O programa espacial chinês, China National Space Administration (CNSA) e notícias

China pode se tornar líder do setor espacial em dois anos

– Notícias de 30 de outubro de 2018 –

O setor espacial chinês é muito dinâmico, seja o setor público ou o setor privado. Ontem, um Longa Marcha 2C colocou em órbita um satélite oceanográfico desenvolvido em conjunto pelo CNES e CNSA. Este satélite deve fornecer uma melhor compreensão de como as ondas e o vento funcionam, o que é importante para modelar as interações entre os oceanos e a atmosfera. Foi o 31º lançamento orbital do ano para a China. O recorde de 22 lançamentos em 2016 já foi bastante batido. Mas a China quer ir mais longe. Até o final de 2018, a China deverá realizar de 35 a 40 lançamentos, o que poderá tornar a China a primeira nação em termos de lançamentos orbitais.

Mas tudo não é perfeito. A empresa LandSpace falhou em sua primeira tentativa de lançamento orbital. Parece que o terceiro andar do lançador não funcionou como planejado. Este primeiro lançador chamado Zhuque-1 tem como alvo o mercado Smallsats com capacidade de órbita relativamente baixa. Isso não impede que o LandSpace tenha planos muito mais ambiciosos em paralelo. A empresa, então, quer desenvolver um lançador com capacidade de metano de capacidade média. Mais de 10 outras empresas chinesas estão avançando mais ou menos rapidamente em projetos semelhantes.

O OneSpace deverá concluir o próximo teste de lançamento orbital antes do final do ano. Ontem, vimos um protótipo de teste de um lançador capaz de pousar verticalmente, o que é bastante semelhante ao lançador Grasshopper da SpaceX. Um lançador chinês reutilizável poderia chegar mais rápido do que acreditamos. Paralelamente, o governo chinês continua a conduzir um programa extremamente ambicioso, especialmente no lado do voo tripulado. Nos últimos dias, vimos nas redes sociais algumas fotos do módulo Tianhe que será o núcleo da próxima estação espacial chinesa. Este módulo tem um comprimento de quase 17 metros e um diâmetro máximo de mais de 4 metros. Espera-se que seja lançado em 2020 a bordo de um foguete Long March 5B.

A China quer aproveitar essa nova estação espacial para impulsionar suas colaborações internacionais. Espera-se que uma espaçonave Shenzhou embarque em um astronauta paquistanês até 2022, e mais de 30 equipes internacionais já se candidataram para enviar suas cargas a bordo da nova estação espacial chinesa. A China continua a se concentrar no objetivo lunar. Em uma apresentação que ocorreu há uma semana, pudemos distinguir em uma foto uma estação espacial em órbita lunar e um módulo de descida com arquitetura original.

Para o objetivo do planeta Marte, a China parece estar mantendo os prazos para o seu rover marciano, que deve ser lançado em 2020. Os pára-quedas e o sistema de retrofoguetes que devem permitir uma aterrissagem no planeta vermelho foram testados com sucesso. O pouso em Marte é um desafio muito maior do que na Lua, e é por isso que metade das missões marcianas foram fracassadas. Em dois anos, veremos se os chineses são capazes de cumprir seus objetivos. A missão vai embarcar 13 instrumentos científicos distribuídos entre o veículo e o veículo da missão.

Nos próximos dois anos, a agência espacial chinesa lançará voos tripulados, uma nova estação espacial, várias missões lunares e uma missão ao planeta Marte. Se as promessas do setor privado também forem mantidas, a China pode se tornar líder no setor espacial.

Programa espacial chinês navega entre dinamismo e contrariedades

– Notícias de 2 de outubro de 2018 –

A China está se tornando uma grande nação espacial. Em 2018, a China já fez 26 lançamentos orbitais sem falhas. Este é mais dois lançamentos do que os Estados Unidos da América, apesar dos freqüentes lançamentos de foguetes SpaceX. É proibido para a NASA e todas as empresas do setor espacial americano colaborarem com a China. Apenas o Congresso dos EUA pode impedir essa proibição. A China está desenvolvendo vários programas espaciais ao lado do foguete espacial Longa Marcha 9. Por exemplo, dias recentes viram o desenvolvimento do Long March 6-X, um novo lançador reutilizável.

O setor privado também é muito ativo. O último dos 26 lançamentos orbitais da China foi feito pela empresa ExPace com seu foguete Kuaizhou 1A, um lançador de luz dedicado ao Smallsats. Mas a ExPace espera fazer o primeiro lançamento de um lançador mais pesado chamado Kuaizhou 11 (KZ-11) antes do final do ano. A empresa planeja sete lançamentos adicionais até o final de 2019.

