Tudo sobre o planeta Marte e notícias

planet mars

O rover Curiosity detecta um poderoso pico de metano no planeta Marte

– Notícias de 25 de junho de 2019 –

Nós freqüentemente falamos sobre detecção de metano no planeta Marte. Na Terra, o metano é um gás associado à vida. Na atmosfera do planeta Marte, é facilmente quebrado pela radiação ultravioleta do sol. Quando o metano é detectado, acaba de ser produzido. A explicação poderia ser tanto geoquímica quanto biológica. Mas devemos primeiro ter certeza de que o metano está presente no planeta Marte. Devemos, infelizmente, tentar responder a essa pergunta com sinais contraditórios. Os primeiros anúncios de detecção datam de 2003 e 2004. Estes eram valores mínimos, então a dúvida permaneceu.

Em solo marciano, o rover Curiosity parece ter feito várias detecções mais interessantes. Essas observações sugerem que o planeta Marte tem picos localizados temporários de emissões de metano. Mas esses picos permanecem completamente invisíveis para a ExoMars Trace Gas Orbiter, que é especialmente projetada para fazer tais detecções. De acordo com os dois espectrômetros da sonda espacial, não há o menor vestígio de metano no planeta Marte.

É difícil conciliar as observações das duas missões. E esta situação não ficará melhor com as últimas detecções do rover Curiosity. O veículo espacial da NASA detectou um novo pico de metano muito mais alto que os anteriores. O espectrômetro a laser do robô observa concentrações três vezes maiores que o recorde anterior, medido em 2013 na região da Cratera da Galé. Parece que um processo químico ou biológico libera metano. Mas o rover Curiosity não possui as ferramentas necessárias para determinar sua origem.

Mas o robô monitorará de perto seu ambiente para fornecer o contexto máximo a esses registros. Talvez explique por que o rover Curiosity detecta o metano no solo enquanto o TGO não observa nada em órbita do planeta Marte. Talvez à medida que sobe na atmosfera, o gás é destruído ou diluído fortemente. Seria então observável apenas muito perto da superfície. Se for produzido apenas em certas regiões específicas do planeta Marte, sua concentração pode cair drasticamente à medida que se mistura com o restante da atmosfera do planeta Marte.

Isso significaria que tivemos muita sorte em escolher o site de pouso Curiosity. A TGO e a Mars Express apontarão seus instrumentos nesta região. A detecção de Frank pelas sondas espaciais européias definitivamente poderia fechar o debate. Será interessante ver se futuros robôs americanos, europeus e chineses também são capazes de detectar o metano do solo marciano. Alguns deles podem ser menos afortunados do que Curiosity e desembarcar em uma área que não contém metano.





Nenhuma dúvida sobre a presença de metano no planeta Marte

– Notícias de 9 de abril de 2019 –

Por quinze anos, vestígios de metano foram detectados na atmosfera de Marte. A espaçonave europeia Mars Express e a americana Curiosity Rover destacaram os picos sazonais desse gás. Essas observações geram muito interesse. O metano é de fato um gás que está associado ao processo de viver no planeta Terra.

No entanto, o metano marciano é muito difícil de detectar. As observações do Curiosity Rover e do Mars Express são baseadas em eventos únicos e quantidades mínimas. A sonda ExoMars Trace Gas Orbiter (TGO) até agora não detectou o metano, embora esteja particularmente bem equipado para essa tarefa.

No entanto, uma equipe que trabalha com os dados da Mars Express acaba de fornecer provas definitivas de que esse gás existe na atmosfera marciana. Os dados nos quais estamos interessados ​​são bastante antigos porque datam de 16 de junho de 2013. Depois de muito trabalho para reinterpretar os dados da sonda espacial, os pesquisadores puderam destacar um pico de emissão de metano na região da cratera Gale durante este dia. Mas apenas 24 horas antes, Curiosity estava fazendo a mesma observação na mesma área. A probabilidade de dois instrumentos no solo e em órbita cometerem o mesmo erro ao mesmo tempo parece extremamente baixa.

Mas isso não dá nenhuma indicação das possíveis origens do metano gerado pelo planeta Marte. A equipe que trabalha no rover Curiosity está convencida de que o metano vem do solo. A fonte estaria nas profundezas do planeta Marte. Mas, no momento, é impossível saber se a origem do metano é geológica ou biológica. Ambas as explicações permanecem plausíveis. No entanto, podemos supor a origem geográfica da emissão de metano.

