NASA valida missão lunar robótica

nasa

– Notícias de 29 de outubro de 2019 –

A NASA decidiu validar uma missão robótica para a Lua em 2022. Um veículo espacial chamado VIPER partirá graças ao programa CLPS, talvez a bordo de um módulo de aterrissagem Blue Moon fabricado pela Blue Origin. Ele pousará no Pólo Sul da Lua, a fim de identificar e caracterizar o gelo d’água presente. É de fato um recurso muito valioso no contexto da instalação de uma base habitada.

O veículo espacial perfurará para analisar como o gelo da água e o regolito são misturados. A missão deve ocorrer perto de um pico de luz eterna, que lhe permitirá sobreviver 100 dias na superfície da Lua. Mais uma vez, o cronograma é muito curto, três anos para desenvolver e lançar uma missão para outro corpo do sistema solar.





A NASA apoia o setor espacial privado e a pesquisa espacial por meio de seu programa Flight Opportunities

– Notícias de 8 de outubro de 2019 –

Entre seus futuros grandes telescópios, suas sondas espaciais para enviar em todas as direções e o retorno do Homem na Lua, a agência espacial dos EUA tem muito trabalho durante a década de 2020. Para ajudá-los, a NASA executa desde 2010 um programa chamado Oportunidades de Vôo. Este programa foi desenvolvido para permitir que empresas e universidades testem novas tecnologias em foguetes, aeronaves 0G ou balões. Em nove anos, quase 200 tecnologias dedicadas ao espaço poderiam ser testadas, evitando os custos exorbitantes de uma órbita. Esse processo também permite o desenvolvimento rápido da iteração. É muito mais fácil colocar um protótipo em uma aeronave 0G, analisar os dados para melhorar a inovação e depois refazê-lo no mesmo plano. Esse processo leva algumas semanas ou meses, enquanto os mesmos testes orbitais levariam anos. Obviamente, as tecnologias selecionadas fazem parte dos planos atuais e futuros da NASA.

Em 3 de outubro de 2019, foram selecionadas 25 novas propostas para ingressar no programa. Eles se concentram particularmente em dois tópicos: apoiar o programa Artemis (o programa americano de retorno de humanos à Lua) e ajudar a comercializar a órbita baixa e o espaço suborbital. Nas missões que apoiarão o programa Artemis, há um sistema de navegação e pouso lunar, um sistema automatizado de coleta de amostras, uma solução de análise e diagnóstico para a saúde de astronautas, implantação de grandes painéis solares inspirados em origamis ou um dispositivo para melhorar a transferência de propulsores em 0G. Entre as missões que visam diminuir o custo do acesso à órbita baixa, há pesquisas sobre “chipsats”, um novo formato de satélite do tamanho de um pequeno biscoito. Existe também um sistema de previsão de turbulências atmosféricas ou um experimento para a síntese de produtos farmacêuticos em órbita.

Toda essa pesquisa pode não levar a uma espaçonave, uma missão espacial ou um produto operacional, mas a NASA garante que ela tenha alguns cartões nas mangas, se necessário. A pesquisa mais promissora pode eventualmente ser testada a bordo da Estação Espacial Internacional. Esse programa também é uma ótima maneira de apoiar a indústria de vôos suborbital privada. Espera-se que muitas dessas experiências voem no foguete New Shepard da Blue Origin e na espaçonave SpaceShipTwo da Virgin Galactic. Provavelmente serão voos não tripulados, mas serão agendados voos tripulados suborbitais para projetos de pesquisa.

A Força Aérea Italiana acaba de se tornar a primeira do mundo a reservar um voo comercial suborbital com a tripulação para realizar pesquisas. Talvez este primeiro voo ocorra no próximo ano. Três pesquisadores embarcarão com sua experiência a bordo de uma espaçonave SpaceShipTwo. Infelizmente, eles não terão tempo para elogiar o espetáculo da Terra do espaço, porque os preciosos minutos que eles passarão em microgravidade serão usados ​​para conduzir experimentos em biologia humana e na química de novos propulsores. A NASA pode ficar tentada a seguir o exemplo italiano rapidamente, seja com a Blue Origin ou com a Virgin Galactic. E talvez dentro de alguns anos, vôos suborbitais para fazer pesquisas sejam comuns.

