Chang’e 5 : o lançador Long March 5 atrasa a missão

chang'e

– Notícias de 5 de novembro de 2019 –

A agência espacial chinesa adiará sua missão de retorno de amostras lunares, chamada Chang’e 5. Esperada para este ano, essa missão finalmente decolará nos últimos meses de 2020, devido aos lançadores pesados da China.

O iniciador Long March 5 continua sendo a causa dessa situação. Depois de falhar em seu segundo voo em 2017, espera-se que voe em dezembro de 2019. O lançador Long March 5 levará um satélite de telecomunicações para a órbita geoestacionária. Então, o lançador pesado da CNSA fará missões espaciais de primeira importância.

Isso começará com um voo de teste da nova espaçonave tripulada chinesa, e ocorrerá durante o verão uma missão espacial em direção ao planeta Marte, antes de terminar o ano de 2020 com a primeira missão de retorno de amostras lunares desde a década de 1970. O programa espacial chinês está, portanto, muito ocupado em 2020.





O rover de missão lunar Chang’e 4 descobre uma substância estranha em uma cratera

– Notícias de 10 de setembro de 2019 –

A agência espacial indiana perdeu o contato com o operador da missão Chandrayaan-2. A missão chinesa Chang’e 4 é, portanto, a única missão atualmente ativa na superfície da Lua. O veículo espacial Yutu 2 já percorreu mais de 280 metros no lado oposto da Lua. Nos últimos dias, ele descobriu uma substância estranha no fundo de uma cratera, um tipo de gel colorido que pode ser derretido após o impacto de um meteorito.

Vamos torcer para que o rover chinês aguente até a chegada de outro robô, talvez já no próximo ano. Nos próximos anos, americanos, chineses, europeus, russos e até coreanos estão trabalhando em missões lunares, sejam eles missões robotizadas ou habitadas. Além disso, existem várias empresas privadas que gostariam de pousar na Lua por conta própria.

Chang’e 5 não decolará em 2019

– Notícias de 20 de agosto de 2019 –

Chang’e 5, a ambiciosa missão de retorno lunar, foi originalmente programada para decolar em 2019. Mas os problemas do grande lançador Long March 5 sugerem que a missão Chang’e 5 será adiada pelo menos alguns meses.

O rover de missão Chang’e 4 quebrou um recorde

– Notícias de 28 de abril de 2019 –

Desde que chegou ao solo lunar no início de janeiro, o rover Yutu 2 da missão Chang’e 4 viajou um pouco menos de 180 metros. Isto não é muito porque o Yutu 2 esteve frequentemente inativo durante os últimos 4 meses. Além das longas noites lunares que o privam da energia solar, o rover chinês também vai dormir no meio dos dias lunares. Por alguns dias, quando o sol está no zênite, ele para evitar o superaquecimento.

Yutu 2 quebrou o recorde do Yutu Rover embarcou na missão Chang’e 3. Yutu parou depois de dirigir 114 metros. O Yutu 2 também excedeu o tempo de vida de sua missão. Ele teve que trabalhar por três meses, mas acabou de terminar este período sem nenhum problema. Isso prova que a agência espacial chinesa, a CNSA, está melhorando cada vez mais no design de seus robôs.

Ainda não podemos falar sobre os resultados científicos da missão Chang’e 4, mas as primeiras fotos enviadas pelo veículo e pela sonda são promissoras. A área onde a sonda contém um material diretamente do manto lunar. A CNSA publicou publicamente algumas dessas fotos.

Vida e morte do experimento da biosfera a bordo do Chang’e 4

– Notícias de 22 de janeiro de 2019 –

Chang’e 4 continua a realizar seu programa científico. Na semana passada, o experimento da biosfera da sonda espacial terminou. Ela começou algumas horas depois de pousar em um pequeno recipiente de metal de 2,6 kg. No interior, seis espécies vivas tentaram sobreviver neste ambiente desconhecido.

Sementes de batatas, moscas e leveduras não sobreviveram à noite lunar que começou em 13 de janeiro sem aquecimento ou proteção térmica. Esses exploradores enfrentam temperaturas abaixo de -180 graus Celsius. O experimento durou 212 horas. Foi comparado a um dispositivo similar na Terra. Sem surpresa, as espécies deixadas na Terra cresceram melhor que as enviadas para a cratera Von Kármán.

Antes que a noite lunar terminasse o experimento, os pesquisadores puderam observar a eclosão de sementes de algodão. Esta é a primeira vez que uma planta cresce em outro mundo. As espécies foram escolhidas devido ao seu potencial. Para acompanhar uma presença humana na Lua, as batatas são uma rica fonte de alimento e fácil de produzir. A levedura pode ajudar a regular os níveis de dióxido de carbono. As moscas desempenharam o papel dos seres humanos neste mini-ecossistema.

