositar as cargas da NASA na Lua. As equipes que trabalham nesses projetos começaram a colaborar com as equipes de LRO. O objetivo é sincronizar as aterrissagens de seu lander com um sobrevoo da espaçonave.

A Nasa também quer fornecer à comunidade internacional as capacidades do Lunar Reconnaissance Orbiter no próximo ano, já que pelo menos três missões à Lua estão planejadas. Uma organização israelense que participou do Google Lunar X Prize deve tentar pousar um lander em fevereiro de 2019. A agência espacial indiana (ISRO) também lançará a missão Chandrayaan-2, que inclui um orbitador, um lander e um rover. O Chandrayaan-2 também está programado para o começo do próximo ano. A terceira missão programada é a Chang’e 5, a missão lunar da China. Nesse lado, as coisas são um pouco mais complicadas. A NASA reclama da falta de comunicação da Agência Espacial Chinesa (CNSA) e as colaborações entre as duas organizações são, de qualquer modo, proibidas pela lei dos EUA.

A NASA selecionou parceiros privados para seu programa lunar

– Notícias de 4 de dezembro de 2018 –

A NASA ainda está no começo de seu novo programa lunar. No entanto, sabemos que a agência espacial dos EUA quer envolver a indústria privada e o New Space. Em 29 de novembro, a NASA anunciou a identidade das nove empresas que poderão competir no âmbito do programa Commercial Lunar Payload Services (CLPS). Este programa deve ser capaz de colocar cargas úteis na superfície da Lua. A Nasa será apenas o cliente de empresas privadas, que devem desenvolver seus próprios veículos para alcançar a superfície lunar.

Na lista das nove empresas selecionadas, há alguns nomes bem conhecidos e outros muito menos conhecidos. Lockheed Martin e Draper estão acostumados a contratos da NASA desde a época da corrida lunar. Martin foi um dos dois finalistas para a construção do módulo de controle Apollo, mas a empresa acabou sendo malsucedida. Draper projetou os sistemas de controle e navegação que permitiram que a NASA colocasse os homens na lua. A Lockheed Martin proporá um módulo de pouso lunar chamado McCandless, diretamente inspirado pela arquitetura do InSight que acaba de aterrissar no planeta Marte. Fornecerá eletricidade, comunicação e regulação térmica para uma carga útil de até 100 kg. O módulo de aterragem de Draper chama-se Artemis 7 porque os instrumentos desenvolvidos por Draper já aterraram seis vezes na Lua. Será construído em colaboração com as indústrias General Atomics, ispace e Spaceflight.

As outras sete empresas selecionadas fazem parte do setor New Space. Eles foram criados depois do ano 2000. Alguns deles têm um ou dois anos de idade. Por exemplo, o ORBITBeyond foi criado em 2018. A empresa retomará o trabalho da Team Hindus, uma empresa indiana que concorreu no Google Lunar X Prize. A Astrobotic Systems e a Moon Express também vêm da mesma competição. Essas duas empresas têm a vantagem de trabalhar em pequenos landers há vários anos. A Moon Express poderia tentar uma primeira missão lunar em um ou dois anos.

A presença da Firefly Aerospace na lista da NASA é talvez a mais surpreendente, porque a empresa é mais conhecida por desenvolver foguetes do que por landers. Além disso, a Firefly Aerospace faliu em 2017 antes de ser renomeada. Mas a empresa parece estar trabalhando em uma sonda lunar. Tem a vantagem de poder propor uma arquitetura completa composta por um foguete e um lander lunar. Todos os outros participantes do programa terão que encontrar seu lançador.

A lista da NASA é complementada por Deep Space Systems, Intuitive Machines e Masten Space Systems, que introduziu conceitos de landers lunares. Esta primeira seleção da NASA ainda é vaga sobre as datas e o número de missões que serão concedidas a cada empresa. Sabemos apenas que o orçamento do programa não excederá US $ 2,6 bilhões em 10 anos. Mas isso pode evoluir muito rapidamente. A NASA pode validar a primeira dessas missões para o lançamento no próximo ano. A Agência Espacial dos EUA está procurando por cargas úteis que possam ser rapidamente integradas nessas bases. Imaginamos que as primeiras missões serão relativamente modestas com um aumento gradual.

NASA continua a detalhar seu programa lunar, ainda muito criticado

– Notícias de 20 de novembro de 2018 –

A Nasa diz que planeja voltar à lua. Quinta-feira passada, em uma reunião do Conselho Nacional do Espaço, funcionários da NASA e do governo dos EUA discutiram suas opções para avançar nessa direção. Esta é a oportunidade de conhecer melhor os diferentes objetivos lunares estabelecidos pelos Estados Unidos da América. Além de sua estação espacial na órbita da Lua, a NASA gostaria de conduzir várias missões à superfície da Lua.

