Tudo sobre o rover Curiosity em missão em Marte e notícias

curiosity rover mars

O rover Curiosity em breve subirá a montanha no centro da cratera Gale

– Notícias de 4 de junho de 2019 –

O rover Curiosity continua a revelar os segredos da região de Aeolis Mons. É uma montanha de 5,5 km de altura, aninhada no centro da cratera Gale. Esta área é muito interessante porque pensamos que a cratera Gale abrigou um lago de água há muito tempo. A montanha em seu centro é formada por um gigantesco acúmulo de sedimentos. A erosão pelos ventos marcianos teria exposto as diferentes camadas sedimentares, o que nos permite traçar a história da cratera ao longo de quase 2 bilhões de anos.

O rover da NASA celebrará em breve seu sétimo aniversário na superfície de Marte. Atualmente está se movendo ao pé desta montanha. Em um selfie de 12 de maio, podemos ver dois furos muito pequenos feitos pelo rover Curiosity. A análise desses buracos revelou a maior concentração de argila descoberta pelo rover Curiosity até o momento. As argilas são geralmente formadas quando os sedimentos estão em contato com a água. Ao descobrir grandes quantidades de argila no nível de uma camada sedimentar precisa, podemos reconstruir ainda mais precisamente a história da água marciana.

Nos próximos meses e anos, o rover Curiosity deve tentar subir cada vez mais alto nas encostas da montanha, obtendo acesso a camadas sedimentares mais recentes. Pesquisas por orbitadores já nos dão uma idéia do que ele encontrará acima da camada de argila. Encontramos estratos mais ricos em enxofre. Este é provavelmente um sinal de um corpo de água que começou a encolher ou secar. Será particularmente interessante estudar o limite entre esses dois ambientes. Pode ser possível traçar a história precisa do desaparecimento de água líquida na superfície de Marte.

A NASA está no processo de definir uma rota para o rover Curiosity visitar todas essas camadas geológicas. A rota também deve levar o robô através de uma área chamada Gediz Vallis, que é outro mistério do planeta Marte. Acredita-se que seja o curso de um rio que mais tarde apareceu na história marciana, enquanto as camadas ricas em argila e enxofre já estavam formadas. Se o rover Curiosity conseguir analisar esses três ambientes, conheceremos melhor a história da água e do clima na cratera Gale e conheceremos melhor o planeta Marte.

A partir de 2021, a nova sonda da NASA, da ESA e talvez da CNSA acabará por confirmar esta história noutros locais geológicos. O mais interessante, claro, será determinar qual desses períodos foi o mais favorável à vida. Isso concentrará esforços em áreas consideradas mais férteis, talvez com a descoberta de um fóssil ou traço de uma vida passada microscópica.





O rover Curiosity detecta compostos orgânicos no planeta Marte

– Notícias de 12 de junho de 2018 –

O rover Curiosity continua sua jornada na cratera Gale, na superfície do planeta Marte. Na semana passada, a NASA divulgou os resultados de um estudo de duas amostras coletadas e analisadas pelo rover. Estes resultados foram muito falados porque mostram a presença de compostos orgânicos na superfície do planeta Marte. Mas a presença da química orgânica não significa automaticamente uma presença de vida. Este termo simplesmente descreve a química do carbono. Mas como os compostos orgânicos são amplamente utilizados e sintetizados por processos vivos, os dois são geralmente associados.

O rover Curiosity já detectou elementos de química orgânica em Marte. Há, é claro, o metano da atmosfera marciana que continua nos intrigando porque ainda não sabemos sua origem. O rover Curiosity também identificou traços de compostos orgânicos em amostras retiradas de sua broca. As quantidades coletadas, no entanto, eram muito pequenas para descartar a hipótese de contaminação. Desta vez, as quantidades detectadas são 100 vezes maiores, o que torna possível ter certeza de que essas moléculas são de fato de origem marciana.

