Tudo sobre Europa (lua de Júpiter) e notícias

europa moon

O estudo da salinidade dos oceanos de Europa poderia nos dizer se a vida é possível

– Notícias de 18 de junho de 2019 –

No final dos anos 90, a missão de Galileu nos ensinou que Europa, uma das maiores luas de Júpiter, provavelmente abriga um oceano de água líquida sob a crosta de gelo. Seu campo magnético, sua superfície quase completamente livre de crateras e a detecção de gêiseres são fortes evidências nesse sentido. Se existe, este oceano é provavelmente salgado. Para saber se é favorável à vida, é necessário agora determinar qual é a profundidade, a salinidade e, principalmente, que tipo de sal é. Um estudo publicado em 12 de junho de 2019 enfoca essa última questão. Sais na superfície da lua gelada já foram detectados, incluindo sulfatos e sais de ácido sulfúrico. No entanto, não é certo que esses sais provenham do oceano subterrâneo.

A Europa está em rotação síncrona com Júpiter, isto é, sempre apresenta o mesmo lado. Os sulfatos foram essencialmente detectados no hemisfério oposto a sua direção de revolução, o que pode ser chamado de parte de trás da lua. Esse detalhe é importante porque sugere que esse lado poderia ser bombardeado com enxofre dos vulcões de Io, outra lua de Júpiter. Os sais de ácido sulfúrico não seriam uma pista para a composição do oceano. Eles teriam formado por uma contribuição externa.

A melhor chance de determinar a natureza dos sais do oceano interior é, portanto, olhar para o hemisfério na parte da frente da lua, muito menos sensível a esse tipo de fenômeno. Foi o que a equipe fez com o Telescópio Espacial Hubble, e o que eles descobriram é muito encorajador. Deste lado da Europa, existe outro tipo de sal, o cloreto de sódio. É o sal encontrado em nossas cozinhas, que também é encontrado em quantidades significativas nos oceanos terrestres.

Se o oceano de Europa é salgado da mesma forma que o Oceano Atlântico, as chances de encontrar vida nele são grandemente aumentadas. Isto significa, por exemplo, que pode permanecer líquido a baixas temperaturas. Os íons de sódio encontrados no sal de mesa também são essenciais para muitos organismos terrestres, enquanto que quando estão em grandes quantidades, os sulfatos tendem a ser hostis à vida. Claro, temos que confirmar essa descoberta. O cloreto de sódio observado neste lado da Europa poderia ter outra fonte.

Felizmente, a lua de Júpiter será muito estudada na próxima década. Em 2023, a NASA lançará o Europa Clipper, um orbitador quase inteiramente dedicado à pequena lua. A sonda espacial será equipada com um espectrômetro que confirmará a localização exata do cloreto de sódio na superfície de Europa. Idealmente, a sonda espacial americana também poderá assistir a pelo menos um dos geysers de Europa e analisar sua composição. Se encontrar cloreto de sódio, começará a ficar muito interessante. Essa descoberta também pode ser feita pela missão européia Icy Moons Explorer, da Jupiter, que tem os mesmos objetivos, mas tem como alvo um número maior de luas.



crew dragon first flight



Galileo revela a existência de geysers em Europa, 20 anos após seu sobrevoo

– Notícias de 15 de maio de 2018 –

Europa é suspeita de abrigar oceanos de água líquida sob uma grossa camada de gelo. Um dos pontos-chave dessa hipótese é a observação repetida de gêiseres na superfície desta lua de Júpiter. Gêiseres são um sinal de atividade nas profundezas da Europa. Para estudar mais de perto a composição química desses gêiseres e possivelmente determinar a habitabilidade de Europa, a NASA gostaria que uma de suas sondas espaciais cruzasse essas plumas, que podem subir até cem quilômetros de altitude. Uma espaçonave poderia assim acessar esses oceanos ocultos sem sequer ter que pousar na superfície de Europa. É uma manobra arriscada, mas pode ser tentada por uma missão como o Europa Clipper em poucos anos.

Na verdade, essa manobra provavelmente já foi feita há mais de vinte anos pela sonda Galileo, mas a NASA notou que em 2018. Os gêiseres de Europa foram identificados pela primeira vez pelo telescópio Hubble em 2013, mas em 1997, quando a missão Galileo Passado apenas 124 quilômetros da lua de Júpiter, registrou uma anomalia magnética que permaneceu inexplicada até então. Uma equipe de cientistas recorreu aos dados da missão que terminou em 2003. Dois instrumentos em particular tornaram possível tirar essas conclusões: o magnetômetro e o detector de partículas da sonda espacial registraram variações muito incomuns durante três minutos. Essas diferenças são explicadas muito bem se assumirmos que a sonda espacial tenha passado por um geyser. As partículas emitidas pelo gêiser teriam interagido com o campo magnético para dar origem à anomalia.

