O WFIRST usará o método de microlente gravitacional

wfirst

– Notícias de 13 de outubro de 2019 –

O efeito da lente gravitacional foi previsto por Albert Einstein em 1936. Quando dois objetos maciços, por exemplo duas estrelas, estão perfeitamente alinhados com um observador, o objeto no meio, chamado lente, atuará como uma lupa na luz emitida por o mais distante, chamado de fonte. A estrela que serve como lente pode ter um sistema planetário; nesse caso, cada um desses planetas deixará sua marca no efeito de ampliação observado.

Essa técnica é bastante recente, gerou descobertas na última década. Vinte exoplanetas foram detectados graças a esse método durante esse período, o que não é muito. O principal interesse desse método é que ele permite descobrir pequenos planetas do tamanho da Terra ou do planeta Marte, orbitando suficientemente longe de sua estrela. Por exemplo, ele detectou uma super-Terra com um período orbital de 10 anos. As detecções de exoplanetas são bastante aleatórias e devem-se à sorte. Eles não são reproduzíveis porque você precisa de alinhamentos que acontecem apenas uma vez.

O telescópio espacial WFIRST monitorará um grande número de estrelas para aumentar significativamente as detecções de exoplanetas. Isso deve nos dar uma boa idéia de como é um sistema planetário típico. Esta será a oportunidade de saber se a situação orbital da Terra é frequente ou não na galáxia. A maioria dos exoplanetas detectados até o momento passou pelo método de trânsitos ou pelo método da velocidade radial, mas esses métodos favorecem a detecção de exoplanetas grandes e maciços que orbitam perto de sua estrela. Esse viés pode distorcer nossa percepção do que constitui a norma e a exceção no universo. Com seu censo baseado em microlentes gravitacionais, o telescópio espacial WFIRST deve melhorar nossa compreensão dos sistemas planetários.





O telescópio espacial WFIRST está incluído no orçamento da NASA 2020

– Notícias de 1 de outubro de 2019 –

Durante a próxima década, a NASA quer enviar ao espaço novos observatórios espaciais de grande porte. James Webb, um telescópio gigante equipado com um espelho primário de 6,5 metros, e o WFIRST. O WFIRST foi possível graças a uma doação da NRO, a agência que lida com satélites espiões dos EUA, para a NASA. A agência oferecerá dois telescópios de capacidade semelhante ao Hubble, mas com um campo de observação muito maior. Foi em um desses telescópios que o WFIRST foi construído.

A missão foi inicialmente pensada como um observatório para tentar entender melhor a natureza da energia escura, e essa continua sendo uma de suas principais missões. Mas, à medida que se desenvolvia, a Agência Espacial dos EUA queria fazer do WFIRST uma ferramenta líder para geração direta de imagens de exoplanetas. Essa nova capacidade envolve a adição de um coronógrafo muito poderoso, ou seja, um complexo sistema de máscaras, prismas e espelhos distorcidos.

Seu objetivo é bloquear a luz de uma estrela enquanto deixa passar as dos planetas em órbita, um exercício extremamente difícil, pois em um sistema óptico a luz coletada forma padrões de difração que impedem que os contornos imediatos de uma luz sejam discernidos. A instalação deste coronógrafo, portanto, aumentou significativamente o custo da missão, de modo que, durante dois anos ou mais, a WFIRST está no centro de uma batalha orçamentária. Na verdade, não é fácil encontrar dinheiro enquanto a NASA tenta retornar à Lua.

A primeira boa notícia é que o WFIRST conseguiu ter orçamento no orçamento da Agência Espacial dos EUA para 2020. Obteve um envelope de US $ 445 milhões que lhe permitirá continuar seu desenvolvimento. A segunda boa notícia é que seu coronógrafo elaborado acaba de concluir sua revisão preliminar do projeto. Isso significa que sua arquitetura final está agora determinada e que podemos passar para a fase de fabricação do telescópio espacial.

Se o telescópio cumprir com sucesso sua missão, a NASA planeja construir coronógrafos ainda mais poderosos para colocá-los em telescópios espaciais ainda maiores. Isso é o que deve eventualmente tornar possível imaginar planetas do tamanho da Terra. A essa distância, quando falamos de imagens, falamos de um pixel, o que não seria ruim porque um pixel já é suficiente para ter um espectro de luz e, portanto, potencialmente para obter informações sobre a composição atmosférica do exoplaneta observado.

Antes de chegar a esse ponto, o WFIRST continuará seu desenvolvimento a ser lançado em meados da década de 2020. Como o telescópio espacial James Webb, ele estará localizado no ponto L2 Lagrange do sistema Sol-Terra. Sua missão durará pelo menos cinco anos. Além de estudar a expansão do universo e testar seu coronógrafo, o WFIRST tentará detectar muitos exoplanetas pelo método das micro-lentes gravitacionais. Na falta de imagem direta de uma exo-terra, deve pelo menos ajudar a estender a lista de candidatos.