Estes são derivados do tiofeno, moléculas que são estranhamente semelhantes ao material que permite a criação de petróleo no planeta Terra. Em nosso planeta, sob certas condições, os organismos podem sedimentar e se transformar em hidrocarbonetos. Este processo deixa vestígios de derivados de tiofeno. Descobrir essas mesmas moléculas em Marte inevitavelmente levanta questões. Acredita-se que a cratera Gale abrigou um lago há cerca de 3,5 bilhões de anos. Essa também é a idade das amostras analisadas pelo rover Curiosity. Em outras palavras, é provavelmente a indicação mais convincente de uma vida passada na superfície do planeta vermelho. Essa pista está longe de ser suficiente. Essas moléculas poderiam ter sido produzidas ou consumidas pelos seres vivos, mas também poderiam ter sido criadas por processos que nada têm em comum com a vida.

O rover Curiosity cumpriu bem o seu propósito e o potencial de descoberta é excelente para futuras missões. Os robôs ExoMars e de março de 2020, que chegarão ao planeta vermelho em 2021, poderão concluir o debate. Suas habilidades serão muito maiores que as capacidades do Curiosity. O ExoMars poderá perfurar até dois metros de profundidade, enquanto o rover Curiosity pode perfurar apenas alguns centímetros de profundidade. As amostras analisadas serão preservadas da radiação e oxidação superficial de Marte. Vamos esperar que o site Oxia Planum que foi selecionado pela Agência Espacial Européia para hospedar o rover seja tão interessante quanto a cratera Gale. É uma bacia de 200 quilômetros de diâmetro que provavelmente abrigou um lago ou um mar.

Enquanto isso, o rover Curiosity poderá continuar a perfurar o solo marciano. Sua perfuratriz quebrou em dezembro de 2016. A NASA tem pensado em uma solução original para contornar a falha e, após alguns testes, a ferramenta está operacional novamente desde o final do mês passado. O rover Curiosity não está equipado para identificar diretamente formas de vida ou seus fósseis. Não podemos esperar que ele descubra outros compostos orgânicos.

A broca do rover Curiosity funcionará novamente

– Notícias de 6 de março de 2018 –

O rover Curiosity está em uma missão em Marte desde o verão de 2012. Ele está equipado com uma perfuradora que permitiu a coleta de amostras em cerca de quinze locais. Infelizmente, esta perfuratriz quebrou no final de 2016 porque um motor defeituoso impede que a broca saia e se retraia em seu suporte. Os engenheiros da NASA estão pensando em uma solução. Em sua operação clássica, a broca é colocada perto de seu objetivo pelo braço rover Curiosity. É então empurrado através da área a ser perfurada pelo motor que falhou. A idéia é manter o pavio completamente fora de seu suporte e usar o braço do veículo para empurrar. É como perfurar uma parede com uma mão com o braço estendido. Não é ideal para precisão e vibração, mas funciona. Um primeiro teste permitiu perfurar um centímetro de profundidade na área onde o rover está localizado atualmente. Mais testes serão realizados nos próximos dias e semanas.

No entanto, deve-se garantir que as amostras coletadas possam ser levadas para um dos dois laboratórios de análise do rover Curiosity. Para isso, os engenheiros do Jet Propulsion Laboratory (JPL) testaram com sucesso um método na Terra. Mas nada diz que funcionará no ambiente marciano. Se os resultados desses testes forem satisfatórios, a broca retomará sua missão e o curiosty rover nos fornecerá respostas sobre a possível presença de água no passado de Marte.