A região de Aeolis Mensae é atualmente a principal região suspeita de emitir metano. Localizada a nordeste da Cratera da Galé, consiste em relevos complexos devido à tectônica e aos ventos marcianos. Em particular, teria falésias que poderiam mergulhar em camadas de gelo. O metano pode ter sido preso nesse gelo e liberado periodicamente. Imaginamos que os dados do ExoMars Trace Gas Orbiter serão estudados com muito cuidado. O rover Curiosity também pode registrar novos picos de metano.

O mistério persiste sobre a origem dos fluxos marcianos

– Notícias de 29 de janeiro de 2019 –

No final da década de 1970, os orbitadores do programa Viking detectaram pela primeira vez faixas escuras evocando fluxos na superfície de Marte. Desde então, esses fluxos foram observados muitas vezes por diferentes missões. Algumas fotos mostram um fluxo de 600 metros de comprimento. Apesar das múltiplas observações, os especialistas do planeta Marte ainda estão divididos sobre a explicação do fenômeno.

Obviamente, o debate é se eles são fluxos secos ou fluxos úmidos. A primeira hipótese seria a consequência de uma espécie de avalanche de poeira sem água ou qualquer outro líquido. A outra hipótese implica que os fluxos consistem em uma espécie de salmoura, uma solução aquosa altamente saturada de sal.

Desde a chegada de novos orbitantes ao redor do planeta vermelho, acumulamos imagens cada vez mais precisas do fenômeno, o que possibilita apresentar novas características desses fluxos. Sabemos que eles se formam em relevos e depois fluem em encostas mais ou menos íngremes. Eles tendem a se alargar à medida que vão descendo. Em alguns casos, eles podem até subir alguns metros para superar um obstáculo no terreno.

O fenômeno não parece particularmente relacionado às estações do ano. Parece mais importante na região equatorial. A maioria dos eventos é pontual. Observamos um fluxo uma vez em um lugar sem que o fenômeno se repita nas próximas décadas.

Esses parâmetros são difíceis de conciliar com as suposições sobre a origem seca ou úmida desses fluxos. A ausência de sazonalidade e o fato de que os fluxos podem subir um declive ao longo de alguns metros não são completamente compatíveis com uma origem líquida, mas como não se observa acúmulo de detritos contra os obstáculos do solo, a hipótese de uma avalanche de poeira é também é difícil imaginar.

Para tentar resolver esse dilema, uma equipe universitária sueca concentrou-se na região de Salar Uyuni, no sudoeste da Bolívia. É o maior deserto de sal do mundo. As condições neste deserto são, em alguns aspectos, muito próximas do que está acontecendo no planeta Marte e podemos observar o fluxo negro lá. Ao comparar fotos desses fluxos tirados da órbita da Terra e de Marte, as semelhanças são numerosas.

Isso obviamente não é suficiente para concluir que a hipótese da umidade é a correta. Os pesquisadores observam, no entanto, que seria interessante explorar melhor a analogia entre essas duas regiões. A maneira mais fácil seria ir diretamente para a superfície marciana, mas exporia a um alto risco de contaminação. Se a hipótese da umidade é de fato a origem desses fluxos marcianos, então uma atividade biológica poderia ocorrer lá. O rover Curiosity também teve a oportunidade de abordar um desses fluxos em setembro de 2016. A NASA preferiu fazer um amplo desvio por medo de contaminar esses fluxos. Em 2021, a chegada ao planeta Marte da próxima missão da Nasa, chamada “Marte 2020“, poderia fazer as coisas. Ele será composto de um rover e um pequeno helicóptero, o que talvez permita que a NASA observe um desses fluxos um pouco mais de perto sem o risco de perturbar um possível ecossistema local.

O mistério permanece sobre a origem do metano marciano

– Notícias de 18 de dezembro de 2018 –

Nos últimos anos, a descoberta do metano no planeta Marte questiona a comunidade científica. Este gás pode sinalizar a presença de uma atividade biológica ou ser consequência de uma química não relacionada à vida. No planeta Terra, geralmente associamos a presença de metano às atividades dos vivos. O rover Curiosity destacou traços e picos sazonais deste gás no planeta vermelho. O orbitador europeu Trace Gas Orbiter (TGO) confirmou esta descoberta.