O Senado dos EUA aprovou o orçamento da NASA para 2020, grande parte do qual está alocado no programa Artemis

– Notícias de 29 de setembro de 2019 –

O lançamento do programa Artemis em 2020 ainda é teoricamente possível, embora pareça mais provável que isso ocorra em 2021. No início do ano, Jim Bridenstine havia discutido a possibilidade de cancelar um teste crucial chamado Green Run, que teria economizado até seis meses no calendário. Por razões de segurança, o Green Run realmente ocorrerá. Durante este teste, os quatro motores RS-25 do estágio central do SLS serão acionados por oito minutos, o que simulará a decolagem para uma missão lunar.

Embora o cronograma já esteja atrasado, a NASA está dando ao programa Artemis uma realidade orçamentária real. O Senado dos EUA acaba de aprovar um orçamento de US $ 22,75 bilhões em 2020 para a NASA, 1,25 bilhão a mais que em 2019, o que já foi um ano muito bom. Se dissecamos esse orçamento, o SLS recebe US $ 2,6 bilhões, a nave espacial Orion recebe US $ 1,4 bilhão e o famoso módulo de descida e subida que perde tanto recebe um primeiro envelope de US $ 750 milhões. A NASA tem todas as chaves para fazer as coisas, talvez não tão rápido quanto Donald Trump gostaria, mas ainda olhamos na direção certa.

Na véspera deste anúncio de orçamento, a Agência Espacial dos EUA chegou a um acordo com a Lockheed Martin para a produção da nave espacial Orion. O acordo também prevê uma opção em seis naves espaciais adicionais da Orion. As três primeiras naves espaciais devem apoiar as missões Artemis 3, 4 e 5. Elas foram encomendadas por US $ 2,7 bilhões. Em outras palavras, temos quase certeza de ver pelo menos meia dúzia de missões com a nave espacial Orion na década de 2020, e potencialmente até o dobro.

Para reduzir custos, a NASA e a Lockheed Martin concordaram em implementar alguma forma de recuperação. Alguns elementos internos do Artemis 2, como assentos ou sistemas eletrônicos, serão recuperados para a missão Artemis 5. Subiremos uma marcha com Artemis 6 que deve reutilizar completamente a cápsula Artemis 3. Apesar dessas medidas, o material do programa Artemis é muito caro. Com quase um bilhão de dólares por espaçonave lunar e mais ou menos outro bilhão por lançador, apenas dar um passeio pela Lua monopoliza o equivalente ao orçamento anual da CNES, a agência espacial francesa, excluindo os custos de desenvolvimento. Se a NASA quiser ir à Lua para ficar lá, precisará encontrar outras maneiras de baixar significativamente seus preços.

Vencedores e perdedores do orçamento 2020 da NASA

– Notícias de 12 de março de 2019 –

A proposta orçamentária da NASA para 2020 é interessante. O orçamento é de US $ 21,02 bilhões, um declínio muito pequeno em relação ao alcançado em 2019. No entanto, ele ainda excede todos os orçamentos que a NASA recebeu desde meados da década de 1990, ajustados pela inflação. A NASA está em um bom momento de orçamento. Mas nesta proposta orçamentária, há vencedores e perdedores.

Do lado perdedor, existe o WFIRST. A proposta orçamentária para 2020 não inclui qualquer linha orçamentária para o futuro telescópio grande. Nós já sabíamos que a administração Trump não é a favor de alocar um orçamento para este projeto. O WFIRST é, no entanto, considerado uma prioridade científica para a grande maioria dos astrônomos. Nós imaginamos que eles vão lutar para mantê-lo no orçamento final.

O outro grande perdedor é o SLS. A utilidade do futuro lançador pesado da NASA é drasticamente reduzida.