O pouso do rover Curiosity foi digno de um filme de Hollywood

Em 26 de janeiro de 2018, o rover Curiosity acumulou 2.000 dias na superfície de Marte. Para comemorar, a NASA compartilhou uma bela foto panorâmica da cratera onde ela pousou e continua conduzindo sua investigação. O rover Curiosity é responsável por determinar a capacidade do planeta vermelho para receber a vida. O Mars Science Laboratory é seu nome oficial. Ele carrega o mais completo e complexo conjunto de instrumentos atualmente na superfície de Marte. Em cinco anos e meio de missão, já reuniu importantes pistas sobre as condições presentes e passadas em Marte. Mesmo antes de se mudar para a superfície de Marte, a Curiosity já realizou alguns feitos técnicos. Desde o desembarque do Sojourner em 1997, a NASA enviou grandes rovers em Marte: a Spirit e a Opportunity pesam 180 quilos. O rover Curiosity tem a massa e as dimensões de um carro pequeno, o que permite carregar dez vezes a massa de instrumentos dos rovers anteriores. Mas colocar essa massa a dezenas de milhões de quilômetros dos centros de controle da NASA é complicado. A agência espacial americana teve que desenvolver uma solução ousada e extremamente eficaz. A atmosfera de Marte é muito fina para os pára-quedas pousarem um objeto do tamanho da Curiosity. A atmosfera de Marte, no entanto, é espessa o suficiente para interromper o uso de foguetes retrô, o que levou a agência espacial americana a considerar uma solução híbrida: o pouso do rover Curiosity usou um escudo de calor, um pára-quedas, foguetes retrô e até mesmo um guindaste. A complexidade desse pouso foi uma grande aposta. Curiosidade representou 7 anos de trabalho e US $ 2,5 bilhões.

curiosity rover landing mars

Após oito meses de viagem, em 6 de agosto de 2012, o rover e sua espaçonave chegam ao nível da atmosfera de Marte. O pouso do rover foi altamente divulgado e assistido por milhões de espectadores. A sequência de pouso durou 7 minutos, durante os quais o módulo de descida operou de forma autônoma. A seqüência começa com uma entrada atmosférica guiada. O módulo de descida é equipado com pequenos propulsores para ajudá-lo a permanecer no curso. Isso é basicamente o que permite depositar o rover na superfície de Marte com incrível precisão para uma viagem interplanetária. A 10 quilômetros de altitude, o módulo de descida se separa de seu escudo térmico e desdobra um pára-quedas supersônico. O pára-quedas reduz a velocidade do módulo de descida do solo, de 470 a 100 metros por segundo. No final desta seqüência, o rover é de 1,8 km acima do nível do mar. Ele se livra de sua parte superior e pára-quedas para queda livre novamente. O rover é então ligado a uma plataforma na qual os propelentes de hidrazina estão localizados. Este é o começo da seqüência de retro-propulsão. Os 8 foguetes reduzem ainda mais a velocidade do módulo de descida. Enquanto isso, o rover Curiosity deixa sua configuração de vôo para fazer uma configuração de pouso. Os foguetes de retro-propulsão conseguem cancelar completamente a velocidade do rover, mas eles não o trazem para o chão. Aos 7,5 metros de altitude, o módulo de descida pára. Se os foguetes se aproximarem demais do solo, eles levantarão uma nuvem de poeira que pode danificar os instrumentos científicos do veículo antes mesmo do início de sua missão. A solução escolhida pelos engenheiros de projeto é abaixar o rover com cabos, um pouco como um guindaste. O rover Curiosity, que tem o tamanho de um carro, é então suspenso sob uma plataforma que levita com foguetes, em um planeta a dezenas de milhões de quilômetros da Terra. Após 7 minutos de descida, o rover Curiosity é depositado a apenas 2,4 quilômetros do centro da elipse planejada pela NASA. É um feito real. O que sobrou do módulo de descida e o guindaste irá cair a 650 metros de distância.

