Tudo sobre a colonização do planeta Marte e notícias

mars colonization

Projetos de colonização de Marte foram imaginados desde muito tempo

No início da história do voo espacial, Marte era o centro das atenções. Já em 1948, Wernher von Braun, um dos pioneiros da astronáutica moderna, está pensando em um programa de missões para o Planeta Vermelho. Mesmo antes do primeiro vôo espacial, seu livro Das MarsProjekt planeja enviar uma equipe de 70 cientistas em uma frota de dez espaçonaves. Ele calcula as possíveis trajetórias e o lançamento diferente dos motores que seriam necessários para essa viagem, de acordo com as expedições da exploração antártica da época.

mars colonization

Tal missão a Marte parece quase grotesca hoje porque obviamente Wernher von Braun não poderia antecipar que o enorme progresso da robótica nos permitiria explorar Marte a um custo menor. Hoje, sabemos muito mais sobre Marte, mas as ambiciosas missões imaginadas pelo engenheiro alemão nunca viram a luz do dia. No entanto, a ideia volta regularmente ultimamente. A SpaceX, uma empresa privada, planeja tornar possível a colonização marciana. A viagem tripulada a Marte é muito complexa. Até a NASA não parece acreditar. Se a humanidade decide um dia deixar permanentemente seu berço, Marte representa necessariamente o melhor dos destinos?

Transporte, o primeiro desafio da colonização de Marte

Suponha que a SpaceX consiga enviar dezenas de homens para Marte em um futuro não muito distante. A primeira questão da colonização marciana é o transporte. A solução da empresa dos EUA é baseada em naves espaciais reutilizáveis ​​muito grandes, os BFRs, que tornariam a viagem ao planeta vermelho em grande número em cada janela de disparo, aproximadamente a cada dois anos. Essas naves espaciais funcionariam sem a necessidade de avanços tecnológicos: o BFR é um foguete reutilizável com propulsão química, que é um pouco mais próximo da visão de Wernher von Braun.

spacex starship super heavy

O programa de missões da SpaceX faz algumas escolhas para tornar a jornada possível, incluindo a produção local de combustível. Esse detalhe torna o projeto da SpaceX muito diferente do que as missões Apollo ou a maioria dos projetos de exploração marciana podem ter sido. A colonização marciana não é apenas uma opção permitida pela viagem, torna-se necessária para ela. Sem a implantação da infraestrutura de produção local, não há retorno possível na Terra.

Marte poderia ser o posto de gasolina para o cinturão de asteróides

Mas há um problema: se formos a Marte para estabelecer uma colônia e estabelecer uma colônia para nos certificarmos de que poderemos voltar, que benefícios concretos haveria para a humanidade ir estabelecer em outro planeta e por que Marte em particular? Elon Musk, o fundador da SpaceX, parece primariamente preocupado em salvaguardar a espécie humana, assegurando que a humanidade prospere em pelo menos dois planetas. É uma espécie de garantia contra o risco de extinção: se um desses dois planetas passar por um grande desastre, o outro pode sobreviver. Mas uma oportunidade econômica é necessária para que a colonização de Marte seja mais do que uma fantasia.

Deste lado, se olharmos para a geografia do sistema solar, Marte pode ter argumentos para um fabricante do futuro em busca de matérias-primas valiosas. O cinturão principal de asteróides é muito interessante: ele abriga muitos metais e materiais preciosos facilmente acessíveis. Marte está exatamente entre o cinturão de asteróides e a Terra. Um pouco como as cidades que se desenvolveram ao longo dos trilhos do trem, Marte poderia se tornar um passo obrigatório entre a Terra e seu novo El Dorado. Graças à sua baixa gravidade, ele poderia, por exemplo, servir como ponto de partida para homens ou robôs deixados para explorar o cinturão de asteróides. Essas são, obviamente, perspectivas de longo prazo.

Os desafios enfrentados pelos colonos marcianos

Se a SpaceX conseguir atingir suas ambições, seus primeiros passageiros terão preocupações muito mais imediatas. Como todos os objetos do sistema solar fora da Terra, Marte é atrozmente hostil à vida humana. Sua temperatura média gira em torno de -60 graus Celsius e sua baixa pressão atmosférica proíbe a vida fora de um ambiente controlado. Essa atmosfera é tão concentrada em CO2 que respirar envenenaria um humano e até plantas. Marte não tem uma magnetosfera, então grandes quantidades de radiação caem em sua superfície. E não temos absolutamente nenhuma ideia do que sua baixa gravidade causaria a longo prazo em organismos humanos.

Se você quiser ir a Marte, aqui estão algumas boas notícias: um dia marciano dura exatamente 24 horas, 39 minutos e 35 segundos. Seu ciclo de sono não deve ser muito perturbado. Há água em Marte, assim como todos os elementos químicos necessários para a vida. Podemos também pensar que Marte acolheu a vida no passado distante. E uma atmosfera fraca e a gravidade permanecem melhores que nenhuma atmosfera e nenhuma gravidade.

