Blue Origin quer participar do programa Artemis

blue origin

– Notícias de 29 de outubro de 2019 –

Na semana passada, o 70º Congresso Astronáutico Internacional (IAC) foi realizado em Washington DC. Os planos lunares da NASA ocuparam um lugar de destaque. A agência espacial dos EUA quer trazer os seres humanos de volta à Lua até 2024 e depende muito do setor privado para fazer isso. Em particular, requer um módulo lunar tripulado e um veículo espacial capaz de transportar astronautas entre a órbita lunar e a superfície da Lua. Este é um contrato que a Blue Origin, a empresa espacial de Jeff Bezos, gostaria de ganhar.

Blue Origin une forças com três gigantes históricos da indústria espacial

A Blue Origin anunciou sua aliança com três pesos pesados ​​na indústria espacial dos EUA: Lockheed-Martin, Northrop Grumman e Draper. Northrop Grumman projetou o módulo lunar Apollo, a Lockheed-Martin tem uma vasta experiência no sistema de suporte à vida e foram os sistemas de orientação de Draper que permitiram que Neil Armstrong e Buzz Aldrin toquem a superfície lunar. Em outras palavras, a Blue Origin montou uma equipe de sonhos real. Também podemos imaginar que esse grupo de interesses tenha um peso político muito importante.

Funções bem distribuídas entre a Blue Origin e seus parceiros

Em suma, a Blue Origin projetaria o veículo de descida. Ele se basearia diretamente na arquitetura do módulo de aterrissagem da Lua Azul, que já está em desenvolvimento há vários anos. Lockheed-Martin cuidaria do veículo elevatório, a parte pressurizada do veículo para trazer os astronautas de volta à órbita lunar. Northrop Grumman trabalharia em um veículo de transferência entre a órbita lunar do LOP-G e a órbita lunar baixa. Draper obviamente cuidaria dos sistemas de navegação desses diferentes veículos.

A proposta da Blue Origin tem tudo para agradar à NASA

Entre todas as propostas a serem recebidas pela NASA, essa proposta parece particularmente atraente porque se baseia em um veículo cujo desenvolvimento já começou. O motor BE-7 que deve permitir pouso na Lua já foi testado várias vezes. Esse é um ativo importante, devido ao cronograma apertado do programa Artemis. Também envolve muitos participantes tradicionais da indústria espacial dos EUA, que simplificarão os métodos de trabalho e facilitarão o voto dos membros do Congresso dos EUA.





Blue Origin quer participar da conquista da Lua

– Notícias de 5 de junho de 2018 –

Durante uma conferência em 25 de maio, o chefe da Blue Origin, Jeff Bezos, detalhou como sua empresa poderia participar da aventura lunar da NASA. O homem mais rico do mundo está convencido de que deve se estabelecer permanentemente na Lua antes de tentar ir a Marte. A nova direção tomada pela NASA sob o governo Trump combina perfeitamente com ele. Essa colaboração poderia primeiro tomar a forma de um veículo, por exemplo, um módulo lunar que pudesse se agarrar ao LOP-G.

Na verdade, a Blue Origin já está desenvolvendo um veículo como esse, chamado Blue Moon, uma espaçonave não tripulada capaz de transportar quatro toneladas e meia de material para a superfície da Lua. A Lua Azul também seria capaz de trazer de volta alguma matéria lunar para a Terra. A espaçonave usa as tecnologias de decolagem e aterrissagem verticais desenvolvidas para o foguete New Shepard e pode ser lançada a partir de um foguete New Glenn.

No ano passado, a Blue Origin detalhou como este veículo poderia ser usado para ajudar a construir uma colônia lunar, com vôos que poderiam começar já em 2020. A Blue Origin quer realizar essas missões em colaboração com a NASA ou em uma parceria mais ampla. Jeff Bezos não esconde seu entusiasmo pela iniciativa européia Moon Village, que reunirá diferentes nações e empresas em torno da mesma colônia. Se a Blue Origin não consegue encontrar boas parcerias, a empresa está pronta para ir sozinha, até que seu chefe esteja arruinado, se necessário.

Jeff Bezos também lembrou seu desejo de injetar a cada ano um pouco de sua fortuna pessoal em sua aventura espacial. No momento, a Blue Origin pode esperar pelo futuro com US $ 1 bilhão em dinheiro injetado na empresa a cada ano. Se as parcerias para uma aventura lunar se materializarem, o bilionário americano não hesitará em acelerar o ritmo dos gastos.

A aventura lunar começa com o desenvolvimento de lançadores confiáveis ​​e eficientes. Jeff Bezos disse que a Blue Origin comprou a barcaça que será usada para o desembarque do foguete New Glenn no mar. O trabalho de adaptação de navios deve começar rapidamente.

– Notícias de 1 de maio de 2018 –

Muitos vêem a Blue Origin como um futuro gigante na indústria espacial. Tendo como fundador o homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, fornece uma capacidade de financiamento que poucas empresas podem pagar. Para colocar as coisas em perspectiva, Jeff Bezos atualmente capaz de financiar o programa Apollo por conta própria. No entanto, embora a Blue Origin tenha sido fundada antes da SpaceX, os resultados estão muito atrasados. Dezoito anos depois sua criação, a Blue Origin ainda não possui veículo espacial operacional.

