Tudo sobre CubeSats e novidades

Um CubeSat japonês impactará a Lua em 2020 ou 2021

– Notícias de 12 de maio de 2019 –

No ano passado, CubeSats MarCO-A e MarCO-A seguiram o InSight em direção a Marte. Estes são os primeiros CubeSats que fizeram uma missão interplanetária. Perdemos contato com eles no começo do ano. Este primeiro sucesso inspira todas as agências espaciais do mundo. Muitos CubeSats logo voarão ou orbitarão vários corpos do sistema solar interior.

JAXA, a agência espacial japonesa, acha que o CubeSats também pode impactar ou pousar em um corpo celeste. Em 2020 ou 2021, a espaçonave Orion partirá para uma missão não tripulada ao redor da Lua. Deve embarcar em uma dúzia de CubeSats. Entre eles, haverá o semi-impactor OMOTENASHI. Este CubeSat japonês de 6 unidades e pesando 14 quilos será largado em uma trajetória de impacto, sem uma órbita anterior. Embarcará um pequeno motor e quatro quilos de propulsores. Este motor terá que desacelerar o OMOTENASHI até uma parada completa a algumas centenas de metros de altitude. O pouso minúsculo deve terminar sua viagem em queda livre. O impacto final será absorvido por um airbag.

Se tudo funcionar, um módulo muito pequeno de 700 gramas poderá usar seu transmissor de rádio para confirmar o pouso na lua. A missão também deve ser capaz de produzir alguma ciência. Os acelerômetros colocados no CubeSats estudarão o impacto, que deve fornecer algumas informações sobre as propriedades mecânicas da superfície da Lua. OMOTENASHI também poderia fazer medições das radiações terrestres.

Talvez CubeSats semelhantes sejam levados por enormes sondas espaciais para o sistema solar externo. Eles poderiam receber as missões mais perigosas sem colocar em risco a missão principal, como cruzar os gêiseres de Enceladus ou tentar tocar a superfície de Europa. Se o retorno científico é promissor, uma agência espacial poderia tentar desenvolver tal missão.





Novo propulsor do CubeSat poderia revolucionar a exploração espacial

– Notícias de 14 de agosto de 2018 –

Em maio passado, o lander Insight partiu para Marte. Ele embarcou dois CubeSats responsáveis ​​por retransmitir suas comunicações durante o pouso no planeta vermelho, MarCO-A e MarCO-B. Estes são os primeiros CubeSats encarregados de uma missão interplanetária. Eles vão avaliar o que é possível com este formato de satélite. Os CubeSats medem algumas dezenas de centímetros e geralmente pesam menos de 20 quilos. Isso significa que eles são economicamente interessantes. Até agora, eles foram lançados na órbita baixa, mas eles poderiam acelerar a exploração do sistema solar. É por isso que muitas equipes científicas estão monitorando de perto a jornada da MarCO-A e da MarCO-B a Marte por vários meses no espaço profundo.

Com um tamanho tão pequeno, os CubeSats são, no entanto, muito vulneráveis ​​à radiação. O isolamento térmico é limitado, o que não permite enfrentar as grandes variações de temperatura que existem no espaço. Não há espaço para um sistema de navegação sofisticado, nem para grandes painéis solares. Os meios para se comunicar com a Terra também são muito limitados. Criar um CubeSat pequeno e leve impõe grandes sacrifícios em termos de desempenho. A NASA conseguiu desenvolver uma arquitetura de missão adequada. Ambos os CubeSats ainda precisam sobreviver até novembro para cumprir sua missão. No entanto, isso abre o caminho para outros CubeSats que poderiam ser lançados mais tarde, além da órbita da Terra. Na Universidade de Hampton, nos Estados Unidos da América, uma equipe já está trabalhando em um CubeSat para estudar a atmosfera de Urano ou Netuno. Poderia juntar-se a uma missão espacial maior para cumprir seus próprios objetivos. As missões espaciais mais ambiciosas ainda precisam de esforços significativos de miniaturização, mas
tornar-se cada vez mais realista todos os anos.

O principal desafio que os CubeSats enfrentam na esperança de realizar missões interplanetárias é sua propulsão. Sem um motor de foguete dedicado, eles não podem esperar fazer correções de curso, o que limita severamente seu potencial de missão. Mas, deste lado, também surgem soluções. A Exploração Estelar está em processo de finalização de um propelente que queima hidrazina e peróxido de nitrogênio. A Exploração Estelar diz que o propulsor pode permitir que um CubeSat de 28 quilos mude sua velocidade em 2 quilômetros por segundo. O motor foi desenvolvido com financiamento da NASA, que está muito interessado em suas possibilidades. Assim, poderia equipar uma missão espacial a partir de 2022. É nesta data que a agência espacial americana lançará a missão Psique encarregada de explorar o cinturão de asteróides. A sonda usará a propulsão iônica para atingir seu alvo, mas a caminho, ela sobrevoará o planeta Marte. Poderia então aproveitar a oportunidade para soltar um CubeSat equipado com um sistema de propulsão Stellar Exploration. Apesar de seu pequeno tamanho, o CubeSat seria capaz de entrar em órbita marciana de forma autônoma.