Antes da partida para Marte, muitos problemas tecnológicos para resolver

Nós ainda não sabemos muito sobre os planos de colonização da SpaceX. A empresa planeja um primeiro vôo robótico em 2022 e um primeiro voo tripulado em 2024, mas os prazos anunciados por Elon Musk raramente são respeitados. O objetivo do voo robótico é garantir que a produção local de propulsores seja possível. Devemos ter uma resposta antecipada com o rover da NASA de março de 2020 que incorpora um experimento chamado Mars Oxygen In-Situ Resource Utilização Experimento (Moxie). Este experimento tem que produzir oxigênio a partir da atmosfera marciana. A SpaceX confia nos recursos de água e dióxido de carbono do planeta vermelho para produzir oxigênio e metano, graças a uma mistura hábil de eletrólise e reação de Sabatier.

Para tornar isso possível, é preciso muita energia, o que é outro problema. Marte está longe o suficiente do sol para reduzir a produção de painéis solares. Também é regularmente coberto por enormes tempestades de poeira que não melhoram a situação. Idealmente, a energia nuclear forneceria a melhor alternativa, mas a preferência da SpaceX por soluções já comprovadas é bem conhecida. Mas, para produzir e armazenar as milhares de toneladas de propelente necessárias para a viagem de retorno, seria necessário instalar um grande número de painéis solares. Também é necessário alimentar os sistemas de sobrevivência dos passageiros da missão. Se os primeiros colonos marcianos vêm a Marte a partir de uma espaçonave SpaceX ou de outra empresa, a produção local de energia é um dos maiores problemas.

Os tubos de lava de março podem abrigar colonos marcianos

O ambiente de Marte é hostil, mas ainda oferece algumas oportunidades. Por exemplo, o problema da radiação poderia ser resolvido simplesmente indo até a superfície de Marte. Para isso, não há necessidade de perfuração cara: o vulcanismo do planeta vermelho já fez o trabalho. Acredita-se que Marte abriga tubos de lava, grandes corredores subterrâneos e ocos formados por fluxos de lava devido à baixa gravidade do planeta. Estes tubos de lava poderiam ser muito maiores do que os encontrados na Terra, o que permitiria a instalação de vastos habitats protegidos da radiação e micro-meteoritos. A temperatura seria mais fácil de controlar.

mars colonization

Para fins de colonização, a produção local de um máximo de elementos deve ser permitida: propelentes, mas também alimentos, por exemplo, e por que não materiais de construção. Produzir alimentos em Marte não é fácil: precisamos fertilizar o solo tóxico do planeta e cultivar sementes e plantas em uma atmosfera controlada e com um suprimento suficiente de luz. Marte, no entanto, poderia ser um pouco mais fértil do que pensamos: um experimento conduzido pelo Centro Espacial Alemão descobriu que o líquen coletado na Antártica era capaz de sobreviver em um ambiente marciano.

A colonização de Marte será demorada, mas poderá ser acelerada

Se os colonos marcianos conseguirem garantir sua sobrevivência de forma sustentável, e até mesmo tirar certa independência da Terra, eles poderão então estabelecer uma economia produtiva. Mas o investimento inicial para chegar a esse resultado parece gigantesco se comparado ao possível retorno do investimento. É um projeto que levaria gerações para se tornar lucrativo, o que não é o tipo de perspectiva que empresas privadas gostam.

mars colonization

Uma maneira de facilitar isso seria moldar parcialmente o planeta, ou seja, não torná-lo completamente idêntico à Terra, mas modificar alguns de seus parâmetros específicos, como a ausência de um campo magnético. Em fevereiro de 2017, Jim Green, cientista da NASA, desenvolveu um conceito: um dispositivo magnético muito poderoso instalado no ponto L1 Lagrange do sistema Sun-Marte incluiria Marte em sua magnetosfera. Assim protegida do vento solar, a atmosfera de Marte se tornava mais espessa e sua temperatura aumentava, talvez até para tornar possível a água líquida na superfície.

O que é certo é que o planeta vermelho continuará nos fazendo sonhar por muito tempo. É muito difícil prever o futuro que a humanidade concederá a Marte: entre as iniciativas privadas, por um lado, e os planos mutáveis ​​das agências espaciais, por outro, parece impossível saber quem colocará os pés em primeiro lugar no planeta vermelho e, especialmente, quando . O que é certo é que a colonização marciana representará um importante ponto de virada na história da humanidade.

Imagens por
– SpaceX
– Chesley Bonestell
– NASA / Clouds AO / SEArch [Domínio Público], via Wikimedia Commons
– NASA Ames Research Center (domínio público), via Wikimedia Commons
– Daein Ballard [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons





Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?