Tudo sobre a Estação Espacial Internacional (ISS) e notícias

iss international space station

Nova doca na Estação Espacial Internacional

– Notícias de 27 de agosto de 2019 –

Uma espaçonave de carga Dragon lançada em 25 de julho permitiu a instalação de uma nova doca na estação espacial internacional, e é aqui que as novas naves tripuladas americanas, chamadas Crew Dragon e CST-100 Starliner, podem atracar. Data dos primeiros vôos tripulados dessas duas naves espaciais, mas certamente devemos apostar em 2020.





A estação espacial internacional (ISS) tem 20 anos !

– Notícias de 27 de novembro de 2018 –

Em 20 de novembro, a Estação Espacial Internacional comemorou seu 20º aniversário. Foi de fato nesta data em 1998 que o primeiro módulo foi colocado em órbita. Como muitos projetos espaciais, o ISS excederá em muito seu tempo de vida inicial. Os primeiros elementos foram montados por um período de vida de 15 anos.

A construção desta superestrutura espacial exigiu os esforços de 15 nações por décadas. É ao mesmo tempo um feito tecnológico, científico e diplomático. 232 astronautas de 18 nacionalidades diferentes ficaram a bordo da ISS. Os impactos científicos dizem respeito a muitas áreas: estudo do corpo humano sem peso, observação da Terra, criação de cristais de proteína para pesquisa farmacêutica, melhoria de materiais, estudo de radiação cósmica e muitas outras áreas.

Desde novembro de 2000, a estação espacial está permanentemente ocupada. A ISS voa em órbita baixa a cerca de 400 quilômetros de altitude e cerca de 28.000 km / h. Isso permite que a ISS faça um tour da Terra a cada 90 minutos. A estação espacial internacional é regularmente abastecida por naves espaciais de carga de três continentes. No momento, apenas naves espaciais russas da Soyuz são capazes de levar uma tripulação para lá. Espera-se que isso mude no próximo ano com o lançamento do Crew Dragon da SpaceX e da CST-100 Starliner da Boeing.

O futuro da ISS, no entanto, é incerto, especialmente desde que a administração Trump revelou seu desejo de transferir as responsabilidades americanas da ISS para o setor privado. Essa transição ocorreria em 2025. É difícil imaginar como um ator privado poderia se beneficiar da estação espacial, que não foi projetada para essa finalidade.

As nuvens de meteoros são um risco baixo para a ISS

– Notícias de 9 de setembro de 2018 –

Quando a Terra atravessa uma nuvem de meteoros, a ISS também atravessa essa nuvem. Os riscos ainda são baixos. Em 2010, um especialista da NASA estimou que cruzar as Perseidas aumenta as chances de colisão com um micro-meteorito de 15%. O espaço é muito grande e a estação espacial internacional é comparativamente pequena, então seria muito azar que um meteoro impactasse a ISS.

No entanto, se isso acontecer, a blindagem dos módulos da estação espacial internacional deve parar os menores projéteis. Os maiores podem ser rastreados no radar e o ISS ainda pode fazer correções no curso se um deles for muito ameaçador. No momento, funciona. Os astronautas da ISS têm uma visão excepcional dessas chuvas de meteoros. Eles podem vê-los queimar na atmosfera lá de cima.

Um buraco foi descoberto na ISS

– Notícias de 4 de setembro de 2018 –

O espaço é um ambiente muito perigoso para os seres humanos. Os astronautas a bordo da ISS ficaram assustados com os controladores terrestres quando anunciaram que a estação espacial estava perdendo ar. O incidente ocorreu em 30 de agosto. Felizmente, a despressurização era muito lenta para representar um perigo imediato para os astronautas. A NASA nem sequer considerou necessário despertar os membros da tripulação adormecidos no momento da descoberta. Os astronautas presentes reuniram-se na parte russa da estação espacial internacional para conduzir a investigação.