A agência espacial norte-americana quer explorar o formato CubeSat para avançar na exploração lunar. Esta missão lunar baseada nestas minúsculas naves espaciais poderia assim acontecer nos próximos dez anos. Durante o mesmo período, a NASA quer enviar 10 landers de luz na superfície da Lua, como parte de seu programa de colaboração com parceiros privados. Os primeiros contratos devem chegar no próximo mês. Dois landers mais pesados, incluindo um rover, completam a fase de exploração robótica. Estas missões irão melhorar a precisão dos pousos na Lua, testar as técnicas de exploração dos recursos lunares ou avaliar o potencial da energia nuclear para a exploração da Lua. Esta pode ser uma oportunidade para testar o reator de fissão Kilopower.

Voo tripulado ocupa muito do plano da NASA, começando com as duas primeiras missões de exploração lunar da nave espacial Orion. Orion deve trazer uma tripulação para uma missão de sobrevoo da Lua. Em 2028, a NASA também quer completar a estação LOP-G na órbita lunar. A agência espacial norte-americana planeja uma década para trazer os homens à superfície da Lua, de modo que passaria por um módulo de descida que deveria estar pronto em 2024, e um módulo de elevação reutilizável. Um veículo de transferência reutilizável seria responsável pelo transporte entre o LOP-G e a órbita baixa da Lua.

A NASA afirma ser capaz de atingir esse plano lunar dentro dos limites de seu orçamento atual. Isso não impediu críticas duras de algumas das personalidades presentes na reunião. Harrison Schmitt e Buzz Aldrin, dois ex-astronautas da Apollo, dizem que o programa carece de ambição. Para eles, 2028 é tarde demais para trazer os homens de volta à lua. Buzz Aldrin também parece particularmente contrário ao LOP-G, que ele considera um desperdício de tempo que não traz muito para o objetivo final. Michael Douglas Griffin, um ex-administrador da NASA, foi um passo além ao chamar o LOP-G de uma arquitetura estúpida. Griffin também acredita que, mesmo que no momento a China esteja demorando, provavelmente seria capaz de levar os homens à Lua desenvolvendo um programa durante seis ou sete anos. Para Griffin, se os Estados Unidos da América quiserem manter sua liderança, devem ser mais simples e mais diretos. Isso significaria o abandono do projeto LOP-G.

Além disso, a agência espacial canadense anunciou recentemente que ainda não decidiu se participa do LOP-G. A Nasa também deve enfrentar a perspectiva de um corte orçamentário em 2020. Pode ter que cortar até um bilhão de dólares a partir de seu orçamento, o que levaria à arbitragem entre seus vários programas. Os planos lunares da NASA ainda estão longe de seduzir a todos, nos Estados Unidos da América e em outros lugares. A parte de exploração robótica da Lua deve começar sem muita dificuldade. Saberemos em poucas semanas a identidade das empresas selecionadas para depositar cargas úteis na superfície da Lua. 31 empresas responderam ao concurso.

NASA começa seleção de cargas que serão levadas para a Lua

– Notícias de 23 de outubro de 2018 –

O plano da NASA para seu retorno lunar é dividido em dois. Por um lado, a Agência Espacial dos EUA está fazendo um grande esforço para criar uma estação espacial habitada na órbita cislunariana, a LOP-G. Por outro lado, ele quer conduzir uma nova exploração robótica da superfície da Lua. Esta iniciativa poderia preparar o retorno do Homem ao solo lunar. A parte robótica deste plano será confiada em grande parte a empresas privadas. A Nasa informou que quer comprar voos para a Lua através da contratação de parceiros privados nos próximos meses. Estes vôos poderiam começar a partir de 2020. A Moon Express, a Blue Origin e outras empresas poderiam rapidamente levar as cargas da NASA para a lua.

A Nasa lançou um novo concurso para cargas úteis em 18 de outubro. O objetivo é desenvolver de 8 a 12 experimentos que possam embarcar no primeiro módulo lunar. Neste documento, distinguimos duas ambições principais. O retorno da NASA à superfície da Lua será primeiramente uma oportunidade de fazer ciência, não apenas para estudar a Lua, mas também para estudar a Terra e o Sol a partir da Lua. A agência espacial dos EUA parece particularmente interessada na forma como o calor se espalha na crosta lunar, ou os efeitos dos ventos solares e da poeira na superfície da lua. A outra ambição da NASA é usar esses experimentos para testar as tecnologias necessárias para o retorno dos humanos à lua. A produção local de propelentes e a impressão 3D de estruturas devem ser de particular interesse para a NASA.