Muitas outras start-ups chinesas devem lançar seu primeiro lançamento orbital nos próximos meses e anos. No final de outubro, a LandSpadce poderia se tornar a primeira empresa chinesa a alcançar a órbita com financiamentos inteiramente privados. Seu lançador chamado Zhuque-1, também chamado de LandSpace-1, colocará em órbita um pequeno satélite de observação da Terra. Em 2020, a LandSpace espera lançar no mercado um lançador mais potente que queima metano e potencialmente reutilizável, chamado Zhuque-2 (ZQ-2). Quinta-feira passada, eles fizeram um teste do motor que irá equipar este novo lançador.

OneSpace, outra empresa privada chinesa, fez seu segundo lançamento suborbital em setembro. O OneSpace está desenvolvendo uma série de lançadores para o Smallsats, o primeiro dos quais poderia ser testado no quarto trimestre.

Se tudo correr como planejado, três empresas privadas chinesas terão capacidade orbital antes do final do ano. O contraste é impressionante quando comparado ao que está acontecendo no Ocidente, onde o Rocket Lab está tendo problemas para fazer seu segundo lançamento e outras companhias espaciais privadas parecem estar atrasadas. Mas nem tudo é ideal no programa espacial chinês. Os lançamentos do Longo 5 de março, um foguete crucial para o programa espacial do governo, serão adiados para 2019. Isso significa que a nova estação espacial Tiangong 3 e a missão de retorno lunar Chang’e 5 também serão adiadas. .

Além disso, um escândalo eclodiu na China sobre diferenças salariais entre os setores público e privado. Novas empresas espaciais pagariam seus pesquisadores e engenheiros quase dez vezes mais do que as agências públicas, o que poderia levar a uma escassez de talentos entre os contratados do governo e a uma desaceleração geral nos programas de foguetes espaciais Long March.

CNSA aumenta lançamentos de foguetes

– Notícias de 10 de julho de 2018 –

A China estabelecerá novos recordes para lançamentos de foguetes. Em janeiro, o China National Space Administration (CNSA) anunciou planos para realizar cerca de 40 lançamentos de foguetes em 2018. No momento, o ritmo está sendo mantido. Este alto ritmo permite que a China esteja presente em todos os lugares: observação da Terra, sistema de navegação por satélite, exploração da Lua e de Marte, vôos tripulados, estação espacial … Além disso, os esforços da CNSA são apoiados por uma indústria privada florescente: Up One Space realizado em maio passado o primeiro tiro suborbital de um dos seus foguetes, enquanto outra empresa chinesa acaba de ser financiado US $ 90 milhões para desenvolver o seu lançador. Entre a multiplicidade de projetos que estão surgindo na China, dois projetos do China National Space Administration são estratégicos: o super pesado lançador Long March 9 (Chang Zheng-9) e o foguete reutilizável Long March 8 (Chang Zheng-8).

Em uma conferência, um designer revelou que o Long March 9 terá um primeiro andar de 10 metros de diâmetro, que é mais largo que o BFR da SpaceX ou o SLS da NASA. Esta largura é comparável com a largura do Saturno 5. Além disso, o foguete será equipado com quatro boosters com um diâmetro de 5 metros cada. O Long March 9 terá uma largura de 20 metros, para uma altura de 93 metros. O conjunto terá uma massa total de 4.000 toneladas na decolagem e será movido por motores que desenvolvem 6000 toneladas de empuxo. Isso permitirá que o lançador coloque 140 toneladas de carga útil em órbita baixa, 50 toneladas em órbita de transferência para a lua ou 44 toneladas em órbita de transferência para Marte. O foguete será usado para uma missão para devolver amostras marcianas e para vôos tripulados para a Lua. A CNSA está ciente do escopo do projeto e se entrega até 2030 para fazer um primeiro vôo.

Long March 8 deve chegar muito mais rápido. Este lançador é a primeira tentativa da CNSA de desenvolver um foguete reutilizável como o SpaceX. Long March 8 é um lançador de capacidade média que usará dois boosters em pó. O primeiro andar e os dois reforços provavelmente serão recuperados aterrando verticalmente. Boosters vão ficar colados no primeiro andar. O Long March 8 poderá ser lançado já em 2021 e será oferecido no mercado comercial internacional. Os preços propostos pelo AAAA devem ser muito baixos, o que aumentaria ainda mais o ritmo de lançamento.