Duas outras missões de observação da Terra também foram canceladas.

Do lado vencedor, a NASA reafirma seu apoio a James Webb. Não há cancelamentos planejados para o telescópio espacial.

US $ 363 milhões são alocados para o desenvolvimento de uma sonda lunar de alta capacidade. Sabemos que a NASA solicitou a seus parceiros industriais que trabalhassem em tal projeto nas últimas semanas. Ele agora tem sua própria linha de orçamento.

A NASA finalmente decidiu limitar o uso do SLS. O orçamento dedicado ao lançador está em queda acentuada. Isso é o que torna possível financiar pesquisa e desenvolvimento no LOP-G ou no módulo lunar. Falcon Heavy, New Glenn e Vulkan terão que compartilhar as missões abandonadas pelo SLS.

Esta é apenas uma proposta orçamentária que será debatida. Imaginamos, por exemplo, que o WFIRST não flua sem lutar. Espero que a NASA possa ter a surpresa de um orçamento maior do que o solicitado, como em 2019.

Os orçamentos de 2019 da NASA preparam a transição da ISS para o setor privado

– Notícias de 14 de fevereiro de 2018 –

A proposta orçamentária de 2019 para a NASA prevê um desligamento do financiamento da ISS em 2025. Depois disso, a ideia é permitir que empresas privadas tomem o controle, para que a NASA possa se concentrar na Lua. Não é apenas a ISS que sofre com as novas ambições lunares da NASA. O próximo grande telescópio espacial da NASA, o WFIRST, deve ser abandonado junto com cinco missões de observação da Terra.

A NASA certamente terá um orçamento um pouco maior que o solicitado para 2019, ou seja, US $ 19,9 bilhões. A partir do ano que vem, esse orçamento oferece US $ 150 milhões para preparar a transição da ISS para o setor privado. Nos próximos cinco anos, US $ 900 milhões serão destinados a essa transição. Imaginamos que as principais empresas que serão beneficiadas são Bigelow, Axiom Space, SpaceX, Boeing e Sierra Nevada.

Boeing, SpaceX, Sierra Nevada e Orbital ATK terão que pensar seriamente sobre a ISS depois, porque depois de gastar mais de uma década para desenvolver acesso privado à ISS, a administração espacial dos EUA vai retirar sua razão de ser, enquanto eles estão apenas entrando o mercado. Vamos esperar que a transição para as estações espaciais privadas realmente aconteça, caso contrário, a indústria dos “Novos Espaços” dos EUA pode declinar.

A administração Trump designa a Lua como a principal prioridade da NASA

– Notícias de 10 de outubro de 2017 –

Na semana passada, o gabinete do presidente dos EUA, Donald Trump, finalmente revelou o que a política espacial dos EUA estará sob seu governo. Em 2004, o governo Bush estabeleceu uma meta para a NASA reviver o programa de vôos tripulados para a Lua em 2010. O governo Obama estabeleceu uma meta para a agência espacial dos EUA lançar vôos tripulados para asteróides e depois para o planeta Marte. Em 5 de outubro, Mike Pence, vice-presidente de Donald Trump, anunciou que sua administração mudará os planos novamente. A NASA deve atingir a Lua novamente. Temos a sensação de que os republicanos querem ir à Lua e os democratas querem ir a Marte. Mas nenhum lado consegue estar na Casa Branca por tempo suficiente para completar seus planos espaciais.

A administração Trump solicitou, portanto, mudanças na NASA. A primeira é a organização da Agência Espacial Americana, com a reabilitação do Conselho Nacional do Espaço, um corpo administrativo responsável por estabelecer as diretrizes da NASA. Foi criado em 1989 por George Bush e desmantelado em 1993 por Bill Clinton. Felizmente, essas novas diretrizes para a NASA não devem atrapalhar muito os desenvolvimentos atuais. O SLS, a cápsula de Orion e o LOP-G estão adaptados a essas novas ambições lunares, especialmente que, a longo prazo, Mike Pence especificou que o planeta Marte continua sendo um objetivo. Mas ele não definiu uma data ou um programa específico. Por outro lado, a missão tripulada a um asteroide, que até a última quinta-feira foi o próximo grande passo, desaparece completamente do programa da NASA. A administração Trump planeja enviar várias missões para a superfície lunar, em alta freqüência. Em um segundo passo, a NASA terá que estabelecer uma base permanente na Lua.