Dados os prazos que a NASA comunica, essas experiências precisam ser desenvolvidas rapidamente. Por enquanto, a NASA pretende enviá-los à Lua entre março de 2020 e dezembro de 2021. É por isso que um interesse especial será concedido a projetos já avançados. Experiências alternativas, projetos acadêmicos em andamento ou instrumentos usando peças existentes serão favorecidos. A Nasa já espera uma série de propostas, mas espera ser surpreendida por outras.

Há poucos detalhes sobre as restrições que as cargas terão de enfrentar. Eles devem ter uma massa de menos de 15 kg e um consumo de energia inferior a 8 watts. Esta abordagem de desenvolvimento de cargas úteis em paralelo com o desenvolvimento do trem de pouso lunar parece preocupar muitas pessoas, inclusive dentro da NASA. Desenvolver uma carga útil sem conhecer as restrições do módulo de pouso lunar e sem conhecer o local de pouso na Lua não é confortável.

A parte referente à exploração robótica do novo programa lunar da NASA parece estar avançando a um ritmo constante de qualquer maneira. Ao terceirizar as funções de lançamento e pouso para a Lua, a Agência Espacial dos EUA espera manter o controle sobre os custos deste projeto. Os prazos apresentados pela NASA são muito próximos, mas eles permanecem expostos ao risco político no caso de uma mudança na Casa Branca em 2020.

NASA revela o roteiro de seu programa lunar

– Notícias de 2 de outubro de 2018 –

A NASA quer voltar para a lua. Isso se concretizou com a assinatura da Diretiva de Políticas Espaciais 1 pelo Presidente Trump em dezembro de 2017. O objetivo geral é claro, mas os detalhes ainda são um pouco incertos. A Nasa, no entanto, publicou um roteiro em 24 de setembro, que fornece algumas informações adicionais. Neste documento, existem dois calendários. O primeiro calendário diz respeito à órbita lunar e o segundo calendário diz respeito à superfície lunar.

A estação LOP-G está no centro do projeto de missões tripuladas na órbita lunar. A partir deste ano, a NASA planeja finalizar o projeto final da estação espacial. Parceiros comerciais e internacionais também devem ser conhecidos até o final de dezembro. Em 2019, a Agência Espacial dos EUA decidirá sobre a órbita final do LOP-G. Os parâmetros tomados em consideração serão o custo e a possibilidade de serem visitados por vários veículos espaciais. Portanto, não haverá apenas Orion para servir a estação espacial, o que pode ser uma oportunidade para a nova espaçonave russa Federatsiya, ou para um veículo comercial.

A espaçonave Orion será lançada pela SLS em 2020 para uma missão não tripulada ao redor da Lua. No mesmo ano, a NASA decidirá sobre a carga científica que será incorporada ao LOP-G. Será também uma oportunidade para desenvolver a cadeia logística da estação espacial com base em lançadores e navios de carga disponíveis. O programa lunar da NASA deverá acelerar em 2022, que deve ser o ano do primeiro voo tripulado de Orion com um voo sobre a lua. Em paralelo, o primeiro módulo do LOP-G, o LOP-G PPE, será colocado em sua órbita. A montagem da estação espacial deve continuar pelo resto da década. A NASA, então, estudará a oportunidade para o LOP-G se tornar um passo em direção ao planeta Marte.

Mas a NASA não pretende se limitar à órbita lunar. Também começou a criar um plano para a superfície da Lua, que poderia se tornar concreto rapidamente. A partir deste ano, a Agência Espacial dos EUA deve decidir comprar cargas úteis para a Lua. A NASA quer que a indústria privada ofereça soluções para entregar carga na superfície da Lua. Esses vôos podem começar já em 2019, talvez com o Moon Express. O projeto Blue Moon da Blue Origin provavelmente também é estudado.

No próximo ano, a NASA marcará uma data para o vôo de demonstração de um módulo lunar não tripulado. A agência espacial dos EUA quer enviar em 2029 o primeiro americano na Lua desde 1972. Em 2020, a NASA deve tomar uma decisão sobre a arquitetura geral de suas ambições na superfície da Lua, de acordo com o desenvolvimento da sonda. Se os resultados iniciais de sua parceria com o setor privado forem conclusivos, a NASA poderia encomendar carga adicional à Lua para exploradores de exploração, por exemplo. Por volta de 2024, a agência espacial dos EUA decidirá se este retorno à Lua pode ou não ser acompanhado por uma base permanente. Mas antes, ele tem que realizar missões de demonstração de exploração de recursos locais para a construção ou fabricação de propelentes.

Imagem por Pixabay

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?