CubeSats e Smallsats já estão revolucionando o uso da órbita da Terra e podem revolucionar a exploração espacial. Talvez em cerca de dez anos, a maioria das missões interplanetárias seja atribuída a sondas de algumas dezenas de quilos.

CubeSats será usado para explorar o espaço

– Notícias de 28 de novembro de 2017 –

O tamanho do CubeSats limita as opções de propulsão e carga que eles podem embarcar. Mas isso não significa que não possamos usá-los para criar missões básicas, mas muito econômicas. Este é o ponto de vista da Agência Espacial Européia, que está projetando sua primeira sonda científica para uma missão além da órbita baixa com um CubeSat. Chamado de M-Argo, será um grande cubo de 22 cm de lado e 34 cm de comprimento. Sua missão seria estudar um asteróide.

O alvo escolhido seria um grupo de asteróides compostos de pequenos corpos girando muito rápido em si mesmos. Graças a essa rotação, eles se livrarão da poeira normalmente encontrada nesses objetos, o que já faz dele um alvo interessante. Para resolver o problema da propulsão, o CubeSat M-Argo seria um passageiro de um satélite. Ele então iria para o alvo usando seu próprio sistema de propulsão elétrica. A mini-espaçonave estudaria seu alvo com dois instrumentos, um imageador multi-espectral e um altímetro a laser.

O uso de um CubeSat para essa missão tem várias vantagens. Primeiro de tudo, há o preço baixo, porque o menor quilo custa uma fortuna para enviar no espaço, ainda mais se formos além da órbita baixa. Com o CubeSats, é possível reduzir o custo de explorar o espaço profundo por um fator de 10. Além disso, podemos imaginar outros tipos de missões. É possível manter um grande número de CubeSats em um foguete espacial. Para asteróides, esta é a oportunidade de realizar estudos quantitativos, porque, em vez de explorar um asteroide, podemos nos dar ao luxo de estudar 10 ou 20 asteróides com o mesmo número de CubeSats.

Antes que M-Argo e outras missões similares comecem sua missão, ainda há trabalho a ser feito. A miniaturização de sua propulsão e seus meios de comunicação ainda estão em fase experimental. Os engenheiros da ESA acreditam que o M-Argo pode estar pronto em 2021. Será então necessário que uma missão lhe seja confiada a altitudes muito elevadas, isto é, para o ponto de Lagrange. É sabido que a NASA está em uma lógica similar com o SmallSat Studies, que desenvolverá missões para CubeSats além da órbita baixa e para todas as missões de exploração do espaço profundo.

CubeCab quer trazer flexibilidade aos clientes da CubeSats

– Notícias de 5 de setembro de 2017 –

O mercado de microssatélites, o CubeSats, explodirá na próxima década. Para atender a essa necessidade, novas ofertas estão surgindo. Por enquanto, os CubeSats são lançados em clusters. Requer uma carga útil principal ou secundária de várias dezenas de microssatélites para justificar um lançamento com um foguete tradicional. Mas muitas vezes leva anos para conseguir carga suficiente na órbita escolhida para justificar o lançamento.

O CubeCab foi criado para fornecer soluções para esse problema. A CubeCab quer comercializar um lançador especializado em órbitas CubeSats, com a possibilidade de lançar microssatélites por unidade. Isso reduzirá em alguns anos o atraso entre o projeto do satélite e seu lançamento em órbita. Serão meses em vez disso. Para que a empresa tenha sucesso, é claro que o custo de lançamento é moderado. Os atores que usam o CubeSats geralmente fazem isso porque não podem pagar por um grande satélite. Para conseguir isso, o CubeCab quer desenvolver um pequeno foguete impresso principalmente em 3D. Poderá colocar uma carga de 5 kg em baixa órbita.

É necessário contar com o enorme progresso da miniaturização que se realizou nos últimos anos. É graças a esses avanços que mais e mais pessoas estão interessadas no CubeSats, enquanto no início elas eram usadas principalmente para programas de pesquisa de baixo custo. Eles estão tendo uso comercial real. Eles também permitem que muitos países com meios limitados acessem o setor espacial. Por exemplo, os primeiros satélites nacionais da Mongólia ou Eslováquia foram CubeSats.

O CubeCab tem várias vantagens: reduzir o tempo de colocação em órbita do satélite e colocá-lo na órbita exata desejada pelos clientes. De fato, os CubeSats são, no momento, na melhor das hipóteses, cargas secundárias toleradas no lançamento de um satélite maior. Quando você quiser lançar um CubeSat, é necessário incorporá-lo ao lançamento de outro satélite, tentando ficar o mais próximo possível da órbita desejada. A capacidade de escolher com precisão a sua órbita deve atrair muitos clientes. A terceira vantagem que o CubeCab quer oferecer aos seus clientes é um preço muito inferior ao de um lançamento com um foguete convencional. A empresa planeja realizar várias centenas de lançamentos por ano.

Imagem da NASA [Domínio Público], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?