Foi finalmente em uma cápsula da Soyuz ancorada na ISS que um buraco de 2 mm de diâmetro foi descoberto. Uma solução foi encontrada enchendo o buraco com epóxi. Resta agora esclarecer as causas desse incidente. Duas hipóteses são particularmente mencionadas. Roscosmos diz que é provavelmente um impacto de micro-meteorito ou detritos no microespaço. Os detritos espaciais são um risco crescente. A ISS já foi atingida várias vezes. Mas se essa hipótese for verificada, seria a primeira vez que tal impacto levaria a uma despressurização da estação espacial internacional. Isso faz com que o risco associado ao concreto de micro-detritos.

A outra hipótese é que a cápsula da Soyuz teria um defeito de fabricação. A tripulação indicou que o buraco interno é semelhante a uma broca. Em torno do buraco, as marcas evocam uma broca que teria escorregado. Se esta hipótese for verificada, seria um novo testemunho do estado desastroso em que a indústria espacial russa está localizada. Entre os retrocessos de Proton e os adiamentos em série de todos os novos programas espaciais, não há muitas boas notícias de Moscou. Mas seria surpreendente que um buraco feito na broca no lugar errado pudesse passar o controle de qualidade de um operador espacial.

Vamos esperar por conclusões oficiais para saber o que realmente aconteceu. Este incidente ilustra, em qualquer caso, o quão urgente é para as novas cápsulas tripuladas americanas entrarem em serviço. Se a Soyuz permanecesse no terreno por razões de segurança, toda a Terra, exceto a China, perderia o acesso dos homens ao espaço. A estação espacial internacional, já abalada pelas declarações do presidente americano, não precisa disso. Soyouz deve ser apoiado por Crew Dragon e CST-100 Starliner no próximo ano. Um teste não tripulado deve ocorrer este ano. O vazamento de ar era muito fraco. O próximo incidente poderia, no entanto, ser muito mais sério. A proliferação de detritos espaciais na órbita baixa da Terra tornará o assunto cada vez mais difícil nos próximos anos e décadas. Se é um erro humano no design da Soyuz, então devemos esperar que as coisas sejam rapidamente corrigidas.

NASA procura investidores privados para a estação espacial internacional

– Notícias de 22 de maio de 2018 –

Os anos 2020 podem ser a década das estações espaciais privadas. É isso que o governo Trump quer: Jim Bridenstine, o novo administrador da Nasa, foi encarregado de preparar a privatização da porção norte-americana da Estação Espacial Internacional. Para isso, é necessário que uma empresa privada aceite retomar as funções americanas da ISS e que ela receba seu dinheiro. Mas é difícil ver a estação espacial internacional como fonte de lucros: 17 de maio, a agência espacial norte-americana pediu para receber estudos sobre a comercialização de baixa órbita. A Nasa pede a empresas privadas que elaborem planos de negócios e estudos de viabilidade para estações espaciais comerciais ligadas à ISS ou independentes.

Os estudos selecionados pela NASA receberão uma subvenção de até US $ 1 milhão e devem ser submetidos até o final do ano. Em 17 de maio, o Instituto de Análises de Defesa (IDA), um gabinete ligado ao governo dos EUA, publicou esse estudo. A IDA é muito pessimista quanto ao futuro das estações espaciais privadas. Nos anos 2020, a NASA planeja acabar com o apoio financeiro da Estação Espacial Internacional. Em 2025, o estudo estima que quase não há chance de que uma estação espacial privada possa ser lucrativa na época. Para chegar a essa conclusão, os consultores da IDA criaram vários modelos de negócios, desde a montagem de órbitas de satélites até o aluguel de estações para programas nacionais tripulados, até a fibra ótica na ausência de gravidade. Em quase todos os casos, essas atividades não poderiam gerar lucros. A agência norte-americana baseou seu estudo em previsões otimistas, como a queda de 50% a 75% no custo dos lançamentos de foguetes. Mas a IDA acredita que, para o setor privado, a perspectiva é tão ruim que irá deter todos os investidores. Os ganhos potenciais são muito incertos e muito distantes no futuro.