Isso não muda quase nada para os planos de curto prazo da NASA, porque o LOP-G deveria ser um ponto de partida para missões lunares e marcianas. A Agência Espacial dos EUA pode, portanto, continuar implementando seus planos sem grandes mudanças nos programas atuais. Esta é, evidentemente, uma excelente notícia, porque os programas espaciais precisam de visibilidade a muito longo prazo para terem metas ambiciosas. A dependência da NASA em relação à administração dos EUA certamente continuará a gerar mudanças no programa. Esta é uma das grandes vantagens das empresas privadas em comparação com as agências espaciais nacionais.

NASA não pode dar ao luxo de enviar os primeiros homens a Marte

– Notícias de 1 de agosto de 2017 –

Bill Gerstenmaier anunciou no início de julho que a NASA não é capaz de dar uma data para um vôo habitado para Marte. A agência espacial dos EUA simplesmente não possui os meios financeiros para o projeto. Para um observador externo, essa afirmação não surpreende porque a NASA não tem planos para uma viagem marciana. Mas depois de anos de declarações de intenção e promessas, os líderes da administração americana estão enfrentando a realidade. O que é mais preocupante é que todo o programa de vôos tripulados da Nasa parece se mover devagar, porque uma vez que removemos o objetivo marciano, parece que o programa dos EUA não tem objetivo algum.

A Nasa investiu dezenas de bilhões para desenvolver seu novo lançador pesado SLS e a cápsula Orion projetada para missões além da órbita baixa. A NASA gostaria de ir além da órbita baixa, mas no momento não comunicou outros objetivos. No entanto, outros participantes do mercado estão se movendo rapidamente. O programa espacial tripulado chinês, por exemplo, tem um cronograma preciso e datado: primeiro uma estação espacial em órbita, depois missões tripuladas à Lua e uma base lunar. Para o alvo de Marte, empresas privadas como a SpaceX têm visões que duram décadas. A NASA há muito se agarra ao sonho marciano, mas parece estar perdida em projetos e hesitações que não se enquadram na reputação da agência espacial norte-americana. Felizmente, a NASA tem bom desempenho em outras áreas, como a exploração robótica. Mas há 10 anos atrás tínhamos certeza de que o primeiro homem em Marte usaria o traje espacial da NASA, o que é muito menos óbvio hoje em dia.

NASA financia 22 projetos de inovação

– Notícias de 18 de abril de 2017 –

A NASA forneceu financiamento para 22 projetos avançados de inovação para tratar de questões futuras na exploração espacial. Estes são estudos de viabilidade, conceitos, análises.

Há pouca chance de que estes projectos surgem rapidamente, no entanto, é muito interessante ver como os engenheiros conseguiram resolver, mesmo teoricamente, os principais problemas da exploração espacial.

Nestes 22 projectos incluem sistemas de propulsão interstelares utilizando a fusão nuclear ou efeito Mach, as tecnologias para processar conceitos terra-Mars ou telescópios. Um sistema de propulsão usando o efeito Woodward pode acontecer propulsor, assim, enviar para o espaço embarcações muito mais leves.

O estudo da NASA vai ser construído em três fases: a criação de modelos de laboratório capaz de fornecer um impulso firme e constante, o projeto de uma fonte de alimentação capaz de controlar o motor e, finalmente, modelos de previsão para determinar o desempenho máximo de tal meio de propulsão.

NASA acredita que tais meios de propulsão, é demonstrado e desenvolvido, poderia abrir as portas de sistemas de estrelas, localizado entre 5 e 9 anos-luz de nosso sol.

Logotipo da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço [Public domain], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?