Tudo sobre a proteção planetária e notícias

planetary protection

A proteção planetária é um grande desafio para evitar a contaminação extraterrestre

– Notícias de 3 de fevereiro de 2019 –

Esperamos encontrar traços de vida no planeta Marte, na Europa a lua de Júpiter, ou em alguns outros corpos do sistema solar. Para conseguir isso, enviamos robôs para a superfície desses corpos. Então, corremos o risco de enviar microorganismos terrestres. Nosso planeta está tão repleto de vida que até o menor centímetro cúbico de ar ou qualquer superfície exposta está cheio de bactérias e micróbios. Se descobrirmos um microorganismo no planeta Marte, temos que ter certeza de que é uma espécie local e não um clandestino trazido pelo rover. Também devemos ter a certeza de não cometer genocídio em escala planetária, pousando uma nova espécie dominante nesses corpos celestes.

Para evitar uma possível contaminação, as agências espaciais, portanto, seguem as diretrizes de proteção planetária. Isso envolve a descontaminação de robôs para exploração espacial. Por essa razão, por exemplo, a sonda Cassini foi lançada na atmosfera de Saturno em setembro de 2017. Isso garante que ela não atingirá nenhuma das luas congeladas de Saturno, que supostamente abrigam a vida.

Obviamente, a proteção planetária também funciona na outra direção. Quando uma amostra extraterrestre é trazida para a Terra, é importante que ela não contenha nenhuma forma de vida estranha. As poucas amostras que foram coletadas na Lua ou em outros objetos celestes são mantidas em laboratórios especialmente projetados para evitar qualquer contaminação em uma direção ou outra. Isso é chamado de princípio da precaução. De fato, não sabemos sobre a capacidade dos microrganismos terrestres de sobreviver fora da Terra, nem sobre as capacidades de sobrevivência de potenciais microorganismos extraterrestres. Para monitorar isso, algumas agências espaciais como a NASA estão recrutando especialistas, como agentes de proteção planetária.

A humanidade já viu muitas vezes como a chegada de uma nova espécie pode perturbar todo um ecossistema. Por exemplo, a chegada do vespão asiático na Europa teve muitos impactos. Portanto, parece importante tentar evitar a reprodução do mesmo fenômeno em escala planetária.

Foto de Nasa [domínio público], via Wikimedia Commons



crew dragon first flight



Fontes

Você também deve estar interessado



Space Lover, Aprenda Como...

O que você quer fazer agora ? ?