– Notícias de 11 de abril de 2017 –

Jeff Bezos tornou-se recentemente o segundo homem mais rico do mundo, anunciou a venda de ações de sua empresa a uma taxa de um bilhão de dólares por ano para financiar Blue Origin, uma empresa de desenvolvimento de foguetes reutilizáveis. Ele está convencido de que a indústria espacial está atualmente em um estado comparável à internet no início dos anos 90.

A empresa pretende levar turistas ao espaço em 2018. Também tem em suas cartas o desenvolvimento do New Glenn, um foguete absolutamente monstruoso e, no entanto, recuperável.

Como Jeff Bezos disse, se o custo dos aviões de passageiros tivesse permanecido o mesmo de 1940, então a indústria da aviação hoje seria pequena.

Blue Origin, filho da Lei de Lançamento

Desde o começo e por muito tempo, os governos tiveram exclusividade para atividades espaciais. Permaneceu sob o controle de estados ou mesmo exércitos por anos, o espaço permaneceu um domínio reservado para a ciência, espionagem ou propaganda política. Mas para os Estados Unidos, defensores do liberalismo econômico, permanecer nessa situação não era uma opção. Em 1984, a Lei de Lançamento permitiu que empresas privadas no país fabricassem seus próprios lançadores e tivessem seu próprio local de lançamento. Esta lei é provavelmente a pedra angular do movimento hoje conhecido como o Novo Espaço.

A Lei de Lançamento foi lenta para entrar em vigor. As décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por algumas novas empresas: o fim da URSS e a massiva privatização das tecnologias espaciais soviéticas deram origem a empresas como a Sea Launch ou International Launch Services. Mas foi o começo dos anos 2000 que marcou uma ruptura real com a chegada do Vale do Silício no setor. O ano 2000 especialmente, porque nesse ano foi fundada a empresa Blue Origin por Jeff Bezos, o patrão da Amazon, que fez uma fortuna com os primórdios da internet. Ele decidiu aproveitar esse dinheiro financeiro para tentar realizar seus sonhos adolescentes: em uma entrevista concedida em 1982, quando ele tinha apenas 18 anos, ele disse que queria criar colônias em órbita capazes de receber de dois a três milhões de habitantes.

Blue Origin cresce com a experiência da equipe Delta Clipper

Vinte anos e alguns milhões de dólares depois, Jeff Bezos decidiu, aos 36 anos, estabelecer uma empresa espacial real. Embora isso possa ser uma reminiscência da jornada de Elon Musk com a criação da SpaceX, ambas as empresas tiveram práticas muito diferentes desde o início. Enquanto a SpaceX, fundada dois anos depois da Blue Origin, se comunica excessivamente, do outro lado a Blue Origin alimenta o segredo. Assim, é somente em 2003 que a existência da Blue Origin foi tornada pública. Em 2005, Jeff Bezos revela em um pequeno jornal local do Texas seus planos para seu novo empreendimento: construir um foguete capaz de decolar e aterrissar na vertical, e que levará os homens à fronteira do espaço. Sua inspiração é o McDonnell Douglas Delta Clipper Demonstrator. Construído no início dos anos 90 sob as ordens do Departamento de Defesa dos EUA, é um protótipo de lançadores reutilizáveis, onde o foguete é capaz de atingir seu objetivo usando apenas um andar. As restrições para este tipo de veículo são enormes, especialmente se devem ser reutilizáveis. O demonstrador McDonnell Douglas voou até 2500 metros acima do nível do mar. Mas este pequeno veículo lançou as bases para os foguetes reutilizáveis.

A origem azul recrutou alguns engenheiros que trabalharam no Delta Clipper e começaram a trabalhar. Em 2005, a empresa lançou seu primeiro foguete chamado Charon. Na época, Charon é mais um projeto aeronáutico do que um projeto aeroespacial: Charon é de fato equipado com motores a jato semelhantes aos que podem ser encontrados nos aviões. Mas isso permite que a Blue Origin teste as decolagens e aterrissagens verticais. Desde 2006, um novo demonstrador chamado Goddard inicia os vôos de teste. Desta vez, 9 motores de foguete são usados. O Goddard consegue subir a uma altura de 100 metros antes de retornar e pousar. Seja na forma geral ou na demonstração técnica, é óbvio que o Delta Clipper inspirou a Blue Origin.

New Shepard, o lançador que muda tudo

Foi também nessa época que o nome de New Shepard começou a aparecer. É este veículo que deve realizar a visão de Jeff Bezos: levar os homens à fronteira do espaço em um foguete totalmente reutilizável. Em suas raras entrevistas, o chefe da Blue Origin sugere que sua empresa gostaria de voltar a voar orbitais a longo prazo.

