Tudo sobre a missão BepiColombo da ESA e notícias

BepiColombo testa com sucesso seus motores iônicos

– Notícias de 11 de dezembro de 2018 –

A missão euro-japonesa BepiColombo acaba de iniciar com sucesso seus motores iônicos, os mais poderosos que foram instalados no espaço. Esta primeira ignição segue um período de testes intensivos que demonstraram que os quatro motores utilizados pelo módulo de propulsão funcionam muito bem. Eles permitirão que o BepiColombo alcance o planeta Mercúrio após sete longos anos de viagem. Mesmo com potência máxima, cada um desses motores fornece um impulso aproximadamente equivalente à força que você sente quando coloca uma bateria na mão.

O interesse da propulsão iônica não é seu poder, é sua extrema eficiência. Com a mesma quantidade de propulsor, a propulsão iônica é capaz de fornecer muito mais aceleração do que um foguete químico. Só precisa de muito mais tempo. Durante as várias fases de propulsão da missão, os motores BepiColombo poderão operar continuamente por vários meses.

O lançamento da missão BepiColombo é um sucesso

– Notícias de 21 de outubro de 2018 –

O lançamento da sonda espacial BepiColombo por um foguete Ariane 5 ocorreu com sucesso na noite de sexta a sábado. O lançador europeu deu o primeiro ímpeto de uma longa jornada. A missão euro-japonesa BepiColombo voa para Mercúrio. Pode parecer um destino distante, mas serão necessários sete anos de viagem antes que BepiColombo entre na órbita do primeiro planeta do sistema solar.

De fato, uma trajetória direta entre a Terra e Mercúrio seria extremamente gananciosa em propelente. Seria necessário acelerar a sonda espacial a 5,5 quilômetros por segundo da Terra e, principalmente, diminuir a velocidade em 7 quilômetros por segundo ao chegar ao destino. Isso é impossível sem usar uma sonda espacial enorme e um lançador igualmente imponente. Para manter o orçamento da missão sob controle, as agências espaciais européias e japonesas decidiram usar muitas manobras de assistência gravitacional. BepiColombo fará muitas passagens ao redor da Terra, Vênus e Mercúrio para reduzir gradualmente sua velocidade.

Mercúrio é um planeta muito difícil de alcançar. É por isso que o Mercúrio é um planeta pouco conhecido. Antes de BepiColombo, apenas uma outra missão espacial conseguiu se colocar em órbita de Mercúrio, é a sonda espacial americana Messenger. BepiColombo tentará descobrir por que este planeta é tão denso em comparação com outros planetas telúricos, como um objeto tão pequeno poderia ter mantido um campo magnético, ou ele contém água gelada em suas crateras que nunca são expostas ao sol. Talvez tenhamos um começo de resposta a essas perguntas a partir do final de 2025.

BepiColombo estará em órbita de Mercúrio em 2025

– Notícias de 18 de julho de 2017 –

Mercúrio é o planeta mais próximo do nosso sol. Apenas duas sondas espaciais da NASA foram para a exploração de Mercúrio até agora. A Agência Espacial Europeia revelou a missão BepiColombo. Esta missão será lançada em outubro de 2018. A missão BepiColombo é composta por duas sondas espaciais que irão para o Mercury. O primeiro, desenvolvido pela ESA, será responsável pelo estudo da atmosfera de superfície e subsolo do pequeno planeta árido, enquanto outro orbitador desenvolvido pela JAXA se encarregará de estudar o campo magnético e a exosfera do planeta. Os dois satélites irão juntos para Mercúrio e se separarão uma vez em órbita.

Todos os elementos da missão acabaram de concluir seu último teste e estão prontos para ir. Embora Mercúrio não esteja tão distante quanto os gigantes gasosos, a viagem ainda será longa: levará sete anos entre o lançamento das duas sondas espaciais por um Ariane 5 no próximo ano, e a chegada delas em órbita de Mercúrio em 2025. A sonda espacial terá que frear consideravelmente para poder ser capturada pela gravidade de Mercúrio.

Uma missão para Mercúrio requer mais energia do que uma missão a Plutão. O cenário em órbita ao redor de Mercúrio será um verdadeiro feito: o BepiColombo terá que executar nove manobras de assistência gravitacional ao redor da Terra, Vênus e Mercúrio antes de poder entrar em órbita. Ele será equipado com um motor iônico que funcionará por um longo tempo, uma vez que a sonda espacial estará em órbita.

A missão deve durar um ano, porque as duras condições que cercam Mercúrio podem danificar rapidamente a sonda espacial. De fato, com uma temperatura de até 400 graus, é um verdadeiro desafio operar todos os instrumentos eletrônicos da missão. Uma boa parte do peso das sondas espaciais consistirá, portanto, em proteções térmicas, isoladores e radiadores de calor. Apesar de todas essas dificuldades, a exploração de Mercúrio é essencial: ele aprenderá mais sobre nosso sistema solar e Mercúrio está em uma órbita idêntica à maioria dos exoplanetas que descobrimos hoje. Entender melhor Mercúrio é, portanto, também melhor entender esses planetas.

Copyright spacecraft: ESA/ATG medialab; Mercury: NASA/JPL
Original footage by ESA/CNES/Arianespace

Fontes

Fique ligado ao espaço

space shop


Você também deve estar interessado