A TGO acaba de publicar os resultados de sua primeira pesquisa. O orbitador europeu não encontrou nenhum traço de metano. O TGO foi projetado para esse tipo de detecção. A principal missão do orbitador europeu é detectar os vários gases presentes no estado traço na atmosfera marciana. Dois de seus instrumentos projetados na Bélgica e na Rússia foram projetados especificamente para encontrar metano em concentrações extremamente baixas. A ausência de detecção por esses dois instrumentos é, portanto, uma verdadeira surpresa.

A Mars Express, outra sonda européia, destacou pela primeira vez a presença de metano na atmosfera marciana em 2004. O rover Curiosity havia feito subsequentemente detecções semelhantes do solo marciano. Mas em ambos os casos, as quantidades de metano detectadas eram muito pequenas. Então agora temos que encontrar uma explicação para as detecções do rover Curiosity e para as detecções do TGO. Qualquer um dos dois conjuntos de instrumentos não funcionou adequadamente, ou os dados não foram interpretados corretamente, ou enfrentamos um fenômeno sazonal ou atmosférico que facilita a detecção do solo, mas não do espaço.

A equipe encarregada do rover Curiosity parece bastante otimista. Levaram vários anos para descobrir o ciclo do metano nos dados do rover, então eles acham que seus colegas europeus precisam de um pouco mais de tempo para observar e chegar às mesmas conclusões. Segundo eles, o metano forma-se abaixo da superfície do planeta Marte e depois escapa para a atmosfera ao longo de microfissuras. Seria, portanto, mais facilmente detectável do solo do que da órbita de Marte. De certa forma, os resultados do TGO poderiam ajudar a validar essa hipótese.

O orbitador europeu demonstrou muito claramente que o metano marciano não é formado em altitude. Se estiver presente, pode ser detectável apenas perto da superfície. Também é possível que o rover Curiosity tenha tido muita sorte. O veículo espacial da NASA pode ter estado em uma das únicas regiões onde o metano é formado. Se o resto do planeta não emitir tanto metano quanto a cratera Gale, então não é surpreendente que seja muito difícil detectar o metano da órbita de Marte. O orbitador europeu continuará sua missão pelo menos até 2022.

Um lago de água líquida teria sido descoberto sob a superfície de Marte

– Notícias de 31 de julho de 2018 –

Há muitas indicações de que Marte teve água líquida em sua superfície no passado. Mas há cerca de 3,7 bilhões de anos, a erosão da atmosfera teria secado os oceanos do jovem planeta vermelho. Ainda há água em Marte, mas na forma de gelo concentrado nas calotas polares do planeta vermelho, e ele se refugiou sob a superfície. Um estudo que acaba de ser publicado pelo centro de pesquisas da NASA estima que a superfície marciana é mil vezes mais seca do que o mais seco dos ambientes terrestres, o Deserto de Atacama, no Chile. Se Marte estiver completamente árido na superfície, pode ser diferente em profundidade.

Em 1987, um pesquisador do Instituto de Ciência Planetária especulou que bolsões de água líquida podem ter permanecido na base das calotas polares marcianas. Na época, os lagos haviam sido destacados nas profundezas subterrâneas sob a Antártida e a Groenlândia. O pesquisador achava que um cenário semelhante era bastante plausível em Marte. Desde então, a hipótese é debatida sem que seja possível se estabelecer definitivamente. Mas uma equipe italiana acaba de publicar os resultados de um estudo baseado em dados de radar da sonda Mars Express. Um radar é um instrumento muito eficaz para pesquisar sob a superfície. Os ecos dos radares são de fato afetados pelos materiais pelos quais passam. Ao estudar os sinais retornados, podemos ter uma ideia bastante precisa da composição dos solos em profundidade. A equipe de pesquisadores analisou o que está acontecendo sob as regiões polares de Marte e, entre os dados coletados desde 2003 pela sonda espacial européia, encontrou um surpreendente radar de radar.

No planeta Terra, observou-se que as zonas de interface entre o gelo e a água líquida produzem reflexos de radar muito brilhantes, e isso é exatamente o que foi observado na região do pólo sul de Marte. Uma pequena área de 20 quilômetros de largura produz ecos de radar consistentes com o que seria esperado de uma superfície gelada ou líquida. Este lago marciano seria enterrado a um quilômetro e meio abaixo da superfície do planeta. Pesquisadores italianos foram capazes de determinar sua profundidade e pelo menos 1 metro. Para que a água líquida exista sob essas condições, ela deve ser particularmente salgada e sedimentar. É um lago de salmoura e lama que você tem que imaginar.