Esta experiência demonstra mais uma vez as duras condições que prevalecem na lua. Esperar um dia viver lá, é necessário continuar a exploração e este tipo de testes. Chang’e 4 continua sua missão.

China revela o conteúdo de suas próximas missões lunares

– Notícias de 15 de janeiro de 2019 –

Enquanto Chang’e 4 continua a enviar fotos e vídeos filmados na Lua, a CNSA já está preparando os próximos passos de seu programa lunar. Chang’e 5 será uma missão muito ambiciosa com coleta e retorno de amostras lunares. O Chang’e 5 deve decolar no final de 2019. Já sabemos que a China quer levar humanos para a Lua. Mas não tivemos muita informação sobre os próximos passos do programa Chang’e. Em uma coletiva de imprensa em 14 de janeiro, funcionários do CNSA falaram sobre as futuras missões do programa lunar chinês. As missões Chang’e 6, Chang’e 7 e Chang’e 8 devem ser uma grande parte do programa lunar chinês na próxima década.

O Chang’e 6 foi pensado como uma missão gêmea de Chang’e 5, isto é, coleta e retorno de amostras lunares. Ele terá como alvo o Pólo Sul da Lua e poderá decolar por volta de 2023. A missão Chang’e 7 também terá como alvo o pólo sul da Lua. Ainda não temos detalhes precisos sobre a espaçonave, mas sabemos que ela se concentrará em particular no terreno, na composição e no ambiente do Pólo Sul da Lua.

O Polo Sul da Lua é de particular interesse para a CNSA porque esta região é considerada a mais adequada para a instalação de uma base habitada. Algumas crateras na área nunca são expostas à luz solar. No ano passado, uma análise dos dados da sonda espacial indiana Chandrayaan-1 mostrou que essas crateras abrigam reservas de água gelada. Por outro lado, alguns dos maiores relevos da região estão quase sempre expostos à luz do dia. Estes são chamados de picos de luz eterna. É o local ideal para instalar painéis solares de uma base habitada. Além disso, os objetivos científicos são numerosos no Pólo Sul da Lua. Algumas de suas crateras poderiam abrigar alguns dos materiais mais antigos do sistema solar. O Pólo Sul não interessa apenas a China. A sonda indiana Chandrayaan-2 deve tentar pousar lá em abril de 2019.

O conteúdo da missão Chang’e 8 ainda não está claro. Sabemos que esta missão deve testar novas tecnologias relacionadas à exploração humana, como a impressão 3D de estruturas do regolito lunar e a exploração de recursos locais. Esta missão também terá objetivos científicos que podem ser definidos em colaboração com agências espaciais européias, russas e até americanas.

Portanto, sabemos mais ou menos bem os objetivos das próximas quatro missões lunares chinesas. A China continua a implementar seu plano, que está gradualmente ganhando ambição. Mas, por enquanto, ainda não há informações de voo tripulado para a Lua. Provavelmente, levaremos alguns anos até sabermos mais sobre isso. Na melhor das hipóteses, essa missão não ocorrerá até o final da próxima década.

Missão chinesa Chang’e 4 terras do outro lado da Lua, um mundo primeiro

– Notícias de 6 de janeiro de 2019 –

Na noite de 2 a 3 de janeiro de 2019, a China conseguiu a façanha histórica de colocar uma carga útil no outro lado da Lua. O rover Yutu 2 já está fazendo seus primeiros medidores no regolito lunar. Chang’e 4 desembarcou na cratera de Von Kármán, localizada na bacia da Bacia do Pólo Sul-Aitken, uma das mais antigas crateras de impacto de todo o sistema solar. Com Chang’e 4, a China mostra que agora é capaz de atingir objetivos que nem os americanos nem os russos nem os europeus alcançaram até agora.

Nenhuma missão aterrissou neste lado da Lua até agora porque é uma manobra arriscada. A NASA havia pensado em fazer isso para a missão Apollo 17, mas finalmente achou o perigo muito grande para arriscar vidas. Em primeiro lugar, comunicar-se com o robô é um desafio real. Para corresponder à Terra, a missão chinesa tem um satélite de retransmissão localizado em órbita ao redor do ponto L2 Lagrange do sistema Terra-Lua. Este satélite foi especialmente lançado para a missão Chang’e 4. Além disso, o lado mais distante da Lua é mais robusto do que seu rosto visível. Os sistemas de vôo de Chang’e 4 tiveram que ser melhorados em comparação com os das missões lunares chinesas anteriores. Finalmente, a fase de descida era muito mais vertical que a do Chang’e 3.