Confrontados com o pessimismo desta organização americana, os investidores no Novo Espaço são muitas vezes indivíduos ricos com uma parcela de sonhos, em vez de fundos de investimento focados no lucro. A outra conclusão que pode ser tirada é que um boom econômico espacial só pode ocorrer com uma redução drástica nos custos de lançamento para motivar os investidores convencionais. Os preços terão que ser divididos por 10, então ainda não para esta geração de foguetes. Tal redução de preço só pode ser considerada com um veículo totalmente reutilizável, como o BFR da SpaceX, se ele conseguir voar. Enquanto isso, o governo americano terá que encontrar parceiros ricos e ousados ​​para a privatização da ISS para ser um sucesso, ou a NASA pode ter que pagar mais pelas estadas de seus astronautas na Estação Espacial Internacional do que quando foi governada diretamente por NASA O fim do apoio financeiro da ISS em 2025 tem muitos oponentes políticos, incluindo republicanos. Então as coisas podem evoluir até esta data.

As ambições lunares dos EUA ameaçam a Estação Espacial Internacional (ISS)

– Notícias de 30 de janeiro de 2018 –

Em 11 de dezembro, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma diretriz que direciona os esforços da NASA para o retorno de vôos tripulados para a lua. Isso inevitavelmente levanta a questão do futuro da participação dos EUA na ISS. O orçamento da NASA para 2019 deve levar em conta o encerramento das operações relacionadas à Estação Espacial Internacional em meados da próxima década. Isso é perfeitamente compreensível. Se os esforços da agência espacial americana estiverem voltados para a Lua, ela se tornará muito cara para manter uma presença habitada em órbita da Terra. Os projetos lunares da NASA provavelmente envolverão a construção de uma nova estação espacial chamada Deep Space Gateway.

Esta estação espacial substituiria a Estação Espacial Internacional, pelo menos para os americanos. Mas a NASA desenvolveu muitas parcerias com o setor privado para atender a estação espacial internacional. Este é o caso da cápsula espacial SpaceX Dragon, da CST-100 Starliner da Boeing ou do ônibus espacial Dream Chaser da Sierra Nevada. Essas naves espaciais seriam sem objetivo, apenas alguns anos depois de serem lançadas. Seria um grande golpe para a indústria americana do Novo Espaço. Isso poderia levar o Congresso dos EUA a estender sua participação na ISS até 2028 ou até 2030. A idéia é dar tempo suficiente à indústria privada para colocar em órbita suas próprias estações espaciais, o que acabaria por completar o ecossistema do espaço privado.

É particularmente Bigelow Aerospace e Axiom Space que são esperados neste aspecto. Um período de transição poderia ocorrer durante o qual módulos privados seriam adicionados à ISS. Bigelow, por exemplo, já tem seu Módulo de Atividade Expansível Bigelow (BEAM) ancorado na estação espacial internacional desde 2016. Por sua vez, a Axiom Space deve começar a construir seus módulos no próximo ano. A empresa espera lançar a primeira estação espacial privada na próxima década. Embora ainda haja poucos detalhes sobre os projetos lunares da NASA, isso deve deixar mais ou menos espaço para a indústria privada. Novas oportunidades e novas parcerias devem ser construídas para apoiar o esforço lunar.

O fim da ISS também terá que ser um esforço coordenado com parceiros internacionais. Mas não estamos imunes a uma mudança de governo nos Estados Unidos da América em 2020, o que mudaria novamente a estratégia espacial dos EUA. A partir deste ano, o Crew Dragon da SpaceX e as cápsulas CST-100 Starliner da Boeing deverão começar a trazer tripulações para a ISS. Espera-se que eles tenham novos destinos após o desligamento da Estação Espacial Internacional.

Imagem da NASA [Domínio Público], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?