Blue Moon by Blue Origin : tudo que você precisa saber e notícias

blue moon blue origin

Blue Origin testa com sucesso o motor da sonda lunar Blue Moon

– Notícias de 23 de julho de 2019 –

A Blue Origin é uma das empresas que poderiam fabricar o módulo de pouso lunar do programa Artemis. Há mais de três anos, a empresa desenvolve o módulo lunar da Lua Azul. Projetado inicialmente para transportar carga para a lua, é suficientemente grande para considerar uma versão habitada. Em 18 de julho de 2019, soubemos que a Blue Origin testou com sucesso seu motor BE-7 durante 6 minutos. A Lua Azul está, portanto, em um estágio avançado de desenvolvimento, talvez o suficiente para interessar a NASA em selecioná-la como parte do programa Artemis.





Blue Moon irá se comunicar por laser se o tempo estiver bom na Terra

– Notícias de 28 de maio de 2019 –

Em sua apresentação de 9 de maio de 2019, Jeff Bezos falou de dois sistemas de comunicação para seu lander lunar. Uma antena possibilitará a comunicação por rádio na banda X, que é uma banda de freqüências muito altas, geralmente usada pelo Exército. Em Blue Moon, permitirá taxas de comunicação de até 10 megabits por segundo. O outro sistema de comunicação é um pouco mais surpreendente. O chefe da Blue Origin falou sobre um sistema de comunicação a laser que permite comunicações de até 1 gigabit por segundo.

As comunicações a laser no espaço ainda são uma área muito experimental. Em 2001, os satélites europeus Artemis e Spot 4 estabeleceram a primeira linha de comunicação a laser em órbita. Desde então, os registros de distância e velocidade são regularmente vencidos. A sonda espacial Messenger conseguiu, assim, a comunicação a laser numa distância de 24 milhões de quilômetros.

Os dois dispositivos que querem se comunicar devem ter um transmissor de laser e um sensor de recepção. Os lasers emissores podem ser modulados para codificar um sinal digital, por exemplo, uma sequência de 1 e 0. Os sensores que recebem o sinal são responsáveis ​​por retransformar esses pulsos de laser em um sinal digital. Se conseguirmos repetir as modulações vários milhões de vezes por segundo, este sistema de comunicação é muito eficiente.

Esta solução tem várias vantagens. Um laser não se espalha, por isso pode ser usado para se comunicar por longas distâncias. Os melhores sistemas prometem taxas muito mais altas de comunicação do que de rádio. Em Blue Moon, será 100 vezes mais poderoso, de acordo com Jeff Bezos. Além disso, é impossível ouvir uma comunicação a laser. Qualquer tentativa de interceptação é imediatamente detectada. É por isso que algumas start-ups estão trabalhando na criação de uma nuvem de computação orbital acessível apenas por laser. Em teoria, é uma solução inviolável para armazenar os segredos mais sensíveis.

Para usar os lasers na Lua para enviar mensagens para a Terra, no entanto, é necessário ter uma linha clara entre a sonda ou a espaçonave e a estação de rastreamento na Terra, sem uma nuvem que pare o laser. É por isso que Blue Moon também embarca em um rádio clássico.

Blue Origin apresenta Blue Moon, um lander lunar gigante

– Notícias de 14 de maio de 2019 –

Por quase 20 anos, a Blue Origin vem tentando dar vida aos sonhos espaciais do homem mais rico do mundo, Jeff Bezos. Isso se traduz em múltiplas ambições. A empresa está desenvolvendo o foguete New Shepard, que levará turistas em vôos suborbitais. New Glenn e New Armstrong serão lançadores orbitais reutilizáveis ​​com fortes capacidades. Na quinta-feira passada, Jeff Bezos apresentou o Blue Moon, um projeto de pouso lunar que poderia ajudar a NASA a trazer os homens de volta à lua.

Blue Moon terá habilidades impressionantes

Nós já tínhamos ouvido falar sobre Blue Moon, mas agora temos alguns números. Blue Moon será um veículo muito impressionante que deve ser capaz de trazer 3,6 toneladas de carga para a superfície da Lua. Uma versão posterior com tanques maiores poderia transportar até 6,5 toneladas de carga. O módulo lunar terá uma massa de 3 toneladas sem propulsores e uma massa de 15 toneladas com propelentes. O veículo será capaz de se levantar e se comunicar com a Terra por rádio e laser. Embarcará instrumentos científicos e até 4 rovers na configuração apresentada na última quinta-feira.

As escolhas da Blue Origin para fornecimento de energia e propulsão da Blue Moon

A Blue Origin fez uma escolha interessante para propelentes. Sabemos que a empresa está desenvolvendo motores de metano para seu lançador New Glenn, mas a Blue Moon será movida a hidrogênio e oxigênio. O hidrogênio é um ergol com um impulso específico muito alto, que é importante quando você quer colocar grandes cargas na Lua. O hidrogênio e o oxigênio também são dois elementos presentes nas células de combustível. A Blue Moon não terá, portanto, painéis solares e fornecerá eletricidade graças à célula de combustível da sonda, que deve ser capaz de fornecer até 2,5 quilowatts de energia.

Esta solução tem a vantagem de permitir um fornecimento contínuo, mesmo no meio de longas noites lunares. Levaria grandes painéis solares para obter o mesmo poder. Mas a célula de combustível é uma reserva de energia limitada. Quando as reservas de hidrogênio e oxigênio se esgotarem, não haverá mais eletricidade. As cargas transportadas pela Blue Moon podem ter painéis solares. Finalmente, o hidrogênio e o oxigênio podem ser extraídos no gelo de água localizado nos pólos da Lua. Com a infraestrutura apropriada, é possível considerar a recarga da célula de combustível no local.

A propulsão da Blue Moon usa um motor BE-7 exclusivo desenvolvido especificamente para o módulo lunar. A Blue Moon deve ser capaz de largar pequenos animais na órbita lunar antes de aterrissar. A Blue Origin, portanto, oferecerá à NASA e aos clientes privados uma plataforma de carga completa. A versão com tanques maiores poderia eventualmente ser adaptada para o vôo tripulado. Um módulo pressurizado de subida poderia assim ocorrer na plataforma superior para fazer uma viagem entre a superfície da Lua e a órbita lunar.

Antes de ver o Blue Moon voando, será necessário aguardar o lançamento do New Glenn

Ainda não sabemos quando ocorrerá o primeiro vôo do módulo de pouso da Blue Moon. Vamos pelo menos esperar até que o foguete New Glenn, que servirá como lançador, esteja pronto, então não antes de 2021. Será então rápido se a empresa quiser participar do retorno dos humanos na Lua. De fato, a administração Trump quer alcançar essa meta até 2024. Com sua arquitetura bem estabelecida, Blue Moon é um dos candidatos mais sérios para cumprir essa missão.

Imagem pela Blue Origin

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?