O desenvolvimento do New Shepard exigirá um avanço tecnológico significativo da Blue Origin. Depois de alguns anos de trabalho, em 2011, um primeiro protótipo do foguete chamado PM2 é instalado em uma plataforma de lançamento. O PM2 tem uma aparência singular e muito achatada. É alimentado por cinco motores desenvolvidos internamente pela empresa. Também é equipado com quatro pequenas aletas em sua base. Em seu primeiro vôo, o PM2 consegue subir até 167 metros de altitude e retorna para pousar suavemente. Apenas três dos cinco mecanismos são usados ​​nesta demonstração. Quatro meses depois, o próximo teste é muito mais ambicioso: desta vez o PM2 usa todos os seus motores e consegue subir a uma altitude de 14 km e uma velocidade de Mach 1,2 antes de ser destruído por seus sistemas de segurança.

Neste momento, o Blue Origin ainda é tão secreto. Sugere planos para um foguete orbital parcialmente reutilizável. Podemos reconhecer a forma geral do impulsionador PM2 encimado por um segundo andar. No início de 2010, a SpaceX acaba de fazer a primeira foto do seu foguete Falcon 9. A empresa de Elon Musk também depende da reutilização e não depende de voos suborbitais. A Blue Origin teve que aproveitar ao máximo o demonstrador PM2 para construir o New Shepard. Essa tarefa durou até 2015. Foi também durante esses anos que a empresa conseguiu um enorme financiamento: o valor da Amazon é multiplicado por mais de 1000 desde o IPO. Jeff Bezos se torna uma das pessoas mais ricas do mundo. O bilionário financia sua aventura espacial: em 2014, ele já investiu mais de meio bilhão de dólares na Blue Origin.

O novo Shepard é concebido como um veículo em duas partes: um impulsionador que lida com a propulsão e uma cápsula que deve ser capaz de acomodar os passageiros. A cápsula foi testada em 2012, mas demorou mais dois anos e meio para o booster aparecer em uma plataforma de lançamento. Em 29 de abril de 2015, New Shepard sobe para uma altitude de 93 km, a poucos quilômetros do limite do espaço oficial. A cápsula da espaçonave descansa sob o pára-quedas, mas o reforço é mais complicado: cai. Mas a Blue Origin continua testando o New Shepard. Entre abril de 2015 e o início de 2018, o foguete e sua cápsula voaram oito vezes. Todos os vôos após o primeiro foram sucessos completos.

O design é um pouco diferente em comparação com os demonstradores PM2: a forma geral, em vez de agachamento, é preservada, mas a propulsão é fornecida apenas por um único motor BE-3. A Blue Origin só realiza vôos suborbitais, mas a empresa consegue empurrar o conceito de reutilização o suficiente: nenhum foguete SpaceX voou mais de duas vezes. O novo Shepard 2 fez cinco vôos.

New Glenn e New Armstrong, futuros projetos estrela da Blue Origin

A Blue Origin está bem posicionada para enviar seres humanos ao espaço em sua cápsula nos próximos meses. Sabe-se desde 2012 que a empresa de Jeff Bezos trabalhava em um foguete orbital. Os primeiros detalhes surgem em 2015 e 2016. New Glenn é um lançador pesado que deve ser reutilizável um grande número de vezes, planejado em duas versões com dois ou três andares. O foguete deve ser capaz de colocar 45 toneladas em órbita baixa ou 13 toneladas em órbita de transferência geoestacionária. Como muitos foguetes atualmente em desenvolvimento, ele usa o par de oxigênio líquido de metano para impulsionar seu primeiro andar. Isso deve permitir que o primeiro andar seja recuperado até 100 vezes. O primeiro estágio é impulsionado por sete motores V4, monstros de potência superior à potência dos motores do ônibus espacial. No segundo e terceiro andares, há os BE-3s que já se provaram com o New Shepard.

Se a Blue Origin respeitar sua programação, a New Glenn deve voar em 2020. A Blue Origin tem outras ideias em estudo, mas a empresa ainda é tão secreta em seus projetos futuros. Nós só sabemos um nome: New Armstrong. Para aprender mais, devemos ouvir as diferentes declarações de Jeff Bezos. Ele disse, por exemplo, que New Glenn será o foguete orbital mais leve do mercado. Em outras palavras, o novo Armstrong provavelmente será um monstro. Para acompanhar o progresso da Blue Origin, é necessário lidar com a comunicação dispersa da Blue Origin. Jeff Bezos é conhecido por ser mais orientado a longo prazo: a Amazon perdeu dinheiro por muitos anos antes de se tornar o gigante atual. Seu chefe investe todos os anos na Blue Origin e não parece particularmente ansioso para obter um lucro rápido. Pode ser um dos maiores pontos fortes da Blue Origin: a paciência e os recursos financeiros de Jeff Bezos permitem que ele planeje a longo prazo sem precisar se preocupar com acionistas ou governos em constante mudança.

No momento, a Blue Origin não fez nenhum vôo orbital. Mas pode-se esperar que a empresa se torne a Amazônia do espaço nos próximos cinco a dez anos, permanecendo nas sombras por anos antes de conquistar o primeiro lugar em alguns trimestres.

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?