China vai lançar mais foguetes do que a Rússia já em 2018

– Notícias de 16 de janeiro de 2018 –

A China é uma potência crescente em todas as áreas. Isso também é verdade no campo espacial. A China tem um ambicioso programa espacial, cuja parte científica aposta nas estações espaciais tripuladas e na exploração lunar. Em 2017, a China lançou 18 foguetes orbitais, colocando-a em terceiro lugar no mundo, atrás dos Estados Unidos e da Rússia. Mas, em 2018, a China espera lançar 40 foguetes, colocando-os à frente de Moscou e talvez até mesmo na frente dos Estados Unidos, se a SpaceX não respeitar o ritmo anunciado. Em 2018, os chineses deveriam novamente usar o pesado lançador Longa Marcha 5, que havia falhado durante seu segundo vôo no verão passado. No entanto, é um foguete muito importante para a China, porque é o que deve colocar em órbita os diferentes módulos da nova estação espacial chinesa. É também aquele que deve lançar as missões de exploração lunar Chang’e.

Todos esses lançamentos não são feitos pelo governo chinês. Como o resto do planeta, a China está deixando mais e mais empresas privadas lançarem seus foguetes. Um deles, a LandSpace Technology, deve lançar seu foguete LandSpace-1 pela primeira vez este ano. LS-1 deve ser comercializado em todo o mundo. Um primeiro contrato de lançamento com uma empresa dinamarquesa foi assinado. O LandSpace-1 terá uma capacidade de uma tonelada na órbita baixa da Terra. Mas o LandSpace já está trabalhando em um foguete mais potente capaz de competir com o Ariane 5 e o Falcon 9. Outro importante avanço para os chineses, dez satélites da constelação de Beidou deve ser lançado este ano. Beidou é o equivalente chinês do GPS americano. A título de comparação, a Europa lançará apenas quatro satélites da constelação do Galileo durante o mesmo período.

O rosto da indústria espacial está mudando profundamente. Durante décadas, russos e americanos compartilharam a maioria dos lançamentos, enquanto Ariane permitiu que a Europa brilhasse na frente comercial. A proliferação de países e empresas envolvidas no setor espacial deve levar a um mercado muito mais competitivo e fragmentado nos próximos anos. A concorrência muitas vezes gera inovações.

China e França colaboram para criar um satélite

– Notícias de 7 de novembro de 2017 –

A China está se abrindo para colaborações internacionais. Este ainda é o caso da apresentação do satélite CFOSAT, um satélite franco-chinês resultante da colaboração entre o CNES e o seu homólogo chinês. É um satélite de estudo climático que observará as interações entre os oceanos e a atmosfera da Terra. Os dois centros de estudo projetarão cada um dos instrumentos que equiparão o satélite, que será lançado no ano que vem em um foguete de 2 de março. O satélite está programado para uma missão de três anos.

Além do interesse científico do programa, CFOSAT ilustra perfeitamente a aproximação da China com organizações internacionais e com a França em particular. De fato, embora o satélite tenha sido apresentado apenas no mês passado, o projeto começou há dez anos. E não é o único desse tipo. Em abril, as agências espaciais europeias e chinesas confirmaram discutir a possibilidade de uma base lunar comum. A ESA espera ser capaz de realizar análises sobre as amostras lunares que serão trazidas de volta pela sonda Chang’e 5, que foi adiada para 2019. Finalmente, os europeus seriam a favor de enviar um ou dois astronautas para o futuro chinês. estação Espacial. Mas a verdadeira questão é se a colaboração sino-americana é possível.

Ambos os poderes estão de olho na lua, com programas de vôo tripulados em desenvolvimento. Mas atualmente é impossível para a China e a NASA colaborarem. Em 2011, o Congresso dos EUA aprovou um decreto que formalmente proíbe qualquer colaboração entre a NASA e a China. Pode-se ser otimista e dizer que nada impede que um decreto seja revogado. Por exemplo, os Estados Unidos da América agora cooperam com a Rússia no setor espacial depois de décadas de rivalidade. Como sempre, a solução só pode vir de uma forte vontade política.

Também será interessante ver como a Europa se posicionará contra os ambiciosos programas de outras agências espaciais. Será que ambos podem trabalhar no LOP-G com os Estados Unidos da América e em um projeto básico lunar com a China, sem que os dois programas sejam vinculados? Parece absurdo e talvez a Europa tenha que fazer uma escolha.

Fontes

Fique ligado ao espaço

Você também deve estar interessado