A mobilização da comunidade científica salva o observatório espacial WFIRST

– Notícias de 4 de junho de 2019 –

O WFIRST tem que lutar a cada ano para que sua linha orçamentária não desapareça no orçamento da agência espacial americana. Este observatório é dedicado ao estudo de energia escura e exoplanetas. Para observar exoplanetas, deve ser equipado com um poderoso coronógrafo. Essa adição gerou uma explosão de orçamento para o WFIRST.

Sabemos que o governo dos EUA definiu o objetivo da NASA de trazer rapidamente os homens de volta à lua. Para encontrar o dinheiro necessário para tal projeto, algumas pessoas gostariam de cancelar o WFIRST. A missão é, no entanto, considerada de suma importância para a grande maioria da comunidade científica.

Há dois anos, tem havido uma batalha entre aqueles que querem economizar dinheiro e aqueles que querem fazer ciência. Os cientistas acabaram de ganhar uma vitória. O WFIRST foi novamente salvo por uma emenda ao orçamento da NASA para 2020. O telescópio tem um orçamento de desenvolvimento de US $ 510 milhões, o que é muito próximo dos US $ 542 milhões que a equipe de desenvolvimento estava esperando. Isso permitirá que o projeto acelere seu desenvolvimento. De fato, recebeu apenas US $ 195 milhões.

No entanto, será necessário aguardar até o início de 2020 para ter uma confirmação final de que a missão será realizada. O lançamento do WFIRST está previsto para meados dos anos 2020. Espera-se que ele se junte ao Telescópio Espacial James Webb no ponto Lagrange L2 do sistema Terra-Sol.

O futuro do WFIRST ainda é incerto

– Notícias de 27 de janeiro de 2019 –

Como James Webb, o WFIRST está passando por atrasos e excesso de orçamento. Tememos um cancelamento em 2018, mas no momento o telescópio consegue obter envelopes de financiamento ano após ano. Isso promete uma grande batalha política pelo desenvolvimento do telescópio. A Nasa terá que pedir um aumento de orçamento porque a WFIRST entra em uma fase de projeto mais avançada ao lado de James Webb, o SLS e as ambições lunares da agência espacial dos EUA. Podemos esperar necessidades financeiras muito grandes.

A Casa Branca pediu à Nasa para estudar um orçamento para 2020 de até 5%, o que significaria um bilhão de dólares em cortes orçamentários a serem distribuídos pelos vários programas. A NASA, portanto, pediu às equipes que trabalham no telescópio que trabalhem em maneiras de reduzir o custo do projeto, mantendo a missão.

O coronógrafo do telescópio provavelmente será impactado por essa queda no orçamento, ou seja, o instrumento que mais nos interessa para a imagem direta dos exoplanetas. Cortes no orçamento da NASA também podem significar um lançamento atrasado. Por enquanto, o telescópio deve decolar por volta de 2025. Como James Webb, será no ponto L2 Lagrange.

A missão WFIRST é considerada a missão astrofísica mais importante dos anos 2020 pelo Conselho Nacional de Pesquisa dos EUA. Podemos, portanto, esperar que a comunidade científica defenda o projeto e seu financiamento.

Dificuldades orçamentárias da NASA ameaçam o telescópio WFIRST

– Notícias de 28 de novembro de 2017 –

Embora o setor espacial esteja em expansão, a NASA ainda tem as mesmas dificuldades orçamentárias. Desta vez, o Telescópio Telescópio de Levantamento Infravermelho de Campo Amplo (WFIRST) está sob ameaça de cortes no orçamento. O WFIRST deve ser lançado em meados da próxima década para fazer observações de infravermelho cujo objetivo é nos fornecer pistas sobre a natureza da famosa energia escura. Ele também deve ser usado para a detecção de exoplanetas pelo método de micro-lentes gravitacionais. É uma ferramenta altamente esperada por astrônomos e físicos. Mas um estudo interno da NASA concluiu que o WFIRST não pode ser lançado sem uma extensão orçamentária ou uma revisão para baixo de suas capacidades.

A NASA mudou significativamente o projeto desde o início, incluindo o uso de um espelho primário que é 2,4 metros mais largo que o espelho original. Este espelho foi doado à NASA pela NRO, a organização responsável pelos satélites de reconhecimento. É mais ou menos o mesmo espelho do telescópio espacial Hubble, mas com um campo de visão mais amplo. A adição de um coronógrafo também deve permitir que o telescópio faça observações diretas de certos exoplanetas. A consequência da redução orçamentária seria que o WFIRST talvez não tivesse um coronógrafo, porque é nesse instrumento que o relatório do projeto parece ser o mais cético.

A coronografia é uma técnica muito promissora para a descoberta e caracterização de exoplanetas. Um coronógrafo bloqueia a luz de uma estrela, permitindo que objetos próximos, como planetas ou um disco protoplanetário, sejam observados diretamente. Com esta ferramenta e suas capacidades de visualização infravermelha, o WFIRST pode ser o primeiro telescópio a identificar um planeta semelhante à Terra. Mas o desenvolvimento deste coronógrafo pode pôr em perigo a missão principal do telescópio, que é o estudo da energia escura. O relatório conclui que é imperativo reajustar as ambições do projeto.

Imagem da NASA (http://wfirst.gsfc.nasa.gov/about/) [domínio público], via Wikimedia Commons

Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?