A descoberta não é final porque a equipe na origem do estudo estudou vários cenários para explicar os retornos de radar coletados. A hipótese do lago é a mais plausível, mas continua sendo uma hipótese. A observação da Mars Express não encerra o debate aberto há 30 anos. Se a descoberta for confirmada, haverá muitas perguntas para responder sobre esse lago. Está sozinho? Qual é a sua composição e temperatura? Líquidos não são automaticamente fontes de vida. Mas se a vida pode chocar e sobreviver em Marte, esta área continua a ser um dos melhores lugares para procurar. Não há dúvida de que as futuras missões marcianas serão influenciadas por essa descoberta. Obviamente, estamos pensando em perfurar o lago, mas nas próximas décadas há poucas chances de que isso aconteça. Um orbiter equipado com um radar melhor que o da Mars Express poderia, no entanto, fornecer mais detalhes sobre o ambiente do lago, e pode até mesmo descobrir novos.

Marte poderia conter mais água do que o esperado

– Notícias de 23 de janeiro de 2018 –

Marte recebeu grandes quantidades de água líquida no passado distante. Foi a perda de sua atmosfera que começou há 4,2 bilhões de anos, o que lhe deu uma aparência desértica. Mas isso não significa que a água tenha desaparecido completamente de Marte. Sabemos que uma grande parte dessa água se refugiou nos porões do planeta na forma de gelo, particularmente perto das regiões polares. Mas de acordo com um estudo publicado na revista Science em 12 de janeiro, o gelo de água também estaria presente em grande quantidade nas regiões mais equatoriais do planeta vermelho.

A equipe por trás da publicação usou dados da missão Mars Reconnaissance Orbiter, que orbita o planeta Marte desde 2006. Usando a câmera HiRISE da sonda, eles identificaram oito regiões que abrigariam geleiras subterrâneas de até 100 metros de espessura em alguns lugares. Essas geleiras são expostas ao ar livre por penhascos particularmente íngremes e, mesmo quando cobertas, seria suficiente perfurar para alcançá-las. Esses locais foram descobertos tanto no hemisfério norte quanto no hemisfério sul do planeta. Obviamente, isso os torna alvos interessantes para explorar o planeta vermelho. Essas camadas de gelo são de fato facilmente acessíveis. A perfuração poderia ajudar a mergulhar no passado climático de Marte e aprender muito mais sobre sua evolução recente. Sabemos, por exemplo, que Marte é muito menos estável em seu eixo de rotação do que a Terra, devido à ausência de um satélite natural massivo. O ritmo de suas estações mudou muito ao longo do tempo, e deve ser visível no gelo.

Esta também é uma ótima notícia para quem quer que as pessoas se mudem para Marte. Segundo algumas estimativas, até um terço da superfície do planeta Marte abrigaria gelo no porão. A água seria um recurso comum em Marte. Para a SpaceX, por exemplo, que depende da eletrólise da água marciana para produzir oxigênio, bastaria cavar. A maioria dos projetos de instalação marciana básica estava anteriormente nos pólos, onde se pensava que a maioria da água marciana era retida, ou nas regiões equatoriais consideradas mais hospitaleiras. Agora o equador parece melhor para acomodar uma presença humana. Além de água abundante, oferece o melhor sol, as melhores temperaturas e é o melhor local para chegar à órbita. Vamos torcer para que uma missão robótica nos permita aprender mais sobre essas geleiras subterrâneas e, claro, sobre o passado recente de nosso vizinho.

Um elemento associado ao florescimento da vida foi descoberto em Marte

– Notícias de 12 de setembro de 2017 –

Marte tem uma rica história de água e atmosfera. De fato, Marte provavelmente teve um ciclo abundante de água entre 4,2 e 3,7 bilhões de anos atrás. Mas isso foi suficiente para dar tempo para a vida aparecer? Responder a essa pergunta é uma prioridade para todas as agências espaciais interessadas em Marte. Uma equipe do Laboratório Nacional de Los Alamos, nos Estados Unidos, acaba de publicar um estudo que fornece uma nova pista nesta pesquisa. De fato, analisando os dados do rover Curiosity, eles conseguiram detectar traços residuais de boro. O boro é um elemento químico considerado bastante raro no sistema solar. Mas sua presença seria necessária para o surgimento de um dos elementos fundamentais da vida como a conhecemos na Terra. De fato, para formar este elemento seria necessário um açúcar chamado ribose, que é instável e se decompõe rapidamente na água, a menos que seja estabilizado pela presença de boro.