Instrumentos embarcados no rover Curiosity buscam traços de vida em Marte

O Mars Science Laboratory rover não é apenas um dublê, é acima de tudo uma ótima máquina para fazer ciência. Sua massa muito superior à de outros robôs que o precederam permite-lhe embarcar dez instrumentos científicos, alguns dos quais são muito ambiciosos. De fato, devemos agora ir além do que simplesmente observar o planeta vermelho. Agora precisamos interagir com Marte. O rover Curiosity está cheio de sensores e possui 17 câmeras. Os instrumentos de navegação do rover, uma estação meteorológica, detectores de partículas e fotos da área circundante ajudam a entender as condições ao redor da cratera onde o rover está localizado. Mas os instrumentos mais interessantes embarcados pela Curiosity são aqueles que poderão revelar os segredos químicos de Marte. Entre os mais impressionantes desses instrumentos científicos, está a ChemCam. Os engenheiros da missão tiveram a boa idéia de equipar o rover com um laser pulsado capaz de pulverizar pequenas quantidades de rocha, para poder realizar análises espectrométricas. Em várias dezenas de pulsos, a ChemCam é capaz de vaporizar e elevar o espectro da rocha alvo e, assim, determinar sua composição química sem sequer tocá-la. Esta ferramenta foi produzida em grande parte na França, sob a direção do CNES. Mas o rover Curiosity não fica apenas de fora porque tem um braço articulado no qual os instrumentos destinados a entrar em contato com a superfície marciana são fixos. Há uma câmera de microscópio e um espectrômetro de raios-X. Mas este braço articulado também é equipado com uma furadeira e uma mini-escavadeira. O objetivo é coletar amostras da superfície às vezes em profundidade para analisá-las a bordo de um dos dois laboratórios localizados no corpo do rover. O laboratório de SAM é particularmente responsável por detectar qualquer vestígio de química orgânica em suas amostras. É sobre ele que repousa uma grande parte da missão, e desde 6 de agosto de 2012 esses instrumentos funcionaram muito. Em cinco anos e meio, o rover Curiosity percorreu pouco mais de 18 km, o que pode parecer lento, mas não significa deixar detalhes do ambiente e também preservar as rodas do veículo espacial que estão sofrendo na superfície rochosa de Marte.

curiosity rover mount sharp mars

Os resultados são tão animadores que outras missões são planejadas pela NASA

Durante esses longos anos de estudo, a Curiosity detectou enxofre, nitrogênio, oxigênio, fósforo e carbono na superfície de Marte. Este ambiente é, portanto, capaz de suportar uma vida microbiana. Além disso, as análises laboratoriais de SAM revelaram elementos da química do carbono em uma amostra retirada. Mas a química do carbono está intimamente ligada à vida. É por isso que falamos de química orgânica para descrever compostos de carbono. As observações atmosféricas do rover também atraíram a atenção dos cientistas. Os instrumentos científicos do rover Curiosity revelaram o metano na atmosfera marciana. Além disso, a quantidade de metano observada não é estável. Foi multiplicado por 10 durante um período de observação de dois meses. Então existe um processo em Marte que produz metano irregularmente. Este é tipicamente o tipo de observações que podem ser atribuídas aos organismos vivos. Mas, na ausência de evidências adicionais, nada pode ser certificado, especialmente porque o rover também deu más notícias sobre a vida. Os níveis de radiação medidos excederam repetidamente os limites estabelecidos pela NASA para seus astronautas. O vento solar e os raios cósmicos bombardearam o rover Curiosity incessantemente. Não devemos esquecer que o planeta Marte, infelizmente, não tem campo magnético, é um dado a ser levado em conta para futuras missões habitadas. Entre os mais emocionantes avistamentos da Curiosity, há a forma das rochas. Suas bordas lisas e arredondadas sugerem que elas foram erodidas por um rio por longos períodos de tempo. Algumas seções cruzadas pelo rover Curiosity revelam um rio pequeno, mas pouco profundo. Mas foi bilhões de anos atrás. O rover do Mars Science Laboratory se saiu muito bem. Em 2020, a NASA enviará um novo rover para a superfície de Marte, que se parece muito com o Curiosity, mas com novos instrumentos para melhorar nosso conhecimento de rios secos, emissões de metano e química orgânica de Marte.

Imagens por
NASA / JPL-Caltech / MSSS
NASA / JPL-Caltech [Domínio Público], via Wikimedia Commons
NASA / JPL-Caltech / MSSS (http://photojournal.jpl.nasa.gov/jpeg/PIA19912.jpg) [domínio público], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...



O que você quer fazer agora ? ?