Para testar sua hipótese, os cientistas modelaram os parâmetros da missão em uma simulação por computador e geraram um gêiser de vapor de água ao passar perto de Europa. Os resultados da simulação estão em perfeita concordância com os dados reais do Galileo, juntamente com observações de voo. Agora é quase certo que os gêiseres de Europa existem. No entanto, ainda há muitas questões: são esses gêiseres pontuais ou permanentes e, em especial, qual é a sua composição química? A missão Europa Clipper e a missão Jupiter Icy Moon Orbiter poderiam fornecer respostas. Estas duas sondas espaciais desenvolvidas respectivamente pela NASA e pela ESA devem ser lançadas no início dos anos 2020, e dar os primeiros resultados alguns anos mais tarde.

– Notícias de 23 de maio de 2017 –

A Nasa parece ansiosa para enviar sondas espaciais para desvendar os mistérios de Europa, a lua gelada de Júpiter. Agora que está estabelecido que Europa é um dos dois lugares com maior probabilidade de abrigar vida no sistema solar, entendemos o porquê. Mas o que torna a pequena lua de Júpiter tão interessante é seu oceano sob quilômetros de gelo.

A NASA contratou uma equipe da Universidade do Arizona para construir um sismógrafo capaz de ouvir o que está acontecendo nas profundezas da Europa. O objetivo final de tal sonda seria obviamente encontrar traços de vida nesta lua. Mas encontrar traços de vida com um sismógrafo não é fácil.

É aqui que entra toda a engenhosidade das equipes da NASA. Ao ouvir os movimentos internos da Lua, os cientistas da missão poderão determinar muitas informações, incluindo a espessura da crosta de gelo, ou as forças do planeta. marés devido à proximidade do gigante de gás Júpiter. Mas o que mais lhes interessa é descobrir os lagos na camada congelada de Europa.

Assim, os canais a partir dos quais os gêiseres foram observados em Europa são os alvos privilegiados para ir em busca de traços orgânicos. Eles são fáceis de acessar porque estão relativamente perto da superfície, mas ainda interagem com o oceano interior. Nós já sabemos que havia pelo menos um lago na crosta de Europa, apelidado de Great Lake. Mas nós suspeitamos que há muito mais lagos, formando tantos micro-sistemas diferentes. Este dispositivo poderia fornecer os dados necessários para a missão que realmente faz sonhar a NASA: um submarino para explorar as profundezas da Europa.

– Notícias de 18 de abril de 2017 –

As observações do Hubble destacaram a presença de gigantes gêiseres na superfície de Europa, até 100 km de altitude. Isso confirma as fortes suspeitas dos cientistas sobre a presença de um oceano líquido sob a superfície congelada do satélite de Júpiter.

Esperamos que estas observações pesem na decisão de financiar a missão Europa Clipper. Esta sonda espacial de mais de 3 toneladas que seria lançada nos anos 2020 e seria inteiramente dedicada ao estudo de Europa e seu oceano líquido. Uma missão que poderia nos ajudar a responder à pergunta: “Estamos sozinhos no sistema solar?” Mesmo que a Europa não tenha quase nenhuma chance de abrigar outra coisa senão uma vida primitiva e microscópica, essa descoberta nos provaria que o surgimento da vida em um planeta é um fenômeno bastante comum e não excepcional.

O essencial sobre Europa (lua de Júpiter)

Diâmetro: 3,121 km

Europa é a menor das quatro principais luas de Júpiter, mas também a mais interessante. Sua superfície de gelo parece escarificada com linhas escuras, enquanto possui poucas crateras, o que sugere que poderia haver sob sua superfície um oceano de água líquida quente o suficiente para proteger a vida.

Europa tem uma órbita quase circular e gira em torno de Júpiter em pouco mais de 3,5 dias. Está em rotação síncrona com Júpiter, por isso é sempre o mesmo lado que enfrenta o planeta gigante.

Riscas escuras na superfície do gelo podem ter sido causadas por rachaduras no gelo e depois congeladas novamente, embora a superfície da Europa seja uma das mais suaves do sistema solar.

Dada a sua potencial habitabilidade, Europa é objeto de vários projetos de missões espaciais, a fim de explorar seu oceano em busca de vida.

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?