Chang’e 4 não é apenas uma missão de prestígio nacional para a China. O lander e o rover da missão têm uma massa de 1,2 toneladas, o que lhes permite embarcar uma carga científica bastante grande. As câmeras, o espectrômetro, o radar e o detector de radiação poderão melhorar nosso conhecimento desta região muito antiga da Lua. O experimento de radioastronomia embarcado pela missão também promete mostrar o potencial dessa técnica para ser protegida da poluição de rádio da Terra.

A última missão lunar chinesa, Chang’e 3, ocorreu em 2013. Levará muito menos tempo antes do lançamento da próxima missão. Chang’e 5, uma missão ainda mais ambiciosa, deve decolar neste ano.

Chang’e 4 vai pousar no início de janeiro do outro lado da lua

– Notícias de 11 de dezembro de 2018 –

A Agência Espacial Chinesa (CNSA) lançou com sucesso a missão Chang’e 4 para a Lua. O novo lander e seu rover devem estar em órbita lunar hoje. Eles então tentarão pousar no outro lado da Lua, que será o primeiro do mundo. Esta tentativa de pouso lunar está prevista para o início de janeiro de 2019.

Chang’e 4 é uma versão melhorada do Chang’e 3, que é a primeira sonda chinesa a pousar na lua. O lander e o rover embarcam em muitos experimentos científicos. Eles permitirão estudar os níveis de radiação, as interações entre o vento solar e a superfície lunar, ou fazer radioastronomia imune a sinais terrestres. Um radar penetrante estudará as camadas geológicas e suas composições sob a superfície da Lua.

De certa forma, Chang’e 4 é também uma missão habitada porque um pequeno contenerador incorpora sementes de batata, plantas e ovos de bichos-da-seda. O objetivo é estudar como a baixa gravidade e a radiação afetam as formas de vida.

Programa de exploração lunar chinesa abre para colaborações estrangeiras

– Notícias de 2 de outubro de 2018 –

A China está se preparando para enviar a missão Cheng’e 4 para o Polo Sul da Lua em dezembro. A NASA só está interessada novamente na Lua desde que Donald Trump assumiu o cargo, mas já faz muito tempo desde que a China tem esse objetivo. Essa ambição deve culminar com o lançamento do lançador do Longa Marcha 9 e a possibilidade de enviar vôos tripulados no final da próxima década. Por enquanto, a China está seguindo seu programa espacial de uma forma um tanto isolada, mas isso não significa que o país não esteja aberto à colaboração.

Durante uma conferência do IAC, um funcionário da Agência Espacial Nacional da China (CNSA, na sigla em inglês) anunciou que 10 kg da missão lunar Chang’e 6 serão reservados para colaborações internacionais. Além disso, o satélite de retransmissão de telecomunicações lunar que o país acaba de colocar em órbita pode ser usado por outros países.

Uma nova missão de Chang’e para explorar o pólo sul da lua

– Notícias de 12 de junho de 2018 –

Por mais de dez anos, a China vem conduzindo um programa de exploração da lua chamado Chang’e. No momento, este programa não foi bem sucedido e colocou dois orbitadores, um lander e um rover na superfície da Lua. O programa de Chang’e continuará no final do ano com a missão Chang’e 4, que deverá colocar um lander e um novo rover na Cratera Von Kármán no outro lado da Lua. A partir do ano que vem, a China tentará o primeiro retorno de amostras lunares por mais de 40 anos com a missão Chang’e 5. Essa sequência de missões que consiste em orbitadores, aterrissagens e retornos de amostras foi planejada desde o início dos anos 2000. A agência espacial chinesa é capaz de executar um plano de longo prazo, distribuído por quase 15 anos.

Em um futuro mais distante, a China tem a ambição de levar seus taikonautas à lua com seu foguete gigante no dia 9 de março, cujo desenvolvimento deve terminar por volta de 2030. Em outras palavras, para os chineses, pode ser gasto mais de uma década. entre a última missão robótica e a primeira missão humana à Lua. É por isso que a China está pensando em adicionar novas missões ao seu programa Chang’e para os anos 2020. Estaria explorando o pólo sul da Lua e a China gostaria de fazê-lo em colaboração com a Europa.

A China está agora bastante familiarizada com as missões lunares, seria também uma oportunidade para liderar projetos mais ambiciosos. Em uma conferência nos Estados Unidos da América em março, as autoridades chinesas deram uma visão geral do que a segunda fase do seu programa lunar pode parecer. Está em preparação há três anos e as discussões com a Agência Espacial Europeia já estão em andamento. Seu objetivo principal seria estabelecer uma estação lunar robótica no pólo sul da Lua. A estação lunar seria usada para pesquisar, mas também para preparar a chegada do homem.