A descoberta do boro na superfície de Marte não garante que este elemento químico possa ter se formado nos oceanos primordiais do planeta vermelho, mas é um sinal de que uma condição adicional estava presente para que isso acontecesse. As observações que levaram a essa descoberta foram feitas na cratera Gale, que é a área de operações do rover Curiosity. Essa cratera tem 3,8 bilhões de anos e provavelmente abrigou um lago de água no começo. Foi possível analisar a composição química do solo usando os instrumentos do rover Curiosity. Ele usa um feixe de laser para vaporizar uma pequena quantidade de materiais que podem ser analisados ​​usando espectrômetros. É um dos doze instrumentos científicos que equipam o rover.

O rover Curiosity está rolando na cratera Gale desde 6 de agosto de 2012. É um rover muito maior do que seus irmãos mais velhos Spirit e Opportunity. A principal missão da Curiosity é precisamente especificar se as condições propícias à vida já existiram em Marte. Em quatro anos estudando a cratera Gale, o rover conseguiu trazer muitas pistas para o rico passado de água do planeta vermelho, mas também para a perda atmosférica que afetou Marte. A cratera Gale, com sua rica história de água e elementos vivificantes, oferece um alvo perfeito para a busca de uma vida microbiana fóssil ou presente. A NASA espera que o rover Curiosity possa continuar sua missão por alguns meses ou anos. De fato já sofreu em suas rodas. Utiliza uma fonte de energia não renovável, ao contrário do Opportunity. Esperamos que até lá haja tempo suficiente para fornecer informações adicionais sobre as condições que prevaleceram em Marte no momento em que a cratera Gale era o lago Gale.

Neve cairia em Marte

– Notícias de 22 de agosto de 2017 –

Uma equipe franco-americana acaba de publicar um surpreendente estudo sobre o planeta Marte. Eles acham que há neve em Marte, neve como a que conhecemos na Terra. Esse fenômeno ocorreria durante a noite marciana, quando a temperatura cai no planeta vermelho. Isso força os cientistas a repensarem sua compreensão do clima marciano. Marte tem uma atmosfera muito mais fina que a Terra. A formação de nuvens de água é, portanto, muito rara. É preciso uma atmosfera densa para suportar o fenômeno da condensação que encontramos em nossas nuvens. Nós já sabíamos que há gelo seco em Marte. Se a presença de neve for confirmada, os cientistas terão que revisitar sua compreensão do ciclo da água no planeta vermelho.

Para chegar a essas conclusões, a equipe de Aymeric Spiga da Universidade Pierre e Marie Curie (UPMC) usou os dados fornecidos pelos vários satélites e landers que visitaram Marte. Eles desenvolveram um modelo climático que lhes permitiu extrair essa previsão. No entanto, será necessário confirmar isso por observações, porque não por um CubeSat.

Essa neve marciana é diferente da neve que conhecemos na Terra, pois a precipitação seria muito rápida, a neve cairia no chão em poucos minutos, em vez de voar no vento como na Terra. Uma vez em contato com a superfície de Marte, não formaria um revestimento macio e suave, mas sim uma camada de gelo rígido. Isso confirma que, embora a água não esteja presente na forma líquida na superfície de Marte, ela é relativamente abundante na forma de gelo. Esta é uma boa notícia para futuros programas de exploração humana. Mas também é importante entender todos os fenômenos meteorológicos que os exploradores podem encontrar. De fato, uma tempestade de neve marciana poderia danificar seu equipamento.

O essencial sobre o planeta Marte

O planeta Marte é menor, mais frio e mais seco que a Terra, mas é fascinante. Até 1965, muitas pessoas pensavam que o planeta Marte era habitado por uma inteligente civilização extraterrestre. Embora não abrigue pequenos homens verdes, o planeta Marte é a rainha das montanhas e tempestades de poeira. O pico mais alto do sistema solar, o Monte Olimpo, está localizado no planeta Marte. Esta cimeira tem 21 quilômetros de altura. A órbita do planeta Marte é o mais excêntrico dos oito planetas do sistema solar e não possui um campo magnético que o proteja dos ventos solares. O planeta Marte pode ter abrigado uma vida primitiva. Responder a esta pergunta é uma das mais excitantes missões de exploração espacial.

Imagem da ESA – Agência Espacial Europeia e Instituto Max-Planck de Pesquisa do Sistema Solar da Equipa OSIRIS ESA / MPS / UPD / LAM / IAA / RSSD / INTA / UPM / DASP / IDA [CC BY-SA 3.0-igo (https: / /creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0-igo)], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?