O pólo sul da Lua poderia abrigar gelo de água em crateras que nunca são expostas ao sol. Este recurso tornaria o projeto de instalação de qualquer homem muito mais simples. Parte da missão seria ter certeza disso com um rover. Os robôs presentes na estação lunar poderiam fazer uma demonstração de impressão 3D com o regolito lunar, o que poderia ser uma solução para construir parte da infraestrutura necessária para a presença humana com materiais locais. No mesmo espírito, experimentos de extração de gás do regolito lunar serão realizados. A Europa teria a oportunidade de dar alguma consistência ao seu projeto espacial chamado Moon Village.

Mesmo que sejam apenas robôs, uma primeira colaboração com a China permitiria à Europa construir um vínculo de confiança e os protocolos necessários para considerá-los maiores. Essa colaboração pode se tornar uma realidade muito rapidamente porque a Agência Espacial Européia ofereceu sua ajuda na análise das amostras da missão Chang’e 5. A continuação do programa Chang’e também depende do sucesso da missão Chang ‘e 5. O programa da estação lunar será considerado desde que a missão de retorno da amostra esteja indo bem.

Missão Chang’e vai levar batatas e bichos da seda na lua

– Notícias de 9 de janeiro de 2018 –

A Lua se tornou o centro das atenções em 2017, quando a administração Trump decidiu torná-la uma prioridade do programa espacial dos EUA. Mas não é só nos Estados Unidos da América que a Lua é um alvo. Nos últimos anos, a China também tem estado fortemente envolvida na exploração lunar. Pequim espera até um dia lançar missões habitadas na Lua. Antes de chegar lá, eles têm que treinar com missões robóticas. A China tem feito muito trabalho neste lado com as missões Chang’e. O programa chinês de exploração lunar Chang’e já enviou dois orbitadores e um veículo espacial à lua. Todas essas missões foram bem sucedidas. A partir de junho de 2018, uma quarta missão enviará outro veículo espacial ao lado oculto da Lua. Será acompanhado por um orbiter que será colocado no ponto Lagrange L2 do sistema Terra-Lua. Portanto, Chang’e deveria se tornar a mais ambiciosa missão lunar chinesa.

Além de instrumentos científicos que lhe permitirão estudar a superfície da Lua, o veículo irá embarcar em um pequeno cilindro de alumínio contendo sementes e insetos. Especificamente, o recipiente conterá batatas, sementes da planta Arabidopsis e ovos de bichos-da-seda. O objetivo do experimento é montar um ecossistema simples na superfície da Lua. Sementes e batatas emitirão oxigênio através da fotossíntese, enquanto os bichos-da-seda produzirão dióxido de carbono. Os diferentes habitantes do cilindro devem, portanto, poder sobreviver por um tempo. Também será uma oportunidade para observar o comportamento dessas espécies em um ambiente onde a gravidade é baixa. Muitos experimentos em seres vivos já foram conduzidos em microgravidade em estações espaciais, mas a Lua com sua gravidade igual a 16% da da Terra representa um novo ambiente.

O rover terá que cobrir uma região da Lua que ainda não tenha sido visitada por nenhum objeto humano. Esta é a bacia de South Pole-Aitken, que é a maior bacia de impacto da Lua. É também uma das maiores bacias do sistema solar. É o resultado de um impacto cataclísmico na superfície da Lua. Tem 2500 km de diâmetro e 13 km de profundidade. É tão grande que não falamos mais de uma cratera de impacto, mas de uma bacia de impacto. É também de particular interesse para a comunidade científica. A espaçonave Chandrayaan-1 da Índia e, em seguida, a Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA confirmaram que esta região poderia abrigar grandes quantidades de água gelada, tanto que a bacia de South Pole-Aitken é considerada uma das melhores localizações possíveis para uma base lunar. O fato de os chineses terem escolhido esta região para realizar seu programa de exploração é lógico, porque o pólo lunar sul é um lugar onde ocorrem picos de luz eterna. Estes são pontos geográficos onde a luz do sol brilha quase continuamente. Isso representa um grande interesse pela colonização. Ao instalar painéis solares, garantimos um fornecimento de energia estável e sustentável para uma base lunar. Chang’e vai decolar este ano em duas partes. Primeiro o relé de satélite em junho, depois o módulo de aterrissagem que transporta o robô no final do ano.

Imagem pela Administração Nacional do Espaço da China

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?